Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/334775
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Análise do aumento da espessura do rebordo alveolar pela técnica "Split Crest" e avaliação da perda óssea periimplantar e da sobrevivência de implantes em área reconstruída com enxerto de crista ilíaca : Analysis of increased alveolar ridge thickness by the "Split Crest" technique and evaluation of peri-implant bone loss and survival of implants in a reconstructed area with iliac crest bone graft
Title Alternative: Analysis of increased alveolar ridge thickness by the Split Crest technique and evaluation of peri-implant bone loss and survival of implants in a reconstructed area with iliac crest bone graft
Author: Souza, Carolina Santos Ventura de, 1988-
Advisor: Albergaria-Barbosa, José Ricardo de, 1956-
Abstract: Resumo: O objetivo deste trabalho foi analisar o aumento da espessura do rebordo alveolar, bem como a perda óssea periimplantar e o índice de sobrevivência de implantes dentários instalados em área enxertada. ARTIGO I: Para avaliação da taxa de sobrevivência dos implantes em área enxertada, foram avaliados 10 pacientes submetidos a reconstrução de maxila atrófica com enxerto autógeno de crista ilíaca entre os períodos de 2008-2011. Variáveis como diâmetro e comprimento dos implantes, uso de cigarro, diabetes, tipo de perda dos implantes, bem como região da perda dos mesmos foram pesquisadas. Além disso, foi aplicado um questionário de satisfação com o tratamento a esses pacientes. A taxa de sobrevivência foi de 98.60% após média de 7.9 anos de acompanhamento. Dos 76 implantes instalados, apenas uma perda foi observada, sendo esta em um paciente não diabético e não tabagista. Todos os pacientes relataram satisfação com o tratamento e ausência de complicações. Deste modo, concluiu-se que a utilização da crista ilíaca na reconstrução de rebordos atróficos proporcionou adequada sobrevivência dos implantes e satisfação dos pacientes. ARTIGO II: Para avaliação da perda óssea periimplantar, 10 pacientes submetidos à reconstrução de maxila atrófica com enxerto autógeno de crista ilíaca e posteriormente reabilitados com implantes dentários, entre os períodos de 2008-2011, foram avaliados correlacionando esses resultados com o tipo de reabilitação da arcada antagonista. Para isso, os referidos pacientes foram submetidos à Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico (TCFC) e utilizou-se o programa Dolphin Imaging® 11.5 para realização da medição da perda óssea considerando a distância entre a junção do implante com o intermediário até a crista óssea vestibular e palatina. A média de perda óssea periimplantar foi de 3.94mm após acompanhamento médio de 7.9 anos. Não houve diferença estatisticamente significante considerando a perda óssea periimplantar e o tipo de reabilitação da arcada antagonista (p= 0,262). Nenhuma correlação da perda óssea com o tipo de arcada antagonista foi observada (r= -0.08; p=0.925). Diante disso, conclui-se que apesar da existência de perda óssea considerável ao redor dos implantes, não existe nenhuma correlação direta com o tipo de arcada antagonista. ARTIGO III: O aumento da espessura óssea do rebordo alveolar foi avaliado por meio da técnica Split Crest. Para isso, 13 pacientes tiveram sua atrofia da região anterior de maxila reconstruída através desta técnica. TCFC realizadas no pré e pós-operatório de 6 meses foram analisadas no programa Dolphin Imaging® 11.5 buscando-se identificar a altura (distância entre o soalho da fossa nasal ou do seio maxilar até a crista óssea alveolar) e a espessura óssea (distância entre a cortical vestibular e a cortical palatina ao nível da crista óssea, a 5mm e a 10mm desta). A perda óssea em altura foi de 0.68mm, sendo este resultado estatisticamente significativo (p=0,01). O ganho ósseo em espessura médio foi de 2.97 milímetros, sendo estatisticamente significante nas 3 regiões de avaliação (p<0,01). Nenhuma complicação foi associada aos procedimentos cirúrgicos e nenhum implante foi perdido. Desta forma, concluiu-se que a técnica Split Crest propiciou um aumento significativo na espessura do rebordo e 100% de sobrevivência dos implantes instalados antes da reabilitação

Abstract: The aim of this study was to analyze the increase in alveolar ridge thickness, peri-implant bone loss, and the survival rate of dental implants installed in a grafted area. ARTICLE I: To evaluate the survival of implants in the grafted area, 10 patients undergoing reconstruction of the atrophic maxilla with autogenous iliac crest graft between the periods 2008-2011. Variables such as diameter and length of implants, smoking, diabetes, type of implant loss, and loss region of the implants were analysed. In addition, a questionnaire of satisfaction with the treatment was applied to these patients. The survival rate was 98.60% after an average of 7.9 years of follow-up. Of the 76 implants installed, only one loss was observed, which was in a non-diabetic and non-smoker patient. All patients reported satisfaction with the treatment and no complications. Thus, it was concluded that the use of the iliac crest in the reconstruction of atrophic borders provided adequate survival of the implants and patient satisfaction. ARTICLE II: An evaluation of the bone loss around the implants installed in 10 patients undergoing reconstruction of the atrophic maxilla with autogenous iliac crest graft between the periods 2008-2011 was performed, correlating these results with the type of rehabilitation of the antagonist arch. For this, they were submitted to Cone Beam Computed Tomography (TCCB) and using the Dolphin Imaging® 11.5 program, the bone loss was measured considering the distance between the junction of the implant and the abutment to the buccal bone crest and palatal. The mean peri-implant bone loss was 3.94 mm after a mean follow-up of 7.9 years. There was no statistically significant difference considering the peri-implantar bone loss and the type of rehabilitation of the antagonist arch (p = 0.262). No correlation with the type of antagonist arcade was observed (r = -0.08; p = 0.925). Therefore, it is concluded that despite the existence of considerable bone loss around the implants, there is no direct correlation with the type of antagonist arch. ARTICLE III: The increase of the bone thickness of the alveolar ridge was evaluated through the Split Crest technique. For this, 13 patients had atrophy of the anterior region of the maxilla reconstructed through this technique. 6-month pre and postoperative computerized tomography scans were analyzed in the Dolphin Imaging® 11.5 program to identify the height (distance between the floor of the nasal fossa or the maxillary sinus to the alveolar bone crest) and bone thickness (distance between the cortical vestibular and the cortical palatine at the level of the bone crest, 5 mm and 10 mm). The bone loss at height was 0.68 mm, and this result was statistically significant (p = 0.01). The bone gain in mean thickness was 2.97 mm, being statistically significant in the three evaluation regions (p <0.01). No complication was associated with surgical procedures and no implant was lost. In this way, it was concluded that the Split Crest technique provided a significant increase in the thickness of the ridge and 100% survival of the installed implants
Subject: Implantes dentários
Reconstrução
Transplante ósseo
Language: Inglês
Editor: [s.n.]
Citation: SOUZA, Carolina Santos Ventura de. Análise do aumento da espessura do rebordo alveolar pela técnica "Split Crest" e avaliação da perda óssea periimplantar e da sobrevivência de implantes em área reconstruída com enxerto de crista ilíaca: Analysis of increased alveolar ridge thickness by the "Split Crest" technique and evaluation of peri-implant bone loss and survival of implants in a reconstructed area with iliac crest bone graft. 2018. 1 recurso online (75 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP.
Date Issue: 2018
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Souza_CarolinaSantosVenturaDe_D.pdf3.02 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.