Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/357967
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Adipócitos como células hospedeiras de Leishmania spp : infecção transitória ou estratégia para a persistência parasitária?
Title Alternative: Adipocytes as host cells for Leishmania ssp : transient infection or strategy for parasite persistence?
Author: Mendes, Bruno, 1990-
Advisor: Miguel, Danilo Ciccone, 1984-
Abstract: Resumo: As leishmanioses são relevantes infecções causadas por protozoários do gênero Leishmania levando à mortalidade e morbidade em 98 países endêmicos, principalmente de populações em condições sociais menos favorecidas, incluindo o Brasil. Esta doença parasitária destaca-se por diversas manifestações clínicas com terapêutica limitada. Neste sentido, as infecções por Leishmania spp. constituem um sério problema de saúde pública e um desafio para a ciência. Durante a infecção, fagócitos mononucleares como os macrófagos são reconhecidos como principal alvo ocupado pelos amastigotas quando parasitam vertebrados. Entretanto, outros tipos celulares vêm sendo caracterizados como potenciais sítios de infecção pelas espécies de Leishmania. Neste contexto, o presente trabalho verificou a capacidade de infectividade das espécies causadoras de leishmaniose tegumentar americana: Leishmania (Leishmania) amazonensis e Leishmania (Viannia) braziliensis em culturas de adipócitos diferenciados de linhagens de fibroblastos 3T3-L1. Como primeira etapa, realizou-se um protocolo de diferenciação celular em adipócitos dentro de 14 dias. Em seguida, as células foram infectadas com promastigotas e amastigotas axênicos das espécies de Leishmania nos tempos de 1, 24, 48 e 144 h (MOI=20) e caracterizadas por microscopia óptica, de fluorescência e eletrônica de transmissão. Ambos estágios parasitários foram capazes de infectar e persistir em adipócitos por até 144 h, apesar de apresentarem um declínio no número de amastigotas a partir das 48 h de infecção inicial. L. (L.) amazonensis foi capaz de levar à formação de vacúolos parasitóforos de caráter ácido, evidenciados pela marcação com LysoTracker¿ Red DND-99. Os resultados aqui apresentados indicam que os adipócitos constituem um ambiente capaz de sustentar a infecção de Leishmania spp. permitindo não somente a sobrevivência, mas também a multiplicação e persistência do parasito, uma vez que a viabilidade dos parasitos intracelulares também foi observada em ensaios de diferenciação de amastigotas a promastigotas. Este novo perfil de infecção pode ser de grande valia para a compreensão dos quadros de cronicidade, um sinal decorrente de esquemas de tratamentos ineficazes ou mesmo de quadros naturais de recaídas em casos clínicos de leishmaniose.

Abstract: Leishmaniasis are relevant infections caused by protozoa of the genus Leishmania and generates mortality and morbidity in 98 endemic countries, mainly from populations in less favored social conditions, including Brazil. This parasitic disease presents for several clinical manifestations with limited therapy. In this way, infections with Leishmania spp. prove to be a serious public health problem and a challenge for science. During infection, mononuclear phagocytes such as macrophages are recognized as the main target occupied by amastigotes when parasitizing vertebrates. However, other cell types have been characterized as potential sites of infection by Leishmania species. In this context, the present work verified the infectivity of the causative species of American cutaneous Leishmania: Leishmania (Leishmania) amazonensis and Leishmania (Viannia) braziliensis in differentiated adipocyte cultures of 3T3-L1 fibroblast strains. As a first step, a protocol for cell differentiation into adipocytes was developed within 14 days. Then, the cells were infected with axenic promastigotes and amastigotes of Leishmania species at 1, 24, 48 and 144 h (MOI = 20) and characterized by optical microscopy, fluorescence and transmission electron microscopy. Both parasitic stages were able to infect and persist in adipocytes for 144 h, although they showed a decline in the number of amastigotes from 48 h of initial infection. L. (L.) amazonensis occurred with the formation of acid parasitophorous vacuoles, evidenced by the LysoTracker ¿ Red DND-99 labeling. The results presented here indicate that adipocytes constitute an environment that supports Leishmania spp. infection. allowing not only survival but also multiplication and persistence of the parasite, as the viability of intracellular parasites was also observed in amastigote to promastigote differentiation assays. This new infection profile may be of great importance for understanding chronicity, a sign that comes from ineffective treatment regimens or even from natural relapse in clinical cases of leishmaniasis.
Subject: Adipócitos
Células 3T3-L1
Leishmaniose
Infecção
Leishmania
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MENDES, Bruno. Adipócitos como células hospedeiras de Leishmania spp: infecção transitória ou estratégia para a persistência parasitária? . 2020. 1 recurso online ( 60 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Campinas, SP.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Mendes_Bruno_M.pdf2.66 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.