Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/350209
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Terror e resistência no Xingu
Title Alternative: Terror and resistance in Xingu
Author: De Francesco, Ana Alves, 1982-
Advisor: Almeida, Mauro William Barbosa de, 1950-
Abstract: Resumo: Em meados de 2015 os moradores das ilhas e margens do rio Xingu foram expulsos de seu território para dar lugar ao reservatório principal da usina hidrelétrica de Belo Monte. As casas foram demolidas, a vegetação cortada, as ilhas alagadas, a pesca deixou de ser uma atividade lucrativa e mesmo de garantir seu sustento. O deslocamento forçado provocou dispersão social, ruptura econômica e violação de direitos que, associados às transformações ecológicas e espaciais, resultaram na desfiguração do mundo, o que implica em pensar o deslocamento em sua dimensão ontológica. Nesse contexto, respostas à catástrofe e mecanismos de resistência foram estruturados a partir de dois caminhos distintos e complementares: a busca cotidiana por apoio institucional e a reestruturação da vida social a partir das redes preexistentes. Esta tese é uma etnografia do esforço cotidiano dos ribeirinhos, ao longo dos últimos cinco anos, para reconstruírem sentidos, redes sociais e possibilidades de futuro. Descrevo como os dispositivos do deslocamento usados pelo Estado e pela empresa foram incorporados e subvertidos em tecnologias políticas de resistência por meio das quais ¿ reuniões, listas e mapas ¿ se tornaram estratégias de cuidado, construção coletiva e organização política que levaram à criação do Conselho Ribeirinho e à inclusão de um Território Ribeirinho como mecanismo de reparação e condição legal para o funcionamento da usina de Belo Monte

Abstract: In 2015 dwellers of the islands and banks of Xingu River were evicted from their territory for the flooding of the main reservoir of the Belo Monte hydroelectric plant. The houses were demolished, the vegetation cut off, the islands flooded, fishing ceased to be a profitable activity and even to guarantee their livelihood. The forced displacement caused social dispersion, economic disruption and violation of rights which, associated with ecological and spatial transformations, resulted in the defacement of the world, that implies in think the displacement in its ontological dimension. In this context, responses to catastrophe and mechanisms of resistance were structured based on two distinct and complementary ways: the daily seek for institutional support and the restructuring of social life based on preexisting networks. This thesis is an ethnography of the daily effort of "ribeirinhos", the riverside dwellers, over the past five years, in reconstructing meanings, social networks and possibilities of future. I describe how displacement devices used by the state and by the company were incorporated and subverted in political technologies of resistance ¿ meetings, lists and maps ¿ that became strategies of care, collective construction and political organization that resulted in the creation of the "Conselho Ribeirinho" and the inclusion of a Riverine Territory as a reparation mechanism and a legal condition for the operation of the Belo Monte plan
Subject: Usina Hidrelétrica de Belo Monte
Camponeses - Amazônia - Aspectos sociais
Migração forçada
Direitos humanos
Tecnologia - Aspectos políticos
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: DE FRANCESCO, Ana Alves. Terror e resistência no Xingu. 2020. 1 recurso online ( 276 p.) Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
DeFrancesco_AnaAlves_D.pdf24.45 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.