Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333977
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: "A gente também ensina o professor a participar" : percepções e relações entre participação discente e prática docente na escola pública
Title Alternative: "People also teach the teacher to participate" : perceptions and conections between student participaton and teaching practice in the public school
Author: Tomaz, Sandra Cristina, 1969-
Advisor: Sordi, Mara Regina Lemes de, 1955-
Abstract: Resumo: Este estudo analisou a participação de estudantes em contextos de aula, em escolas públicas de ensino fundamental envolvidas em processos de Avaliação Institucional Participativa, AIP, e buscou relações entre essa participação e as práticas educativas docentes. Ancorado no entendimento da qualidade social da escola, como aquela voltada à educação como formação humana, construída cotidianamente por múltiplas dimensões, assumiu-se a participação como uma importante dimensão da formação humana e, por isso, da qualidade social da escola. Identificando na rede municipal de ensino de Campinas, São Paulo - Brasil, o desenvolvimento de processos de AIP fundamentados nos princípios da participação dos diferentes sujeitos da escola, da negociação e do trabalho coletivo, esta emergiu como lugar privilegiado para o desenvolvimento desses estudos. Considerou-se que a participação experienciada em processos democráticos como os de AIP contribuiu, em alguma medida, com a construção de outras vivências de participação. Nesse sentido, desenvolveu-se o estudo, no ano de 2017, em três escolas de ensino fundamental dessa rede pública, junto a estudantes e professores de 6º a 9º anos do ensino fundamental, com o enfrentamento de questões sobre: como os estudantes e professores percebem a própria participação e a de seus pares e como veem a prática docente na relação com essa participação? Como a participação reverbera na qualidade da escola? Nos contextos de aula, o quê sobre participação professores e estudantes exercem e aprendem, em escolas públicas que experienciam processos de AIP? Para o desenvolvimento deste estudo de natureza qualitativa, utilizou-se da análise documental, da observação de aula e da escuta de estudantes e professores em grupos de discussão e entrevistas. A análise dos dados evidenciou movimentos pela conquista de maior participação nos diferentes coletivos escolares e formas de participação mais ativas, como a pergunta, o posicionamento, a reivindicação e a tomada de decisões e mais passivas, como a execução daquilo que foi anteriormente decidido. Foi identificada participação como realidade conquistada e como potência a ser alcançada. Realidades feitas de pergunta, de posicionamento, de reivindicação e de decisões tomadas por discentes e docentes. Potências evidenciadas nas falas discentes de indignação e reivindicação, nas falas docentes que apontam exigências para uma prática educativa implicada com a participação discente e em registros político-pedagógicos que assumem compromissos com a construção da cultura da participação, com formas mais ativas de participar. Foram também evidenciadas contradições existentes entre percepções de participação e práticas educativas docentes quando ideias sobre participação discente ativa nos processos decisórios convivem com outras, nas quais participar se limita a executar o que foi proposto pelo docente. O estudo ainda identificou influências dos processos de AIP na alimentação de outras experiências escolares de participação, como as relativas às assembleias de turma e ao grêmio escolar e evidenciou o quanto a participação dos estudantes, que defendemos deva ser ativa pode, por vezes, restringir-se a uma resposta às solicitações docentes. Nesse sentido, revela-se também a necessidade de discutir participação com os sujeitos da escola, de maneira vinculada à prática educativa, com o desafio de avançar na qualificação social da escola pública

Abstract: This study analyzed the participation of students in classroom contexts, in public elementary schools involved in Participatory Institutional Evaluation - AIP - processes, and sought to establish relationships between this participation and educational practices. Anchored in the understanding of the social quality of the school, such as that focused on education as a human formation, built daily by multiple dimensions, participation was assumed as an important dimension of human formation and, therefore, of the social quality of the school. Identifying inside the municipal education network of Campinas, São Paulo - Brazil, the development of AIP processes based on the principles of the participation of the different subjects of the school, negotiation and collective work emerged as a privileged place for the development of these studies. It was considered that the participation experienced in democratic processes such as AIP contributed, to some extent, to the construction of other experiences of participation. In this sense, the study was carried out in 2017 in three elementary schools of this public network, together with students and teachers from 6 to 9 grades of elementary school, with questions about: how students and teachers perceive their own participation and that one of their peers and how do they see the teaching practice in relation to this participation? How does participation reverberate in the quality of the school? In classroom contexts, what about participation do teachers and students play and learn in public schools experiencing AIP processes? For the development of this qualitative study, we used documentary analysis, classroom observation and listening to students and teachers in discussion groups and interviews. Data analysis showed movements for achieving greater participation in different school and collective forms of more active participation as the question, the positioning, the claim and the decision-making and more passive as the implementation of what was previously decided. Participation was identified as a reality achieved and as a power to be achieved. Realities made of questions, positioning, claims and decisions taken by students and teachers. Powers evidenced in the student speeches of indignation and claim, in the teaching statements that point out requirements for an educational practice implied with student participation and in political-pedagogical registers that assume commitments with the construction of the culture of participation, with more active forms of participation. There were also contradictions between participation perceptions and educational practices when ideas about active student participation in decision-making processes coexist with others, in which participation is limited to performing what was proposed by the teacher. The study also identified influences of AIP processes in feeding other participatory school experiences, such as those related to class assemblies and the school board, and showed how much the participation of the students we advocate should be active can sometimes be restricted, is a response to the requests of teachers. In this sense, it is also revealed the need to discuss participation with the subjects of the school, in a way linked to the educational practice, with the challenge of advancing in the social qualification of the public school
Subject: Prática docente
Aula
Avaliação institucional participativa
Escolas - Qualidade
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: TOMAZ, Sandra Cristina. "A gente também ensina o professor a participar": percepções e relações entre participação discente e prática docente na escola pública. 2019. 1 recurso online (298 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Tomaz_SandraCristina_D.pdf3.34 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.