Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333653
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: O arco e o fuzil : a convivência entre os Ye'pâ Masa e os militares do Exército Brasileiro em Pari-Cachoeira, Noroeste Amazônico
Title Alternative: The bow and the rifle : the coexistence between the Ye'pâ Masa and the Brazilian Army soldiers in Pari-Cachoeira, Northwest Amazon
Author: Santos, Fabiane Vinente dos, 1976-
Advisor: Lea, Vanessa
Abstract: Resumo: A militarização de terras indígenas no Brasil é fruto de um processo que remonta aos primórdios da colonização do território, quando a classificação jurídica dos povos indígenas como súditos da Coroa constituiu-se em um artifício fundamental para a expansão territorial de Portugal. Depois do processo de Independência, um pacto entre Igreja e Império garantiu a presença de missões religiosas na consolidação das fronteiras do Império, o que foi replicado durante a República, através da criação de colônias militares. As colônias foram a gênese do que décadas depois seriam os Pelotões Especiais de Fronteira, uma modalidade de interiorização do Exército Brasileiro que impacta de forma ampla em determinadas áreas indígenas de localização fronteiriça. A tese aborda a convivência entre indígenas e militares a partir do povoado de Pari-Cachoeira (Siripa, na língua tukano), no Rio Tiquié, Alto Rio Negro, Brasil, próximo à fronteira com a Colômbia. De composição multiétnica, mas "chefiado" pelos Ye¿pâ Masa (Tukano) do clã Ye¿parã Panicu, nos quais o trabalho se foca, Pari-Cachoeira abriga, desde a década de 90, um Pelotão Especial de Fronteira, onde atuam entre trinta e sessenta homens de diversos pontos do Brasil. Tomando o ponto de vista dos indígenas como fio condutor, a pesquisa explora os impactos da convivência em vários aspectos, como as redes de poder, espacialidade, relações de parentesco, hierarquia, gênero e cosmopolítica. As relações cotidianas com os não-indígenas, chamados de pekasã, ensejam estratégias que privilegiam o estabelecimento de canais de negociação e de uma ética que distingue convidados de anfitriões, cuidadosamente construída a partir das experiências pregressas dos indígenas com as frentes de contato, como os patrões do sistema extrativista ou com a missão salesiana, instalada na comunidade na década de 40. Tais cuidados, contudo, não bastam para suprimir o risco de conflitos que eventualmente eclodem no cotidiano

Abstract: The militarization of indigenous lands in Brazil is the result of a process that goes back to the beginnings of the colonization of the territory when the juridical classification of indigenous peoples as subjects of the Crown constituted a fundamental artifice for the territorial expansion of Portugal. After the Independence process, a pact between Church and Empire guaranteed the presence of religious missions in the consolidation of the borders, which was replicated during the Republic, through the creation of military colonies. The colonies were the genesis of what would be decades later the Special Border Platoon, a modality of interiorization of the Brazilian Army that affects broadly in certain indigenous areas of border location. The thesis deals with the coexistence between indigenous and military personnel from the village of Pari-Cachoeira (Siripa, in the Tukano language), on the Tiquié River, Alto Rio Negro, Brazil, near the border with Colombia. With a multiethnic composition, but headed by the Ye'pâ Masa (Tukano) of the Ye'parã Panicu clan, in which the work focuses, Pari-Cachoeira has since the 90s been a Special Border Platoon, where they act among thirty and sixty men from different parts of Brazil. Taking the indigenous point of view as the guiding thread, the research explores the impacts of coexistence in various aspects, such as networks of power, spatiality, kinship relations, hierarchy, gender, and cosmopolitics. Day-to-day relations with non-Indians, called pekasan, lead to strategies that favor the establishment of channels of negotiation and an ethic that distinguishes host guests, carefully constructed from previous experiences of indigenous people with contact fronts, such as the bosses of the extractive system or the Salesian mission, established in the community in the 1940s. Such care, however, does not suffice to suppress the risk of conflicts that eventually arise in everyday life
Subject: Índios Tukano
Indios da América do Sul - Amazônia
Militarismo - Pari-Cachoeira (AM)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: SANTOS, Fabiane Vinente dos. O arco e o fuzil: a convivência entre os Ye'pâ Masa e os militares do Exército Brasileiro em Pari-Cachoeira, Noroeste Amazônico. 2018. 1 recurso online (331 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.
Date Issue: 2018
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Santos_FabianeVinenteDos_D.pdf5.12 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.