Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/332362
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Funcionamento discursivo das hashtags : um olhar para a #somostodos
Title Alternative: Hashtags discursive operation : analyzing #somostodos
Author: Pereira, Deborah Danny da Silva, 1994-
Advisor: Dias, Cristiane Pereira, 1974-
Abstract: Resumo: Esta dissertação faz uma análise, sob a perspectiva da Análise do Discurso, sobre o modo como operam as hashtags e também, de forma mais específica, analisa as hashtags #SomosTodos, por exemplo: #SomosTodosAmarildo, #SomosTodosMaju, #SomosTodosMacacos, #SomosTodosProfessores, #SomosTodosBrasil, #SomosTodosOlímpicos, #SomosTodosSilva, #SomosTodosLéo, etc., muito (re)compartilhada nas redes sociais, em vias públicas e, até mesmo, na mídia hegemônica. Deste modo, o trabalho traz reflexões a respeito do funcionamento discursivo das hashtags e dos discursos atravessados pelo digital, dialogando com os estudos de Dias (2011, 2015, 2016) e Paveau (2013, 2017). Tentamos compreender a hashtag também a partir da noção de arquivo (PÊCHEUX, 2010), entendendo que este segmento forma um arquivo, ao mesmo tempo, uno, disperso e quantificável (sendo esta última característica fundamental na consequência política que as hashtags podem ter). Em relação ao enunciado em análise, #SomosTodos, o tomamos sob a perspectiva da universalidade (PÊCHEUX, 1975), pensando em como ele se filia ao discurso de igualdade - funcionando como um "somos todos iguais" - e do Sujeito de Direito (HAROCHE, 1984), que tenta colocar os sujeitos como iguais perante a lei, no intuito de apagar as contradições e subjetividades constitutivas da sociedade e da língua. Outro ponto importante desta pesquisa é que, através dela, foi possível observar os deslocamentos de sentidos do enunciado e como ele foi se filiando a outros modos de significar: a hashtag, em alguns posts, filia-se a uma memória ligada ao racismo e à resistência (#SomosTodosAmarildo, #SomosTodosMaju, #SomosTodosMaccos) e, ao mesmo tempo, é possível vê-la em propaganda e marketing (#SomosTodosBrasil e #SomosTodosOlímpicos) ou torcidas (#SomosTodosLeo). Percebemos, então, produções de sentidos diferentes a partir de uma mesma forma, o que lembra o que nos ensinou Pêcheux (2006, p. 53), ao postular que "todo enunciado é intrinsecamente suscetível de tornar-se outro, diferente de si mesmo". Como última reflexão, saliento a ressignificação desta hashtag a partir de dois enunciados - #NinguémÉHaiti e "Somos Todos Negros ?" ¿ que colocam a hashtag #SomosTodos em outro lugar, questionam a sua universalidade

Abstract: This dissertation makes an analysis, from the perspective of Discourse Analysis, about the hashtag #SomosTodos, for example: #SomosAmarildo, #SomosTodosMaju, #SomosTodosMacacos, #SomosTodosMacacos, #SomosTodosBrasil, #SomosOlympics, #SomosTodosSilva, # SomosTodosLéo, etc., very shared in social networks, on public roads and, even, in the hegemonic media. In this way, this paper brings reflections about the discursive operation of the hashtags and the discourses crossed by the digital, dialoguing with the studies of Dias (2011, 2015, 2016) and Paveau (2013, 2017). We try to understand the hashtag also from the notion of archive (PÊCHEUX, 2010), understanding that this segment forms an archive, at the same time, unified, dispersed and quantifiable (and the last characteristic is fundamental in the political consequence that hashtags may have). In relation to the statement under analysis, #SomosTodos, we take it from the perspective of universality (PÊCHEUX, 1975), thinking about how it joins the discourse of equality - functioning as a "we are all equal" - and the Sujeito de Direito (HAROCHE , 1984), which attempts to see the subjects as equals before the law, with the objective to erase the constitutional contradictions and subjectivities of society and language. Another important point of this research is that, through it, it was possible to observe the displacements of meanings of the statemente and how it was affiliated with other ways of signifying: the hashtag, in some posts, is associated with a memory linked to racism (#SomosTodosAmarildo, #SomosTodosMaju, #SomosTodosMaccos) and at the same time it is possible to see it in advertising and marketing (#SomosTodosBrasil ,#SomosTodosOlímpicos) or twisted (#SomosTodosLeo). Then, we perceive productions of different meanings from the same form, which reminds us of what Pêcheux (2006, 53), taught us in his postulte : "every statement is intrinsically susceptible to becoming another, different from itself ". As a last reflection, I emphasize the signification of this hashtag from two statements - #NinguéméHaiti" e "Somos Todos Negros?". This statements assign anothher place of sigfication to #SomosTodos questioning the universality
Subject: Análise do discurso
Redes sociais on-line
Universal (Filosofia)
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: PEREIRA, Deborah Danny da Silva. Funcionamento discursivo das hashtags: um olhar para a #somostodos. 2018. 1 recurso online (82 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.
Date Issue: 2018
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Pereira_DeborahDannyDaSilva_M.pdf1.37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.