Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/333339
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Hábitos saudáveis na gestação, composição corporal e variação de peso no pós-parto : Healthy habits in pregnancy, body composition and weight variation after childbirth
Title Alternative: Healthy habits in pregnancy, body composition and weight variation after childbirth
Author: Godoy-Miranda, Ana Carolina, 1988-
Advisor: Surita, Fernanda Garanhani de Castro, 1964-
Abstract: Resumo: Introdução: Os hábitos saudáveis (HS) praticados durante a gestação são de extrema importância para a manutenção do bem-estar e qualidade de vida, não só durante gestação como no período pós-parto. Além disso a composição corporal, variação de peso, aspectos psicossociais sofrem modificações de acordo com a prática dos hábitos de vida saudáveis. Objetivos: O objetivo geral desta tese foi avaliar o conhecimento das gestantes acerca dos hábitos de vida saudáveis, assim como a composição corporal, estado nutricional e variação de peso no pós-parto. Métodos: Foram realizadas duas pesquisas de campo: a primeira um corte transversal realizado no Hospital da Mulher com 61 gestantes, aplicando questionários sobre conhecimento de hábitos saudáveis (HS) durante a gestação, para a qual dados sobre HS, sociodemográficos e antecedentes obstétricos foram coletados prospectivamente e um guia educacional sobre HS durante a gravidez e período pós-parto foi oferecido. A segunda um corte transversal realizado com 131 mulheres no puerpério imediato, com avaliação da composição corporal através de bioimpedância elétrica (BIA) e pregas cutâneas, cálculo do índice de massa corpórea, circunferência abdominal e quadril, medida abdominal sagital, foram também coletados dados da retenção ponderal e prática de exercício físico, assim como o conhecimento das puérperas sobre os HS durante a gravidez. Foi realizada também uma revisão sistemática com as palavras chaves "postpartum period¿¿ e "body composition¿¿, nas bases de dados PubMed, MEDLINE, Web of Science e SciELO, com estudos publicados entre 2007-2017 no idioma Inglês e que avaliassem a composição corporal materna até 10 anos após o parto. Resultados: A idade média das mulheres do primeiro estudo foi de 28,7 ± 6,23 anos, sendo 85% casadas e 68% multíparas. O índice de massa corporal (IMC) médio antes da gestação foi de 25,4 ± 9,8 kg/m². Apenas 61% haviam recebido informações prévias sobre o GPG durante o pré-natal e sabiam quantos quilos deveriam ganhar durante a gravidez. A maioria (85%) sabia que não precisavam "comer por dois" e 99% sabia que o EF tinha benefícios para seu corpo e era seguro para seu bebê. Metade das mulheres praticava EF antes da gravidez, mas apenas 31% continuaram praticando durante a gravidez. No segundo estudo a idade média das mulheres foi de 27.63±5.68 anos, escolaridade 11.03±3.44 anos de estudo. Com relação ao estado nutricional das puérperas, o peso pré-gestacional médio foi de 68.63±15.42 kg, IMC pré-gestacional 26.34±5.85 kg/m² e peso na última consulta 79.77±14.33 kg, IMC na última consulta do pré-natal 30.62±5.42 kg/m², ganho de peso médio total na gestação 11.14±6.49 kg, peso e IMC no puerpério imediato respectivamente, 77.82±14.36 kg e 29.94±5.45 kg/m². A média de retenção de peso no pós-parto imediato foi de 9.13±6.82 kg. Na Revisão sistemática 19 artigos foram incluídos, sendo destes 9 incluídos na metanálise. As mulheres apresentaram significativa redução do IMC, até 6 meses e após 6 meses do parto com relação ao peso pré-gestacional. (IMC: G1= -0,89 kg/m2 e G2= -0,56 kg/m2, p<0,01; peso corporal: G1= -2.71 kg e G2= -1.61 kg, p<0,01). Quanto à composição corporal avaliada à partir do percentual de gordura, não houve mudança ao longo dos primeiros seis meses com relação a porcentagem de gordura pré-gestacional (MD -0.67, IC -1.46, +0.12, p=0.1), entretanto houve uma redução sustentada do percentual de gordura do sexto mês de pós parto em diante (MD -2.05, IC -2.35, -1.74, p<0.01). Conclusões: Apesar de compreender a necessidade de HS durante a gravidez, as mulheres ainda precisam de incentivo para praticar EF nesse período. A maioria das mulheres começou a gestação com excesso de peso e imediatamente pós-parto tinha critérios de obesidade de acordo com BIA e IMC. Diferentes métodos podem ser utilizados para avaliação da composição corporal; há uma sustentada redução do peso e do IMC nos anos que se seguem ao parto, entretanto, para o percentual de gordura, este efeito só é significativo 6 meses após o parto. Estratégias apropriadas, com a introdução de hábitos saudáveis na gravidez e no puerpério podem ser a chave para as mulheres evitarem ganho excessivo na gravidez e retenção de peso após o parto e assim reduzirem o risco de doenças associadas à obesidade

