Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/335424
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Percepções dos pesquisadores da produção animal sobre o abolicionismo animalista : Perceptions of animal production researchers on the abolitionist movement
Title Alternative: Perceptions of animal production researchers on the abolitionist movement
Author: Góes, Carolina Braz, 1988-
Advisor: Fraga, Lais Silveira, 1980-
Abstract: Resumo: A condição dos animais-não-humanos é um assunto que demonstra pluralidade de ideias e pensamentos. Nota-se que a situação moral dos animais não é estável e há marcos históricos e jurídicos que evidenciam mudanças paradigmáticas, que por vezes, são fomentadas por ações de movimentos sociais. A mudança da produção animal que aconteceu, principalmente, depois da revolução verde, fomentou o agronegócio convencional e industrial, o que reverberou problemáticas no âmbito socioambiental, de saúde pública, social, econômico, e, sobretudo, nas discussões sobre ética, direito animal e temas interdisciplinares, já que a industrialização intensificou a coisificação dos animais e a invisibilização do sofrimento animal nas indústrias. Os animais são sencientes, capazes de sentir dor e emoções. Os pesquisadores que defendem os animais enquanto sujeitos-de-direitos são abolicionistas-animalistas acadêmicos e alguns compõem a vertente dos Estudos Críticos Animais (ECA), e os integrantes do movimento social desta vertente são veganos, se auto intitulam abolicionistas-animalistas e buscam abolir qualquer exploração animal (humana ou não-humana). O veganismo tem crescido, entretanto o consumo de animais também. Entrevistou-se seis pesquisadores da produção animal (de três universidades públicas do Estado de São Paulo, Brasil), selecionou-se oito categorias de análise e discutiu-se o conteúdo, sobretudo, à luz das obras de abolicionistas acadêmicos e dos Estudos Críticos Animais (ECA). Os resultados evidenciam escasso conhecimento sobre o abolicionismo e sobre as contestações/controvérsias; naturalização e autorização moral da violência contra os animais; ínfimo diálogo entre os entrevistados e ativistas; fomento e reafirmação do especismo, principalmente do especismo eletivo; escasso conhecimento da problemática socioambiental relacionada à agropecuária convencional, cultura de violência em relação à específicas espécies de animais-não-humanos, impactos causados pelo movimento abolicionista na agropecuária e radicalismo nas duas ideologias (veganismo e especismo)

Abstract: The condition of non-human animals is a subject that demonstrates plurality of ideas and thoughts. It is noted that the moral situation of the animals is not stable and there are historical and legal landmarks that show paradigmatic changes, which are sometimes fostered by the actions of social movements. The change in animal production that took place mainly after the green revolution, fomented the conventional and industrial agribusiness, which reverberated problems in socio-environmental, public health, social, economic, and especially in the discussions on ethics, animal rights and interdisciplinary themes, since industrialization intensified the reification of animals and the invisibility of animal suffering in industries. Animals are sentient, capable of feeling pain and emotions. Researchers who defend animals as rights-holders are abolitionist-academic animalists and some make up the Animal Critical Studies (CAS) strand, and this social movement members are vegans, self-titled abolitionist-animalists, and seek to abolish animal exploitation (human or non-human). Veganism has grown, though the consumption of animals as well. Six researchers of the animal production (from three public universities of the State of São Paulo, Brazil) were interviewed, eight categories of analysis were selected and the content discussed, especially in light of academic abolitionists and Critical Animal Studies works. The results show little knowledge about abolitionism and about disputes/controversies; naturalization and moral authorization of violence against animals; minimal dialogue between the interviewees and activists; fomentation and reaffirmation of speciesism, especially elective-speciesism; scarce knowledge of socio-environmental problems related to conventional farming, culture of violence in relation to specific non-human animal species, impacts caused by the abolitionist movement in agriculture, and radicalism in both ideologies (veganism and speciesism)
Subject: Agropecuaria
Indústria animal
Animalismo
Estudos críticos animais
Animais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: GÓES, Carolina Braz. Percepções dos pesquisadores da produção animal sobre o abolicionismo animalista: Perceptions of animal production researchers on the abolitionist movement. 2019. 1 recurso online (98 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Aplicadas, Limeira, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCA - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Goes_CarolinaBraz_M.pdf1.42 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.