Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/332593
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: A técnica como modo de ser de profissionais de enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva pediátrica
Title Alternative: The technique as a way of being of nursing professionals in the pediatric intensive care unit
Author: Silva, Camila Cazissi da, 1985-
Advisor: Melo, Luciana de Lione, 1973-
Abstract: Resumo: A unidade de terapia intensiva pediátrica é um ambiente cercado por normas e rotinas, que restringem a socialização da criança, em virtude da existência de equipamentos de alta tecnologia, sons peculiares, linguajar próprio e técnico, ênfase na cura e em ações rápidas. É indiscutível, por parte da família e dos profissionais de enfermagem, que a presença da família é benéfica para a criança, trazendo segurança e amenizando traumas durante a hospitalização. Contudo, esta presença traz consigo conflitos entre a tríade criança-família-equipe de enfermagem. Diante de tantos obstáculos para um efetivo cuidado centrado na criança e na família, o objetivo deste estudo foi compreender as vivências dos profissionais de enfermagem junto às famílias de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na modalidade fenomenológica, realizada com 19 profissionais de enfermagem, que atuam na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica de um hospital público, de ensino, localizado no interior do estado de São Paulo. As entrevistas ocorreram por meio da seguinte questão norteadora: "Conte-me, como você vivencia a presença da família na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica?", foram gravadas em áudio digital, transcritas na íntegra, em busca do fenômeno situado, interrogando a totalidade das suas vivências. Por meio dos discursos dos profissionais de enfermagem, foi possível desvelar o fenômeno em questão, por meio das seguintes categorias temáticas: sendo-si-mesmo e para além de si no cuidado à família na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica; a família-sendo importante para criança na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica; sendo-si-mesmo no modo da técnica no cuidado à família na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Os profissionais acreditam ter bom relacionamento com a família, ainda que alguns reforcem manter distância para não se vincular a fim de evitar sofrimento. Eventualmente, mostram-se empáticos diante das necessidades das mães, membro da família mais presente. Contudo, sentem-se incomodados com a presença delas, por acreditarem que as mesmas vigiam as ações da equipe de enfermagem. Vivenciam um sentimento ambíguo, pois percebem a família como benéfica para a criança, porém não conseguem reconhecer essas vantagens para a equipe. Ainda estão presos em um modelo de cuidado que não inclui a família, sentindo a necessidade de controlar o ambiente e acreditando que a família atrapalhe a dinâmica de trabalho. Justificam a resistência em acolher a família em função da infraestrutura e das normas organizacionais. Apesar disso, alguns profissionais demonstraram pequenas aberturas para um novo olhar voltado para as reais necessidades da criança e da família. Diante disso é preciso que os profissionais de enfermagem rompam as barreiras que impossibilitam um novo direcionamento para o cuidado às famílias na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, tonando-se agentes de mudança que estimulem o protagonismo das família

Abstract: The pediatric intensive care unit is an environment surrounded by rules and routines that restricts the child socialization, through cutting edge equipment, peculiar sounds, adequate and technical language, emphasis on the cure and on rapid actions. It is unquestionable, on the part of the family and the nursing professionals, that the presence of the family is beneficial for the child, providing safety and softening traumas during hospitalization. However, this presence brings along conflicts in the triad child-family-nursing staff. Before so many obstacles for an effective care focused on child and family, the objective of this study was to understand the experiences of nursing professionals with the families of children hospitalized in the Pediatric Intensive Care Unit. This is a qualitative research, in the phenomenological modality, performed with 19 nursing professionals, who work in the Pediatric Intensive Care Unit of a public teaching hospital located in the countryside of the state of São Paulo. The interviews were conducted through the leading question: "Tell me: how do you experience the presence of the family in the Pediatric Intensive Care Unit?" The discourses were recorded in digital audio, transcribed integrally, in search of the situated phenomenon situated, interrogating the totality of their experiences. Through the discourses of nursing professionals, it was possible to unveil the phenomenon in question, through the following thematic categories: being for-itself and beyond itself as for the family care in the Pediatric Intensive Care Unit; being family important for the child in the Pediatric Intensive Care Unit; being for-itself as for the technic of the family care in the Pediatric Intensive Care Unit. Professionals believe that they have a good relationship with family, even if they emphasize that they keep their distance for they are not to be bonded in order to avoid suffering. Eventually, they are empathetic to the needs of mothers, the member of the family more present. However, they feel uncomfortable with their presence, believing that they are supervising the actions of the nursing team. The nursing professionals experience an ambiguous feeling because they see the family as beneficial for the child, but they still aren¿t able to acknowledge these advantages for the team. They are still attached to a model of care which does not include the family, with the need of controlling the environment and believing that the family disrupts work dynamics. They justify the resistance in receive the family in function of the infrastructure and the organizational norms.Nevertheless, some professional showed small openings for a new way of look geared to the child and family real needs. Given this, it is necessary for nursing professionals to break the barriers that make it impossible for a new direction to care for families in the Pediatric Intensive Care Unit, becoming agents of change that stimulate the protagonism of families
Subject: Unidades de terapia intensiva pediatrica
Relações profissional-família
Equipe de enfermagem
Enfermagem pediátrica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2017
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_CamilaCazissiDa_M.pdf1.36 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.