Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/335539
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Avaliação auditiva comportamental, eletroacústica e eletrofisiológica de crianças e adolescentes com fibrose cística
Title Alternative: Behavioral, electroacoustic and electrophysiological auditory evaluation in children and adolescents with cystic fibrosis
Author: Martins-Duarte, Paula Maria, 1985-
Advisor: Colella-Santos, Maria Francisca, 1963-
Abstract: Resumo: A Fibrose Cística é uma doença autossômica recessiva que afeta as glândulas exócrinas. Essas glândulas, ao produzirem secreções viscosas, ocasionam manifestações, principalmente respiratórias e digestivas. Um dos efeitos estudados relacionado ao tratamento da doença é o uso de antibióticos aminoglicosídeos e sua ação nas células do órgão da audição, a cóclea. Sabe-se que os aminoglicosídeos causam risco para desenvolvimento de perda auditiva neurossensorial. A presença de estimulação sonora adequada é essencial para que haja a maturação das habilidades auditivas. Para isso, é fundamental que o sistema auditivo periférico esteja íntegro, principalmente na infância. Se existe uma redução na estimulação sonora ambiental, pode haver a modificação nos padrões de organização das habilidades auditivas e na aprendizagem, contribuindo para dificuldades de linguagem e alterações no Processamento Auditivo Central. Os objetivos do trabalho foram analisar a audição periférica e central de crianças e adolescentes com fibrose cística e comparar os resultados da avaliação periférica da audição obtidos nas crianças e adolescentes que foram expostos a antibióticos aminoglicosídeos com as que não foram expostas à esses medicamentos. Foram avaliados 117 pacientes de 7 a 21 anos, sendo 57 com fibrose cística e 60 do grupo controle, por meio de audiometria tonal liminar, audiometria de altas frequências, emissões otoacústicas transientes e por produto de distorção, avaliação comportamental do processamento auditivo central, potencial evocado auditivo de tronco encefálico e potencial evocado auditivo de longa latência. As crianças e adolescentes com fibrose cística apresentaram limiares auditivos mais elevados em relação ao grupo controle nas frequências de 250, 500, 1.000, 2.000, 3.000, 4.000, 6.000, 8.000, 9.000, 10.000, 11.200, 12.500, 14.000 e 16.000Hz, além de apresentarem amplitudes reduzidas de emissões otoacústicas transientes e produto de distorção. As crianças e adolescentes com fibrose cística expostas a aminoglicosídeos por via intravenosa apresentaram limiares auditivos mais elevados na maioria das frequências auditivas avaliadas e amplitudes reduzidas das emissões otoacústicas por produto de distorção em relação às com a doença que não foras expostas aos aminoglicosídeos por via intravenosa. As crianças e adolescentes com fibrose cística apresentaram pior desempenho no teste gaps-in-noise em comparação com o grupo controle na avaliação do processamento auditivo central, o que indica prejuízo da habilidade auditiva de resolução temporal. Não houve diferença significante nos testes dicótico de dígitos, teste de padrão de frequência e teste de sentenças sintéticas com mensagens competitivas em comparação com o grupo controle. Apresentaram também aumento da latência nas ondas I e V do potencial evocado auditivo de tronco encefálico, além de aumento da latência do P300 no potencial evocado auditivo de longa latência. Crianças e adolescentes com fibrose cística apresentaram resultados normais na avaliação periférica da audição, porém com diferença significativa em relação ao grupo controle. Apresentaram indicativo de prejuízo na habilidade auditiva temporal na avaliação comportamental do Processamento Auditivo Central e diferenças significativas nas latências eletrofisiológicas em relação ao grupo controle. As crianças e adolescentes que foram expostas aos aminoglicosídeos por via intravenosa apresentaram resultados significativamente piores na avaliação da audição periférica do que os que não foram expostas a esses medicamentos por essa via de administração

Abstract: Cystic Fibrosis is an autosomal recessive disease that effects the exocrine glands. These glands, when producing viscous secretions, cause manifestations, mainly respiratory and digestive. One of the studied effects related to the treatment of the disease is the use of aminoglycoside antibiotics and its action in the cells of the organ of the hearing, the cochlea. Aminoglycosides are known to be at risk for the development of sensorioneural hearing loss. The presence of adequate sound stimulation is essential for the maturation of auditory abilities. It is fundamental that the peripheral auditory system is intact, especially in childhood. If there is a reduction in environmental sound stimulation, there may be changes in the patterns of organization of hearing and learning abilities, contributing to language difficulties and changes in Central Auditory Processing. The objective of this study was to analyze peripheral and central hearing of children and adolescents with cystic fibrosis. A total of 117 from 7 to 21 years old patients were evaluated, 57 of them with cystic fibrosis and 60 of the control group, using pure tone audiometry, high frequency audiometry, transient and product distortion otoacoustic emissions, behavioral evaluation of central auditory processing, brainstem evoked auditory potential and long-latency auditory evoked potential. Children and adolescents with cystic fibrosis presented higher auditory thresholds than the control group in the frequencies of 250, 500, 1000, 2000, 3000, 4000, 6000, 8000, 9000, 10000, 11200, 12500, 14000 and 16000Hz, in addition to presenting reduced amplitudes of transient otoacoustic emissions and product distortion in relation to the control group. Children and adolescents with cystic fibrosis who received aminoglycosides intravenously had higher auditory thresholds in most of the assessed hearing frequencies and reduced amplitudes of product distortion otoacoustic emissions than those who did not use aminoglycosides intravenously. Children and adolescents with cystic fibrosis presented worse performance in the gaps-in-noise test compared to the control group in the evaluation of central auditory processing, which indicates impairment of temporal resolution auditory ability. There was no significant difference in the dichotic digit test, frequency pattern test and synthetic sentence identification test with competitive messages compared to the control group. They also showed increased latency in I and V waves of brainstem auditory evoked potential, as well as an increase in P300 latency in long-latency auditory evoked potential. Children and adolescents with cystic fibrosis presented normal results in the peripheral evaluation of hearing, but with a significant difference in relation to the control group. They presented indicative of impairment in the temporal auditory ability in the Central Auditory Processing and significant differences in the electrophysiological latencies in relation to the control group. Children and adolescents who used aminoglycosides intravenously had significantly worse outcomes in the evaluation of peripheral hearing than those who did not use these medications
Subject: Audição
Fibrose cística
Audiometria
Emissões otoacústicas
Eletrofisiologia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MARTINS-DUARTE, Paula Maria. Avaliação auditiva comportamental, eletroacústica e eletrofisiológica de crianças e adolescentes com fibrose cística. 2019. 1 recurso online (106 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
MartinsDuarte_PaulaMaria_D.pdf2.09 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.