Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/44511
Type: Artigo de periódico
Title: História do surgimento e desenvolvimento das drogas antiepilépticas
Title Alternative: Historical origin and antiepileptic drug development
Author: Guerreiro, Carlos A. M.
Abstract: INTRODUCTION: New antiepileptic drugs are needed because many epileptic patients do not achieve complete control with current antiepileptic drugs. METHODS: We reviewed the historical origin of antiepileptic drugs, the different phases of the medical treatment related to monotherapy or polytheraphy, and the experimental models applied to develop new medications nowadays. RESULTS: Experimental models have been used for many years in order to detect some rational mechanisms of action. The results are interesting but limited. Some drugs fail the scrutiny and still they may be clinically effective. On the other hand, some drugs have good experimental profile but are extremely toxic in humans. CONCLUSION: Despite mild advance in the understanding of antiepileptic drug mechanism of action and experimental models of epilepsy, the development of antiepileptic drugs is mostly empirically oriented.
INTRODUÇÃO: Há necessidade de novas medicações antiepilépticas, uma vez que um contingente importante dos pacientes com epilepsia não obtém controle satisfatório de suas crises epilépticas com o arsenal terapêutico disponível. Existe preocupação com o desenvolvimento racional de novas drogas antiepilépticas para preencher esta lacuna. MATERIAL E MÉTODOS: Revisão da literatura sobre o desenvolvimento e o surgimento das drogas antiepilépticas, assim como as diferentes fases históricas com relação ao uso de uma (monoterapia) versus o uso de mais do que uma medicação simultaneamente (politerapia). RESULTADOS: Modelos experimentais de epilepsia foram utilizados na predição da eficácia das drogas antiepilépticas. Os resultados obtidos têm limitações, isto é, drogas que não evidenciaram atividade nestes modelos experimentais mostraram-se úteis na prática clínica. Por outro lado, drogas que atuaram nestes modelos não se mostraram clinicamente adequadas por toxicidade excessiva no homem. CONCLUSÃO: A despeito do melhor conhecimento científico do mecanismo de ação das drogas antiepilépticas o desenvolvimento de novas drogas ainda tem sido fundamentalmente empírico.
Subject: drogas antiepilépticas
monoterapia
politerapia
desenvolvimento de drogas antiepilépticas
antiepileptic drugs
monotherapy
polytherapy
antiepileptic drug development
Editor: Liga Brasileira de Epilepsia (LBE)
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S1676-26492006000200004
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S1676-26492006000200004
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-26492006000200004
Date Issue: 1-Mar-2006
Appears in Collections:Artigos e Materiais de Revistas Científicas - Unicamp

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S1676-26492006000200004.pdf120.55 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.