Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333793
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Recusa para doação de órgãos e tecidos na perspectiva da família
Title Alternative: Family's perspectives for organs and tissues donation refusal
Author: Rodrigues, Simey de Lima Lopes, 1983-
Advisor: Boin, Ilka de Fatima Santana Ferreira, 1953-
Abstract: Resumo: Introdução. Um dos meios mais promissores para aumentar os transplantes realizados é a efetivação do doador falecido em morte encefálica ¿ um único doador pode salvar até oito vidas. No Brasil, a lei exige o diagnóstico de morte encefálica e o consentimento familiar assinado para consolidar o processo de doação de órgãos, sendo esta uma decisão difícil e complexa. Em geral, os indivíduos não têm as informações necessárias para decidir sobre a doação de órgãos dos membros de sua família e não compreendem o processo de doação de órgãos. A recusa familiar é a principal causa de não doação de órgãos, portanto este estudo pretendeu compreender, na subjetividade do discurso, a negativa familiar. Objetivo. Avaliar a percepção dos familiares que recusaram a doação de órgãos e tecidos. Método: Estudo exploratório, descritivo, com abordagem qualitativa. Por meio de saturação das respostas, foram entrevistadas dez famílias, que recusaram a doação no ano de 2015 e cuja morte encefálica do parente havia sido notificada pela Organização de Procura de Órgãos ¿ UNICAMP, do Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo. Os depoimentos obtidos sofreram análise de conteúdo na modalidade temática. Resultados. Predominou-se, entre os familiares, indivíduos brancos, do gênero feminino, casados, que habitam nas redondezas de Campinas, católicos e concluintes do ensino fundamental e médio. Na análise dos discursos, categorizou-se: insatisfação familiar com os serviços prestados nas unidades de emergências durante a vivência da morte encefálica do ente falecido; necessidade de apoio psicossocial aos familiares; necessidade de humanizar o processo de doação; motivos para o não consentimento; desejo em doar manifestado pelos familiares após o processo de doação; e sugestões dos familiares para melhorar esse processo. Conclusão. As internações em unidades de urgência geraram insatisfação e insegurança nas famílias, locais apontados como inadequados para manter o potencial doador. A comunicação da morte encefálica aos familiares foi distante do tempo ideal, levando o familiar a recusar a doação, uma vez que ainda não haviam compreendido o diagnóstico e, portanto, não elaboraram a morte encefálica como um fato real. Os motivos encontrados para o não consentimento são passíveis de intervenções educativas, fundamentais para haver a conscientização nesse contexto

Abstract: Introduction. One of the most effective actions to increase the number of transplants is by donation from the brain death donor; a single donor can save up to eight lives. In Brazil, legally, it is necessary to diagnose brain death and fill out a family consent document in order to donate an organ or tissue, which is a difficult and complex decision. In general, individuals do not have the information they need to decide on organ donation from their family members and do not understand the organ donation process. So, this study intends to understand the main causes of family non-organ refusal. Objective. Evaluate the perception of family members who refuse to donate organs and tissues. Method. Exploratory, descriptive study with a qualitative approach. Ten families were interviewed who refused to donate in the year 2015. The brain death of the donor had been notified by the UNICAMP Organ Procurement Organization ¿ State Health Transplant System - São Paulo. The testimonies obtained underwent content analysis in the thematic modality. The method used was interview data and saturation. Results. Prevalence of white individuals, female, adults and married who were hospitalized near Campinas, and were catholics and had mostly completed primary and secondary education. The interview analysis was categorized as follows: family dissatisfaction with the services provided at emergency units during the experience of death; need for psychosocial support; need to humanize the donation process; reasons for non-consent; desire to donate manifested by family members after the donation process; and suggestions from family members to improve this process. Conclusions. Hospitalizations in emergency units generated dissatisfaction and insecurity in the families. The locations were pointed out as inadequate to maintain the potential donor. The communication of brain death to family members was far from being at the ideal moment, leading them to refuse the donation, since they did not understand yet the diagnosis and therefore did not elaborate brain death as a real fact. The reasons found in this study for non-consent led to an increase in educational interventions, fundamental for awareness in this context
Subject: Morte encefalica
Transplante
Recusa de participação
Obtenção de tecidos e órgãos
Acolhimento
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: RODRIGUES, Simey de Lima Lopes. Recusa para doação de órgãos e tecidos na perspectiva da família. 2019. 1 recurso online (96 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Rodrigues_SimeyDeLimaLopes_D.pdf1.72 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.