Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/33913
Type: Artigo de periódico
Title: Desigualdades sociais na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD-2003
Title Alternative: Social inequalities in the prevalence of chronic diseases in Brazil, PNAD-2003
Author: Barros, Marilisa Berti de Azevedo
César, Chester Luiz Galvão
Carandina, Luana
Torre, Graciella Dalla
Abstract: Population-based health surveys are the main tool for obtaining data on the prevalence of chronic diseases, disabilities and use of healthcare services. Based on the data of the PNAD-2003, this study estimated the prevalence of 12 chronic diseases according to: gender, age, skin color, educational level, macro-region and urban or rural situation of the households. We analyzed the relation between presence of disabilities and use of healthcare services due to the presence of a chronic disease. The prevalence ratios adjusted according to age, gender, macro-region and type of respondent were estimated using Poisson's regression. The prevalence of at least one chronic disease increased with age, was higher among women, the indigenous population, individuals with low educational level, individuals affiliated with a health plan, immigrants from other states, residents of urban areas and among the inhabitants of the southern region of the country. The presence of a chronic disease resulted in an increase of disability and demand for healthcare services. The most prevalent conditions were: backbone conditions, hypertension, arthritis, and depression. The survey detected marked social inequality in the pattern of prevalent chronic diseases related to gender, color/race, education, macro-region of residence, and urban and rural households.
Os inquéritos de saúde de base populacional constituem o principal instrumento utilizado para conhecer a prevalência de doenças crônicas, de restrições de atividades e de uso de serviços de saúde. Com base nos dados da PNAD-2003, foram estimadas as prevalências das 12 doenças crônicas pesquisadas, segundo sexo, idade, cor, escolaridade, macrorregião de residência e situação urbana ou rural do domicílio. Foram analisados a presença de limitações e o uso de serviços de saúde segundo a presença de doença crônica. Utilizando regressão de Poisson, foram estimadas as razões de prevalências ajustadas por idade, sexo, macrorregião de residência e tipo de respondente. A prevalência de pelo menos uma doença crônica aumentou com a idade, foi maior entre mulheres, indígenas, pessoas com menor escolaridade, cidadãos detentores de plano de saúde, migrantes de outros estados, residentes em áreas urbanas e moradores da região Sul. A presença de doença crônica provocou aumento de limitação de atividades e da demanda por serviços de saúde. As condições mais prevalentes foram: doença de coluna, hipertensão, artrite e depressão. Foi detectada significativa desigualdade social no padrão das doenças crônicas, segundo gênero, cor/raça, nível de escolaridade, região de residência e situação do domicílio.
Subject: Doenças crônicas
Desigualdades em saúde
Inquérito de saúde
Chronic diseases
Inequality in healthcare
Health survey
Editor: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S1413-81232006000400014
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000400014
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000400014
Date Issue: 1-Dec-2006
Appears in Collections:Artigos e Materiais de Revistas Científicas - Unicamp

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S1413-81232006000400014.pdf218.16 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.