Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/343510
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Relações de sentido sobre a vacinação no Facebook
Title Alternative: Meaning relations about vaccination on Facebook
Author: Shimizu, Natiely Rallo, 1991-
Advisor: Dias, Cristiane Pereira, 1974-
Abstract: Resumo: A hesitação à vacina é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma das dez ameaças à saúde global, pois foi responsável pela queda na cobertura vacinal observada em países de diversas regiões do mundo, e consequentemente pela volta de doenças que estavam controladas ou erradicadas. Subjacente à hesitação vacinal existem muitos fatores que levam os sujeitos a relutarem ou escolherem não (se) vacinar, fazendo deste um problema multifatorial complexo. As motivações gerais identificadas pela OMS para a não-imunização incluem barreiras de acessibilidade, disponibilidade e aceitabilidade do serviço vacinal em certas regiões geográficas; baixa percepção de risco das doenças o que leva a vacinação ser considerada desnecessária; e falta de confiança nas vacinas e nas autoridades encarregadas do serviço. Diante do exposto, este trabalho considera o discurso antivacina, ou a contrariedade e resistência à vacinação identificadas no funcionamento desse discurso, apenas um dos aspectos que constituem a hesitação vacinal. Nesse contexto, grupos contrários ou que temem a imunização têm ganhado notoriedade no Facebook com a divulgação de notícias que se colocam contrariamente à necessidade e eficiência dos imunizantes, produzindo um efeito de dúvida e medo sobre a vacina com a exposição dos possíveis efeitos colaterais. Eles têm sido apontados como uma das possíveis causas da queda no índice de cobertura vacinal e aos recentes surtos de doenças em vários países. A análise sugere que a discursividade antivacina é atravessada pelo discurso do conhecimento, sustentado e legitimado, sobretudo, pela apropriação do discurso científico. Além disso, identifica-se a produção de um posicionamento de desconfiança sobre as instituições oficiais vigentes na sociedade. Esse funcionamento indica uma disputa política pelos sentidos sobre a vacina(ção). Disputa que se estabelece e contrapõe-se ao discurso institucional sobre a vacina, compreendido como um discurso pró-vacina. Nessa discursividade, diferentemente da antivacina, os sujeitos estão identificados com os dizeres institucionais e inscrevem-se em uma relação de sentido que produz a vacina(ção) como proteção e segurança. Nessa perspectiva, a partir do viés teórico-metodológico da Análise de Discurso de Escola Francesa (AD), este trabalho tem como objetivo compreender os efeitos de sentidos que os discursos antivacina e institucional sobre a vacina ¿ representado pelo Ministério da Saúde - produzem no sujeito no espaço digital do Facebook, concebendo o digital como um novo lugar onde os sujeitos se organizam politicamente na sociedade. Dessa forma, abre-se uma escuta para compreender os processos de significação que ambos os sujeitos estabelecem sobre a vacina. Para o proposto foram analisados postagens e comentários em um grupo e uma página dessa rede social, visto que de acordo com estudos os comentários exercem influência na opinião dos usuários. Neste trabalho, eles foram pensados então como gestos de interpretação, formulações nas quais o sujeito se inscreve na produção e constituição dos sentidos e produzem novos efeitos de sentidos nele e no outro com o qual interage. Um lugar para se observar os vários movimentos de sentidos sobre a vacina, constituindo-se assim em um elemento essencial da análise

Abstract: Vaccine hesitancy is considered by the World Health Organization (WHO) as one of the ten threats to global health. Since it was responsible for falling the vaccination coverage observed in countries of different regions worldwide, and consequently for the return of diseases that were controlled or eradicated. Underlying vaccination hesitation there are many factors that make subjects reluctant or unwilling to vaccinate, making this a complex multifactorial problem. The general motivations identified by WHO for non-immunization include accessibility barriers, availability and acceptability of immunization service in certain regions; low perception of disease risk, which makes vaccination unnecessary; and lack of confidence in vaccines and authorities in charge of the service. In view of the foregoing, this work considers the anti-vaccine speech, or the contrariety and resistance to the vaccination identified in the operation of this discourse, only one of aspects that constitute the vaccine hesitation. In this trend, opposing groups or those who fear immunization have attracted attention on Facebook with the release of news that discredits the need and the effectiveness of immunizers, causing doubt and fear on the vaccine by exposing possible side effects. They have been cited as one of the possible causes of falling immunization coverage and recent disease outbreaks in several countries. The analysis suggests that anti-vaccine discourse is crossed by the discourse of knowledge, sustained and legitimized, mainly, by the appropriation of scientific discourse. Moreover, it identifies the production of a suspicion of positioning on the official institutions existing in society. This functioning suggests a political dispute for the meanings about the vaccine/vaccination. A dispute that establishes and opposes the institutional discourse on the vaccine, it was understood as a pro-vaccine discourse. In this discourse, unlike the anti-vaccine, the subjects are identified with the institutional speeches and are enrolled in a relationship that produces the vaccine/vaccination as protection and safety. From this point of view, from the theoretical-methodological bias of the French School (AD), this work arms to understand the effects of meaning that the anti-vaccine and institutional discourses on the vaccine - represented by the Ministry of Health - they produce in the subject within the digital space of Facebook, conceiving the digital as a new place where the subjects are politically organized in the society. Thus, it opens a listening to understand the processes of meaning that both subjects establish about the vaccine. We proposed an analysis of posts and comments in a group and a page of this social media, once according to our studies the comments influence the opinion of users. In this work, they were managed, as gestures of interpretation, formulations in which the subject is inscribed in the production and constitution of the senses and produce new effects of meaning in its and in the other with which it interacts. A place to observe the various meaning movements about the vaccine, thus, constituting an essential element of the analysis
Subject: Análise do discurso
Vacinação
Movimento anti-vacinação
Efeitos de sentido (Linguística)
Facebook (Rede social on-line)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: SHIMIZU, Natiely Rallo. Relações de sentido sobre a vacinação no Facebook. 2020. 1 recurso online (164 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.
Date Issue: 2020
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Shimizu_NatielyRallo_M.pdf84.18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.