Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/40432
Type: Artigo de periódico
Title: Quando o humor azeda: o episódio Rushdie em retrospectiva
Author: Rajagopalan, Kanavillil
Abstract: This paper is an attempt to review in retrospect the episode involving Salman Rushdie and his novel The satanic verses. I begin my analysis by calling attention to the fact that both the plot of the novel and the socio-historico-political backdrop against which it is projected are so steeped in India's cultural milieu that it is indeed surprising that the novel became such an explosive issue on the international scenario. But then I argue that there is an important lesson to be learned from all this concerning reading and interpretation. No matter what Rushdie or anybody else could possibly have done by way of retracing the steps or pleading with Iran's enraged ayatollahs for clemency, there was no way his novel could have been subjected to a re-reading - the one final and definitive interpretation had already been foisted upon the ill-fated novel. This is Rushdie's postmodern predicamente. Irony - the one weapon he had so skilfully wielded not only in The satanic verses but in his earlier novels as well, turned back on him, producing an unexpected boomerang effect. What we have here is a case of the politics of irony at work.
Este trabalho é uma tentativa de analisar retrospectivamente o episódio que envolve Salman Rushdie e seu romance Os versículos satânicos. Começo minha análise chamando atenção para o fato de que tanto o enredo da obra quanto o ambiente sócio-político-histórico em que ela aparece estão mergulhados no meio cultural da Índia de modo a não surpreender que o romance tenha se transformado numa questão tão explosiva no cenário internacional. Em seguida argumento que isso tudo nos ensina uma lição importante a respeito de leitura e interpretação. O que quer que Rushdie ou outra pessoa fizesse com o intuito de voltar atrás ou pedir clemência aos aiotolás enfurecidos, não havia como submeter o romance a uma re-leitura - a única interpretação final e definitiva já havia sindo impingida ao malfadado romance. Essa é a enrascada pós-moderna de Rushdie. A ironia - a mesma arma que ele tão habilmente havia utilizado não apenas nos Versículos satânicos mas também em seus romances anteriores - voltou-se contra ele, produzindo um inesperado efeito bumerangue. O que temos aqui é um caso de política da ironia em ação.
Editor: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S0103-40141996000200007
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141996000200007
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141996000200007
Date Issue: 1-Aug-1996
Appears in Collections:Artigos e Materiais de Revistas Científicas - Unicamp

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0103-40141996000200007.pdf115.22 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.