Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/357809
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Do eu ao nós : a construção da identidade coletiva secundarista em ocupações de escolas públicas no Estado de São Paulo (2015)
Title Alternative: From me to us : the construction of secondary collective identity in public school occupations in São Paulo (2015)
Author: Cortilho, Gabriel Cavallari, 1992-
Advisor: Krawczyk, Nora Rut, 1958-
Abstract: Resumo: Esta pesquisa tem como tema a construção da identidade e da ação coletiva dos jovens estudantes do Ensino Médio que, na segunda metade de 2015, ocuparam as escolas públicas em que estudavam. Diversos repertórios de luta sociopolítica – dentre eles os protestos de rua, nas Diretorias de Ensino, os abraçaços ao redor das escolas, as ocupações das instituições de ensino, o boicote ao SARESP e os trancamentos de avenidas – foram experimentados, coletivamente, pelos jovens como formas de protesto à medida de "reorganização escolar", decretada pela Secretaria da Educação do governo estadual de Geraldo Alckmin sem diálogo prévio com a população e as comunidades escolares. Ao irem além da condição social passiva de estudantes, não aceitando a decisão arbitrária da SEE-SP, elas e eles tornaram-se atores sociais importantes nos debates em torno da Educação pública, vocalizando à sociedade civil mensagens em defesa da escola pública. Neste processo tenso e relacional, as e os jovens se autodenominaram "secundas", ou mais especificamente: "secundas de luta". A presente investigação teve como objetivo compreender a construção da identidade coletiva secundarista e a coesão organizativa dos jovens em meio às diferentes orientações presentes, se debruçando diante da complexidade dos acontecimentos, que, na época, sobretudo pelo "calor do momento", estiveram marcados por dicotomias e reducionismos. Os objetivos específicos da pesquisa foram delimitados a partir das categorias de análise: a solidariedade, o conflito e a ruptura ou a quebra dos limites do sistema de ação, bem como os momentos de construção da ação coletiva (latência, visibilidade e refluxo/ legados). Tais categorias permitiram à pesquisa identificar a percepção dos jovens em relação à escola e ao governo, ao construírem de forma reflexiva, solidária e conflitiva, um "Nós", os secundaristas, em oposição ao "Eles", o Estado e as forças da ordem; além das orientações e das forças sociopolíticas que estiveram em confronto neste processo marcado por oportunidades e constragimentos à ação coletiva dos secundaristas paulistas. O referencial teórico utilizado como ferramenta de análise para esta pesquisa foi delimitado com base nas contribuições de Alberto Melucci, Rossana Reguillo, James Jasper, dentre outras e outros pesquisadores brasileiros: Luis Antonio Groppo, Marília Sposito, Dirce Zan e uma extensa rede de pesquisadores que buscam compreender os dilemas da escola pública e das ocupações no Brasil. Esta pesquisa justifica-se pela necessidade de investigar a participação dos jovens na vida social, política e cultural; suas orientações, suas concepções de organização política e autonomia, suas experiências e visões de mundo; e ainda as possíveis relações destes atores sociais entre o Estado e a sociedade civil. A pesquisa possui caráter qualitativo e se baseou em um levantamento bibliográfico sobre o tema. Posteriormente, foram realizadas entrevistas na etapa da pesquisa de campo, complementadas com os dados de outras entrevistas, obtidos por outros pesquisadores. As informações e os relatos dos estudantes paulistas foram seguidos de uma análise, a partir do referencial teórico-metodológico adotado, a saber, o paradigma da identidade coletiva. Entre os resultados espera-se construir uma reflexão crítica sobre a emergência das ocupações de escolas no estado de São Paulo; sobre os momentos de construção e refluxo da identidade coletiva secundarista que, naquele momento, expressou uma crítica à política neoliberal da "reorganização escolar" através da autonomia e da horizontalidade, estabelecendo um confronto com a ordem; analisar as singularidades, de acordo com os sistemas de ação de cada escola ocupada e as forças em disputa nas redes de movimento de uma jovem geração de "secundas de luta"

Abstract: This research has as its theme the construction of the identity and collective action of young high school students who, in the second half of 2015, occupied the public schools where they studied. Several repertoires of socio-political struggle - among them protests on the streets and in the Education Boards, the encircling of schools, the occupations of educational institutions, the boycott of SARESP and the locking of avenues – were collectively experienced by young people as forms of protest with the "school reorganization" measure, decreed by the Education Department of the state government of Geraldo Alckmin without previous dialogue with the population and school communities. By going beyond the passive social condition of students, not accepting the arbitrary decision of SEE-SP, they became important social actors in the debates around public education, vocalizing messages to civil society in defense of the public school. In this tense and relational process, the youths call themselves "secondaries", or more specifically: "struggling secondaries". The present investigation aimed to understand the construction of the collective secondary identity and the organizational cohesion of the youths in the midst of the different orientations, focusing on the complexity of the events, which, at the time, especially because of the "heat of the moment", were marked by dichotomies and reductionisms. The specific objectives of the research were delimited from the categories of analysis: solidarity, conflict and the rupture or breaking of the limits of the system of action, as well as the moments of construction of collective action (latency, visibility and reflux / legacies). Such categories allowed the research to identify the perception of young people in relation to the school and the government, by building in a reflexive, solidary and conflicting way, a "Us", the secondary students, in opposition to "Them", the State and the forces of order; in addition to the orientations and sociopolitical forces that were confronted in this process marked by opportunities and constraints to the collective action of São Paulo high school students. The theoretical framework used as an analysis tool for this research was delimited based on the contributions of Alberto Melucci, Rossana Reguillo, James Jasper, among other Brazilian researchers: Luis Antonio Groppo, Marília Spposto, Dirce Zan and an extensive network of researchers who seek to understand the dilemmas of public schools and occupations in Brazil. This research is justified by the need to investigate the participation of young people in social, political and cultural life; their orientations, their conceptions of political organization and autonomy, their experiences and worldviews; and the possible relations of these social actors between the State and civil society. The research has a qualitative character and was based on a bibliographic survey on the topic. Subsequently, interviews were conducted in the field research stage, complemented with data from other interviews, obtained by other researchers. The information and reports of students from São Paulo were followed by an analysis, based on the theoretical-methodological framework adopted, namely, the collective identity paradigm. Among the results, it is expected to build a critical reflection on the emergence of school occupations in the state of São Paulo; on the moments of construction and reflux of the collective secondary identity that, at that moment, expressed a critique of the neoliberal policy of "school reorganization" through autonomy and horizontality, establishing a confrontation with the order; to analyze the singularities, according to the action systems of each occupied school and the forces in dispute in the movement networks of a young generation of "struggling secondaries"
Subject: Identidade social
Juventude
Movimentos sociais
Sociologia
Educação pública
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: CORTILHO, Gabriel Cavallari. Do eu ao nós: a construção da identidade coletiva secundarista em ocupações de escolas públicas no Estado de São Paulo (2015). 2020. 1 recurso online (232 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/357809. Acesso em: 26 mai. 2021.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cortilho_GabrielCavallari_M.pdf2.3 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.