Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/335717
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Prevalência e repercussões da morbidade materna no pós-parto utilizando o instrumento WOICE - Organização Mundial de Saúde   : Prevalence and repercussions of maternal morbidity in the postpartum using the WHO-WOICE instrument  
Title Alternative: Prevalence and repercussions of maternal morbidity in the postpartum using the WHO-WOICE instrument  
Author: Narvaez Lamus, Martha Beatriz, 1988-
Advisor: Nascimento, Maria Laura Costa do, 1979-
Abstract: Resumo: Introdução: Não há estimativas precisas sobre a prevalência e impacto de morbidades maternas não graves no ciclo gravídico puerperal, em especial violência doméstica e sexual, alterações da funcionalidade e saúde mental. Perante a falta de ferramentas para avaliação abrangente destas morbidades, o Grupo de trabalho em morbidade materna da Organização Mundial da Saúde desenvolveu uma ferramenta chamada WOICE para mensurar sistematicamente morbidades não graves. Objetivo: Avaliar a prevalência de morbidade materna não grave em mulheres puérperas usando o instrumento WOICE e analisar os fatores associados a condições clínicas, sociais e de saúde mental Método: Estudo transversal, com entrevista e aplicação de questionário WOICE em 519 mulheres, em um encontro único com mulheres no período de 6 -12 semanas pós-parto em serviço de referência (Universidade Estadual de Campinas). O período de coleta de dados foi de 11 meses (Novembro 2017 ¿ Dezembro 2018), além disso os dados foram coletados em tablets (Tablet Samsung Galaxy Tab. S3 - Android) com software REDCAP. Foi realizada inicialmente uma análise descritiva, com prevalência geral de todas as variáveis contidas no WOICE, incluindo escalas de ansiedade e depressão (GAD-7 e PHQ-9- alterado se ?10), funcionalidade (WHODAS- alterada quando> 37,4) e dados sobre violência e uso de substâncias. Posteriormente, foi realizada uma avaliação de casos com alterações, com regressão logística para investigar fatores associados a condições clínicas e não clínicas prejudicadas. Resultados: Foram incluídas 517 mulheres, a maioria (54.3%) multíparas, com idades entre 20 e 34 anos (65.4%), e com parceiro (75.6%). Mais de um quarto teve (26,2%) parto pré-termo, no entanto, predominantemente com bons resultados perinatais (95.7%) relataram boa saúde do bebê na avaliação pós-parto). A avaliação de condições clínicas mostrou que cerca de um terço das mulheres (30,2%) relataram ter algum problema de saúde informado pelo médico tratante, apesar de mais de 80% consideraram ter boa ou muito boa saúde. Cerca do 10% relataram uso de tabaco ou substância ilícita (cigarro, bebidas álcool, maconha, sedativos, pílulas para dormir, alucinógeno) em torno de 5.9% da população entrevistada sofreram violência. Ansiedade foi identificada em 19,8% dos casos, depressão em 36,9% e funcionamento alterado em 4,4% das mulheres. A regressão logística identificou que a classificação de saúde geral ruim foi associada ao aumento da ansiedade / depressão e ao funcionamento prejudicado. mostrou que idade foi protetor para alterações de funcionalidade, saúde mental, social, sexual e para o modelo de regressão que avaliou fatores associados a alterações clínicas, ter parceiro foi fator protetor. Conclusão: Durante os cuidados pós-parto, as mulheres apresentaram alta frequência de ansiedade e depressão e frequência relevante de uso de substâncias e violência. Esses aspectos da saúde da mulher precisam de mais avaliações e intervenções específicas para melhorar a qualidade do atendimento, além disso WOICE foi usado pela primeira vez em uma população de alto risco, com identificação de informações relevantes sobre saúde clínica, social, mental, sexual e de funcionalidade

Abstract: Introduction: There are no accurate estimates of the prevalence of non-severe maternal morbidities. Given the lack of instruments to fully assess these morbidities, the World Health Organization (WHO) developed an instrument called WOICE. Objective: To evaluate the prevalence of non-severe maternal morbidities in puerperal women and analyses factors associated to impaired clinical, social and mental health conditions. Method: A cross-sectional study with 519 postpartum women in a single encounter with women 6 to 12 weeks postpartum. The WOICE questionnaire included three sections: the first with maternal and obstetric history, sociodemographic data, risk and environment factors, violence and sexual health; The second considers functionality and disability, general symptoms and mental health; and the third includes data on physical and laboratory tests. Data collection was supported by Tablets with REDCAP software. Initially, a descriptive analysis was performed, with general prevalence of all variables contained in the WOICE, including scales on anxiety and depression (GAD-7 and PHQ-9- altered if ?10), functionality (WHODAS- altered when ?37.4) and data on violence and substance use. Subsequently, an evaluation of cases with alterations was performed, with a logistic regression to investigate factors associated to impaired non-clinical and clinical conditions. Results: 517 women were included, majority (54.3%) multiparous, ages between 20 and 34 years (65.4%) and with partner (75,6%). Over a quarter had (26.2%) preterm birth, however good perinatal outcomes. Around a third (30.2%) reported health problems informed by the physician, although more than 80% considered having good or very good health. About 10% reported any substance and 5.9% suffered violence. Anxiety was identified in 19.8% of cases, depression in 36.9% and altered functioning in 4.4% of women. Logistic regression identified that poor overall health rating was associated to increased anxiety/depression and impaired functioning. Having a partner reduces the perception of women on the presence of clinical morbidities. Conclusion: During postpartum care, women presented high frequency of anxiety and depression and relevant frequency of substance use and violence. These aspects of women's health need further evaluation and specific interventions to improve quality of care
Subject: Depressão pós-parto
Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde
Período pós-parto
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Citation: NARVAEZ LAMUS, Martha Beatriz. Prevalência e repercussões da morbidade materna no pós-parto utilizando o instrumento WOICE - Organização Mundial de Saúde  : Prevalence and repercussions of maternal morbidity in the postpartum using the WHO-WOICE instrument  . 2019. 1 recurso online (107 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/335717. Acesso em: 16 dez. 2019.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
NarvaezLamus_MarthaBeatriz_M.pdf2.88 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.