Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/344270
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Por uma sociologia da loucura : estudos entre norma e insanidade
Title Alternative: For a sociology of madness : studies between norm and insanity
Author: Simiqueli, Felipe Resende, 1991-
Advisor: Moraes, Maria Lygia Quartim de, 1943-
Abstract: Resumo: Este trabalho identifica uma literatura acadêmica vinculando norma e loucura entre os anos de 1951 e 1975 e analisa os limites da sociologia para a compreensão do campo da Doença Mental. Loucos aqui são compreendidos entre sentidos variáveis pela bibliografia retratada a cada capítulo em sujeição à norma. Eles podem ser os doentes mentais situados entre a doença e o desvio no estrutural funcionalismo de Talcott Parsons e de Robert Merton. Como são aqueles que demonstram sintomas psíquicos e/ou sintomas mentais, sendo recebidos por uma caracterização social estigmatizante em Erving Goffman. Ou então são os anômalos da literatura de Michel Foucault e Georges Canguilhem: doentes, anormais ou monstros. A partir de uma pesquisa teórica e qualitativa, buscou-se resgatar uma Sociologia das Doenças Mentais escrita em meados do século XX e pouco visitada contemporaneamente. Identificamos a posição variante do louco no escopo dessas teorias, compreendendo a sua posição através da conceitualização da personalidade, institucionalização, integração, controle, adaptação e normalização - de acordo com o arcabouço teórico de seus autores. Os loucos e a loucura foram preponderantes ou diminutos nas teorias aqui abordadas, possuindo maior ou menor relevância para a relação entre ação e estrutura. A transição teórica também é representativa da acepção ou não acepção do louco e a preocupação com seu controle social ou compreensão da sua ação humana

Abstract: This work identifies an academic literature linking norm and madness between the years 1951 through 1975 and analyzes the limits of sociology in understanding the field of Mental Illness. Mad people here are understood among variable meanings by the bibliography portrayed in each chapter subject to the norm. They may be the mentally ill situated between disease and deviation in the structural functionalism of Talcott Parsons and Robert Merton. Or those who demonstrate psychic symptoms and/or mental symptoms, perceived by a stigmatizing social characterization in Erving Goffman. Or even they are the anomalous ones in the literature of Michel Foucault and Georges Canguilhem: sick, abnormal or monsters. From a theoretical and qualitative research, we sought to rescue a Sociology of Mental Diseases written in the mid-twentieth century and mostly seldom visited in our time. We identified the variant position of the madman within the scope of these theories, understanding his position through the conceptualization of personality, institutionalization, integration, control, adaptation and normalization - according to the theoretical framework of their authors. The madmen and madness were predominant or diminished in the theories discussed here, having greater or lesser relevance to the relationship between action and structure. The theoretical transition is also representative of the acceptance or non-acceptance of the madman and the concern with his social control or the understanding of his human action
Subject: Parsons, Talcott, 1902-1979
Goffman, Erving, 1922-1982
Foucault, Michel, 1926-1984
Loucura
Normas sociais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: SIMIQUELI, Felipe Resende. Por uma sociologia da loucura: estudos entre norma e insanidade. 2020. 1 recurso online (114 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Simiqueli_FelipeResende_M.pdf2.14 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.