Abstract: Introduction: The healthy habits (HS) practiced during pregnancy are extremely important for the maintenance of well-being and quality of life, not only during pregnancy but also in the postpartum period. In addition the body composition, weight variation, psychosocial aspects undergo modifications according to the practice of healthy lifestyle habits. Objectives: The general objective of this thesis was to evaluate the knowledge of pregnant women about healthy life habits, as well as body composition, nutritional status and postpartum weight variation. METHODS: Two field surveys were carried out: the first was a cross-sectional study conducted at the Women's Hospital with 61 pregnant women, applying questionnaires on knowledge of healthy habits during pregnancy, for which HS data, sociodemographic data and obstetric history were collected prospectively and an educational guide on HS during pregnancy and postpartum period was offered. The second was a cross-section performed with 131 women in the immediate puerperium, with body bioimpedance (BIA) and skin folds, body mass index, abdominal and hip circumference, and sagittal abdominal measurements. weight retention and practice of physical exercise, as well as the knowledge of puerperal women about HS during pregnancy. A systematic review was also carried out with the key words "postpartum period" and "body composition" in the PubMed, MEDLINE, Web of Science and SciELO databases, with studies published between 2007-2017 in the English language and evaluating the maternal body composition up to 10 years after childbirth. Results: The mean age of the women in the first study was 28.7 ± 6.23 years, 85% of whom were married and 68% were multiparous. The mean body mass index (BMI) before gestation was 25.4 ± 9.8 kg / m². Only 61% had received prior information about GFR during prenatal care and knew how many pounds they should gain during pregnancy. Most (85%) knew they did not have to "eat for two" and 99% knew that EF had benefits for their body and was safe for their baby. Half of the women practiced EF prior to pregnancy, but only 31% continued to practice during pregnancy. In the second study the mean age of women was 27.63 ± 5.68 years, schooling 11.03 ± 3.44 years of study. Regarding the nutritional status of puerperal women, the mean pre-gestational weight was 68.63 ± 15.42 kg, pre-gestational BMI 26.34 ± 5.85 kg / m² and weight at the last visit 79.77 ± 14.33 kg, BMI at the last prenatal visit 30.62 ± 5.42 kg / m², mean total weight gain at gestation 11.14 ± 6.49 kg, weight and BMI in the immediate puerperium respectively, 77.82 ± 14.36 kg and 29.94 ± 5.45 kg / m². The mean postpartum weight retention was 9.13 ± 6.82 kg. In the systematic review, 19 articles were included, of which 9 were included in the meta-analysis. The women presented a significant reduction in BMI up to 6 months and 6 months after delivery in relation to pre-gestational weight. (G1 = -0.89 kg / m2 and G2 = -0.56 kg / m2, p <0.01, body weight: G1 = -2.71 kg and G2 = -1.61 kg, p <0.01) . Regarding the body composition evaluated from the percentage of fat, there was no change during the first six months in relation to the percentage of pre-gestational fat (MD -0.67, CI -1.46, +0.12, p = 0.1). (MD -2.05, CI -2.35, -1.74, p <0.01). The results of this study are presented in Table 2. Conclusions: Despite understanding the need for HS during pregnancy, women still need the incentive to practice PE during this period. Most women began overweight pregnancy and immediately postpartum had obesity criteria according to BIA and BMI. Different methods can be used to evaluate body composition; there is a sustained reduction in body weight and BMI in the years following childbirth. However, for fat percentage, this effect is only significant 6 months after childbirth. Appropriate strategies with the introduction of healthy habits in pregnancy and in the puerperium may be the key for women to avoid excessive gain in pregnancy and postpartum weight retention and thus reduce the risk of obesity-related diseases
Subject: Composição corporal
Período pós-parto
Gravidez
Estilo de vida saudável
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Citation: GODOY-MIRANDA, Ana Carolina. Hábitos saudáveis na gestação, composição corporal e variação de peso no pós-parto: Healthy habits in pregnancy, body composition and weight variation after childbirth. 2019. 1 recurso online (153 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Miranda_AnaCarolinaGodoy_D.pdf4.32 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.