Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/334728
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Transformações nas condições de trabalho dos professores de Sociologia da Universidade Estadual de Campinas
Title Alternative: Changes in working conditions of sociology professors the University of Campinas
Author: Protetti, Fernando Henrique, 1983-
Advisor: Souza, Aparecida Neri de, 1952-
Abstract: Resumo: No Brasil, as condições de trabalho dos professores universitários no setor público, seguindo a tendência geral do mundo do trabalho sob a égide do capital, têm se alterado profundamente. Muitos estudos, sobretudo aqueles relacionados às universidades federais, demonstram que a intensificação do trabalho, o produtivismo acadêmico e adoecimento docente tornaram-se atributos das atuais condições de trabalho docente na universidade pública. Esses estudos indicam ainda que as resistências docentes diante desse quadro têm sido raras, quando não mesmo inexistentes. Procurando alargar a compreensão dessa problemática e trazer novos elementos ao debate, essa tese apresenta uma análise das transformações nas condições de trabalho dos professores de sociologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tendo em vista as múltiplas atividades do processo de trabalho docente, no período de 1989-2016, e identifica as formas de resistência construídas por esses professores frente às transformações nas condições de trabalho. Para isso, foram entrevistados onze professores a respeito de suas trajetórias acadêmica e profissional, o trabalho na universidade e suas condições de realização, o emprego do tempo entre trabalho e não trabalho, a saúde, os movimentos sociais etc. O trabalho de pesquisa com os depoimentos orais fundamentou-se na perspectiva teórico-metodológica da História Oral (QUEIROZ, 1991). As categorias analíticas, tais como, processo de trabalho (MARX, 2013), intensificação do trabalho (DAL ROSSO, 2008) e relações sociais de sexo (KERGOAT, 2009), procedentes da Sociologia do Trabalho, emergiram do próprio campo de pesquisa. Os resultados da pesquisa informam que, em três décadas (1990, 2000 e 2010), as condições sob as quais os professores investigados concretizam o seu trabalho nas atividades de ensino, pesquisa, orientação, administração, extensão e outras atividades, como bancas, pareceres e eventos, se transformaram profundamente. De maneira geral, as atuais condições de trabalho dos professores de sociologia da Unicamp caracterizam-se pela intensificação do trabalho, pelo produtivismo acadêmico e pelo adoecimento docente. Todavia, diante desse quadro, os professores investigados construíram formas de resistência individuais, o controle do tempo de trabalho, a taylorização da vida privada e o cuidado de si, e coletivas, o sindicalismo e a solidariedade docente, para atenuar as consequências advindas das transformações nas condições de trabalho

Abstract: In Brazil, the working conditions of university professors in the public sector, following the general trend of the world of work under the aegis of the capital, have changed significantly. Many studies, especially those related to federal universities, have shown that the intensification of work, "publish or perish" and teaching sickness have become attributes of the current conditions of teaching work in public universities. These studies also indicate that the resistance of the professors to this background has been rare or non-existent. In order to broaden the understanding of this problem and to bring new elements to the debate, this thesis presents the transformations in the working conditions of sociology professors of the State University of Campinas (Unicamp), with the multiple activities of the teaching work process, from 1989 to 2016, and identifies the modes of resistances built by these professors considering the transformations in their working conditions. In this regard, eleven teachers were interviewed about their academic and professional trajectories, the work in the university and its conditions of realization, the use of time between work and nonwork, health, social movements etc. The research work with the oral testimony was based on the theoretical-methodological perspective of Oral History (QUEIROZ, 1991). The analytical categories, such as labor process (MARX, 2013), intensification of work (DAL ROSSO, 2008) and social relations based on sex (KERGOAT, 2009), derived from the sociology of work, have been emerged from the field of this research. The research results show that, in three decades (1990, 2000 and 2010), the conditions under which the investigated professors realize their work in teaching, research, orientation, administration, extension and other activities as boards, reports and events have profoundly changed. In general, the current working conditions of the professors of sociology of Unicamp are characterized by the intensification of work, by academic productivism and by teaching sickness. However, in this context, these professors built forms of individual resistance: control of working time, taylorization of private life and care of themselves; and collective: syndicalism and teacher solidarity, to mitigate the consequences of transformations in the working conditions
Subject: Universidade Estadual de Campinas
Trabalho docente
Professores - Condições de trabalho
Processo do trabalho
Professores de sociologia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: PROTETTI, Fernando Henrique. Transformações nas condições de trabalho dos professores de Sociologia da Universidade Estadual de Campinas. 2019. 1 recurso online (335 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Protetti_FernandoHenrique_D.pdf4.57 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.