Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/345520
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Working poor japonês : trabalho imigrante dekassegui e suas transversalidades
Title Alternative: Japan's working poor : dekassegui immigrant labor and their transversalities
Author: Roncato, Mariana Shinohara, 1982-
Advisor: Antunes, Ricardo, 1953-
Abstract: Resumo: Conhecida por dekassegui, a comunidade imigrante brasileira no Japão contabiliza mais de 200 mil pessoas, acumulando 30 anos de fluxo migratório. A carência de força de trabalho em setores chaves da economia japonesa ¿ tais como na indústria, na construção civil e no setor de cuidados¿ se acentua a cada ano, evidenciando a pauta política sobre a entrada de imigrantes. A população japonesa como um todo não para de encolher, de envelhecer, assim como a taxa de fecundidade baixa impossibilita a reposição populacional e reprodução do capital. A problemática da carência de força de trabalho assim perpassa por questões econômicas, mas não somente, ela é atravessada também por conflitos étnicos e de gênero presentes naquele país. Nesse contexto, a presente tese de doutorado teve como objetivo a compreensão do trabalho imigrante dekassegui através de uma perspectiva integrativa entre classe, gênero e raça/etnia, dando centralidade a essa imbricação. Optamos pela perspectiva analítica da Teoria da Reprodução Social (TRS) e procuramos questionar como, por qual razão, qual a função social e a origem da exploração e opressão de classe, gênero e raça/etnia que se manifestam de forma paradigmática na vida da dekassegui. O trabalho exercido por essa população, de modo geral, se limita à indústria automobilística e eletroeletrônica, com contratos laborais de curta duração, sem estabilidade, jornada intermitente e com poucas possibilidades de ascensão na carreira. Não obstante, quando se comparada a situação vivida anteriormente ao processo migratório, residir no Japão também significa uma melhoria das suas condições materiais, certo conforto e segurança. Ou seja, por um lado, há uma intensa exploração de seu trabalho em condições penosas que acompanha opressões de gênero e raça, sem embargo, a situação econômica que o Japão lhes oferece faz com que sua permanência se estenda. Para compreensão das contradições presentes desse fenômeno migratório, fizemos uma pesquisa in loco com a população dekassegui residente na cidade Toyota, com o intuito de analisar como que exploração e opressão se manifestam no caso japonês. Considerando a imigrante como um paradigma da trabalhadora flexível, nos questionamos qual a especificidade da imigrante e o que a difere do trabalhador autóctone em condições precarizadas. Ademais, objetivamos responder como que o cruzamento entre classe, gênero e raça/etnia se evidencia em uma sociedade com pouca tradição em receber imigrantes. Vale dizer que a abordagem da tríade ¿ raça, classe e gênero - se dá via articulação integrativa entre a produção da mercadoria força de trabalho e a reprodução do capital, o que nos possibilitou a compreensão da gênese da opressão da mulher. O intuito foi expor o entendimento de que gênero e raça, enquanto identidades são construções sociais necessárias ao capital e, por esta mesma razão, tiveram sua gestação, enquanto estrutura social, pari passu à gênese e desenvolvimento do capitalismo. No caso japonês, esta construção foi efetivada via ideia de homogeneidade étnica e cultural presentes até os dias de hoje. Por fim, mapeamos a articulação das lutas políticas entre imigrantes e japonesas como forma paradigmática de que a resistência também é realizada na articulação entre classe social, gênero e raça/etnia

Abstract: Known as dekassegui, the Brazilian immigrant community in Japan reached more than 200.000 people in 30 years of migrant flux. The shortage of labor force in key sectors of the Japanese economy ¿ as in industry, construction and care ¿ increases every year, highlighting the political debate of immigrant entry. Japanese population decreases continually due to an ageing process and a low fertility rate, which precludes its replacement and the reproduction of capital. In this sense, the issue of labor shortage includes not only economic questions, but comprises also ethnic and gender conflicts in Japan. Considering these issues, this dissertation aims to understand dekassegui immigrant labor assuming as its axis an integrative perspective of class, gender and race/ethnicity. Using the analytical perspective of Social Reproduction Theory (SRT) we questioned the mode, the reasons, the social function and the origins of class, gender and race/ethnicity exploitation and oppression, which express themselves in a paradigmatic manner in dekasseguis¿ lives. In general, the labor done by this population is limited to the automotive and eletronics industries, with temporary labor contracts, no stability, intermittent jobs and scarce opportunities of promotion. Nevertheless, when compared to the situation dekasseguis experienced before the migrant process, living in Japan also means an improvement in their material conditions, a relative comfort and safety. On the one hand, therefore, there is an intensive exploitation of their labor, in painful conditions, that goes together with gender and race oppression; on the other, the economic situation Japan offers them results in a longer stay. To comprehend the present contradictions of this migration phenomenon, we researched in loco the dekasseguis living in the city of Toyota, aiming to analyze how exploitation and oppression are manifested in Japan. Considering the immigrant as a paradigm of the flexible worker, we questioned what is the particularity of the immigrant that differs her from the Japanese worker in precarious conditions. Furthermore, we aim to answer how the intersection of class, gender and race/ethnicity manifests itself in a society with little tradition in receiving immigrants. Our approach to the triad race, class and gender is organized by the integrative articulation between the production of the labor force commodity and the reproduction of capital, which enabled us to comprehend the genesis of women oppression in capitalism. Our intention is to present the perspective that gender and race, as identities, are social constructions necessary to capital and, by this same reason, were formed as a social structure pari passu with the genesis and development of capitalism. In the Japanese case, this construction was realized with the idea of cultural and ethnic homogeneity, which is still present nowadays. Finally, we also mapped the association of Japanese and immigrants in political struggles as a paradigmatic form in which resistance is also realized in the articulation between class, gender and race/ethnicity
Subject: Trabalho
Migração
Etnologia
Identidade sexual
Classes sociais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: RONCATO, Mariana Shinohara. Working poor japonês: trabalho imigrante dekassegui e suas transversalidades . 2020. 1 recurso online ( 255 p.) Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/345520. Acesso em: 9 Nov. 2020.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Roncato_MarianaShinohara_D.pdf3.69 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.