Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/352987
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Avaliação dos efeitos da finasterida sobre o desenvolvimento prostático intrauterino e pós-natal inicial de fêmeas e machos do gerbilo da Mongólia ("Meriones unguiculatus") : Evaluation of the effects of finasteride on intrauterine and early post-natal prostatic development of female and male of Mongolian gerbil ("Meriones unguiculatus")
Title Alternative: Evaluation of the effects of finasteride on intrauterine and early post-natal prostatic development of female and male of Mongolian gerbil ("Meriones unguiculatus")
Author: Maldarine, Juliana dos Santos, 1992-
Advisor: Taboga, Sebastião Roberto
Abstract: Resumo: A próstata é um órgão reprodutivo acessório presente nos mamíferos, cuja formação envolve interações complexas entre o epitélio do seio urogenital (UGE) e o mesênquima do seio urogenital (UGM). Apesar de não ser exclusiva de machos, poucos são os estudos que se centram na próstata de fêmeas. O gerbilo da Mongólia ("Meriones unguiculatus") é promissor para a investigação do desenvolvimento prostático, já que a próstata está presente em cerca de 90% das fêmeas, diferentemente de outros roedores de laboratório. Entretanto, a razão para a ocorrência da glândula em uma parcela das fêmeas (e também das mulheres) se mantém obscura, assim como o papel da testosterona sobre o desenvolvimento inicial da mesma nas fêmeas e a origem das diferenças de susceptibilidade a quadros patológicos entre os sexos. O presente projeto utilizou duas diferentes dosagens de finasterida, um inibidor da 5alfa-Redutase, enzima que converte a testosterona na sua forma mais ativa, a dihidrotestosterona (DHT), para avaliar os efeitos da redução da ação androgênica sobre a próstata de ambos os sexos em dois momentos distintos de seu desenvolvimento: primeiramente no período intrauterino, de modo a avaliar os efeitos desse fármaco sobre a fase de brotamentos e de ramificação da glândula, e, em um segundo momento, no período pós-natal, sobre o início do processo de diferenciação morfofuncional dos alvéolos prostáticos. Para tanto, foram utilizadas técnicas de histoquímica, imunohistoquímica, imunofluorescência, reconstruções tridimensionais e dosagens hormonais séricas. Nós observamos que a exposição intrauterina à finasterida em uma dosagem baixa, porém ambientalmente relevante (100 mg/Kg/dia), gerou alterações durante o desenvolvimento prostático intrauterino em ambos os sexos, como aumento na espessura da musculatura lisa periductal e periuretral, aumento da proliferação estromal em fêmeas, e aumento da expressão do receptor de andrógeno (AR) e diminuição do receptor de estrógeno alfa (ERalfa) em machos. Ainda, uma dosagem cinco vezes maior (500 mg/Kg/dia) foi administrada nos períodos pré e pós-natal inicial. No primeiro, houve diminuição da espessura da musculatura lisa periductal em machos e aumento da mesma em fêmeas, bem como aumento da proliferação epitelial em ambos os sexos, além de aumento da expressão do AR epitelial dos machos e do ERalfa epitelial em fêmeas. Já a exposição à finasterida no período pós-natal levou, em ambos os sexos, ao aumento da espessura da musculatura lisa, assim como uma redução na espessura dos alvéolos prostáticos em desenvolvimento; entretanto, a próstata das fêmeas se mostrou mais alterada, o que foi verificado pela diminuição do número de alvéolos em desenvolvimento e pelo aumento da proliferação epitelial, o que não foi observado em machos. Em geral, os dados indicam que existem diferenças intersexuais nos efeitos da exposição intrauterina e pós-natal inicial à finasterida, o que demonstra que a próstata das fêmeas tem a sua própria dinâmica hormonal ao longo de seu desenvolvimento, e que o período em que ocorre tal exposição é relevante, sendo que alterações são observadas mesmo em dosagens mais baixas, o que gera preocupações acerca do potencial acúmulo dessa substância no meio ambiente e a necessidade de estabelecimento de parâmetros para a próstata das fêmeas, já que as dosagens consideradas ambientalmente seguras são descritas para machos

Abstract: The prostate is an accessory reproductive organ present in mammals, whose formation involves complex interactions between urogenital sinus (UGE) epithelium and urogenital sinus mesenchyme (UGM). Although not exclusive to males, few studies have focused on the prostate gland of females. The gerbil of Mongolia ("Meriones unguiculatus") is promising for the investigation of prostatic development, since prostate is present in about 90% of the females, unlike other laboratory rodents. However, the reason for the occurrence of gland in a portion of females (and also woman) remains obscure, as well as the role of testosterone on the initial development of the gland in females and the origin of differences in susceptibility to pathological conditions among sexes. The present project used two different dosages of finasteride, an inhibitor of 5alpha-reductase, an enzyme that converts testosterone in its most active form, dihydrotestosterone (DHT), to evaluate the effects of reducing androgenic action on prostate glands of both sexes in two different moments of its development: first in the intrauterine period, in order to evaluate the effects of this drug on the budding and branching phase of the gland, and, secondly, in the postnatal period, on the beginning of the process of morphofunctional differentiation of prostatic alveoli. For that, techniques of histochemistry, immunohistochemistry, immunofluorescence, three-dimensional reconstructions and serum hormonal dosages were used. We observed that intrauterine exposure to finasteride in a low, but environmentally relevant, dosage (100 mg/Kg/day) resulted in changes during intrauterine prostatic development in both sexes, such as increased periductal and periurethral smooth muscle thickness, increased stromal proliferation in females, and increased androgen receptor (AR) expression and estrogen receptor alpha(ERalpha) decrease in males. In addition, a dose five times higher (500 mg/Kg/day) was administered in the pre and postnatal periods. In the first, there was a decrease in the periductal smooth muscle thickness in males and an increase in the same in females, as well as an increase in epithelial proliferation in both sexes, and also an increase in epithelial RA of males and epithelial ERalpha in females. Exposure to finasteride in the postnatal period, in both sexes, increased the thickness of smooth muscle, as well as a reduction in the thickness of the developing prostatic alveoli; however, the females prostate was more altered, which was verified by the decrease in the number of alveoli in development and by the increase of the epithelial proliferation, which was not observed in males. In general, the data indicate that there are intersex differences in the effects of intrauterine and early postnatal exposure to finasteride, which demonstrates that female prostate has its own hormonal dynamics throughout its development, and that the period in which occurs such exposure is relevant, and changes are observed even at lower dosages, which raises concerns about the potential accumulation of this substance in the environment and the need to establish parameters for the female prostate, since the dosages considered environmentally safe are described for males
Subject: Próstata - Desenvolvimento
Próstata feminina
Gerbilo da Mongolia
Finasterida
Language: Inglês
Editor: [s.n.]
Citation: MALDARINE, Juliana dos Santos. Avaliação dos efeitos da finasterida sobre o desenvolvimento prostático intrauterino e pós-natal inicial de fêmeas e machos do gerbilo da Mongólia ("Meriones unguiculatus"): Evaluation of the effects of finasteride on intrauterine and early post-natal prostatic development of female and male of Mongolian gerbil ("Meriones unguiculatus"). 2019. 1 recurso online (127 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Maldarine_JulianaDosSantos_M.pdf4.37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.