Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/332091
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.CRUESPUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINASpt_BR
dc.descriptionOrientador: Oswaldo Giacóia Júniorpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanaspt_BR
dc.format.extent1 recurso online (87 p.) : il., digital, arquivo PDF.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relation.requiresRequisitos do sistema: Software para leitura de arquivo em PDFpt_BR
dc.typeDISSERTAÇÃO DIGITALpt_BR
dc.titleA genealogia da tecnologia na era dos algoritmospt_BR
dc.title.alternativeThe genealogy of technology in the age of algorithmspt_BR
dc.contributor.authorAliseda, Leandro Marques, 1972-pt_BR
dc.contributor.advisorGiacoia Junior, Oswaldo, 1954-pt_BR
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanaspt_BR
dc.contributor.nameofprogramPrograma de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.subjectDennett, Daniel Clement, 1942-pt_BR
dc.subjectHeidegger, Martin, 1889-1976pt_BR
dc.subjectTecnologia - Filosofiapt_BR
dc.subjectAlgoritmospt_BR
dc.subject.otherlanguageTechnology - Philosophyen
dc.subject.otherlanguageAlgorithmsen
dc.description.abstractResumo: O projeto Heideggeriano em que se estabelecem as bases para uma nova concepção de ser humano e para a realização de suas potencialidades parece-nos essencial na compreensão da tecnologia. Também essencial é o projeto Dennettiano, quando invoca novas bases de entendimento a qual possibilitaria a análise do fenômeno da técnica sob novos paradigmas, expostos pela rápida evolução da capacidade de programação computacional, sintetizada na interpretação do poder do algoritmo como uma "força dominante", que nos permite pensar na origem da vida como sendo também a origem do software, sendo o DNA uma espécie de software com bilhões de anos de idade. Assim, a nossa pesquisa sobre a genealogia da tecnologia se dá primeiro a partir da epifania provocada por Heidegger na descrição da relação entre desocultamento e disponibilidade - pelo qual o homem experimenta a técnica e experimenta-se nela. A partir da reflexão do que significa essa disponibilidade do ente como forma de presença perante a qual também o homem se faz disponível para requerer da natureza a satisfação de suas necessidades por via da transformação técnica. Segundo, na busca pelo entendimento da técnica no seu mais elementar significado recorreremos à metáfora algorítmica. Pensaremos a técnica analogamente ao processo evolutivo biológico do próprio homem. Dennett demonstra como a teoria da evolução de Darwin promove uma "estranha inversão de raciocínio", subvertendo a tendência intuitiva de se explicar competência e design por inteligência. Após Alan Turing, podemos ter uma ideia geral de como os mecanismos subjacentes operam graças a outra estranha inversão de raciocínio. Turing percebeu que uma máquina sem intencionalidade poderia perfeitamente operar aritmética sem saber o que estava fazendo. Este raciocínio poderia ser estendido à compreensão da evolução tecnológica como um todo? Nossa condição humana seria compreensível a partir desse ponto sendo a compreensão da essência da técnica a nossa melhor possibilidade de desvelamento, de descoberta do que realmente somos feitos? É o que nos propomos a investigar. O recurso ao trabalho de desconstrução que Heidegger opera quando medita sobre a técnica nos parece ainda mais importante no momento atual de completo fascínio, mas também de receio quanto a tecnologia, onde não se distingue mais causa e efeito na compreensão do contexto instrumental da técnica. Embora a tecnologia tenha o inegável potencial de desvelamento e contribuição para o entendimento do que somos, o risco reside não na ficção de homens subjugados por máquinas inteligentes, mas sim na alienação do Ser, anulado por seus artefatos tecnológicos. Uma modernidade a qual Heidegger sentenciou precisamente como "a era da ausência de sentido consumada". São tempos que requerem um novo pensar. Por isso consideramos a necessidade de recorrermos a novas formas de interpretação, de entendimento do que a moderna técnica representa. Vivemos a era dos Algoritmos, de onde surge uma abertura para que possamos interpretar a tecnologia a partir de uma perspectiva evolucionista, como um fenômeno que transcende à vontade e o design humanopt
dc.description.abstractAbstract: The Heideggerian project in which the foundations for a new conception of human being and for the realization of its potentialities are established, it seems essential to us in the understanding of technology. Also essential is the Dennettian project, when it invokes new bases of understanding which would allow the analysis of the phenomenon of the technique under new paradigms, exposed by the rapid evolution of the computational programming capacity, synthesized in the interpretation of the power of the algorithm as a "dominant force" which allows us to think of the origin of life as being also the origin of software, where DNA is a kind of software billions of years old. Thus, our research on the genealogy of technology starts with the Heidegger's epiphany in describing the relationship between openness and availability - by which man experiences the technique and experiences himself on it. From the reflection of what means this availability of the being as a form of presence before which man also becomes available to require from nature the satisfaction of his needs through technical transformation. Second, in the search for the understanding of the technique in its most elementary meaning we will resort to the algorithmic metaphor. We will think of technique analogously to the biological evolutionary process of man himself. Dennett demonstrates how Darwin's theory of evolution promotes a "strange inversion of reasoning," subverting the intuitive tendency to explain competence and design for intelligence. After Alan Turing, we can get a general idea of how the underlying mechanisms work thanks to another strange inversion of reasoning. Turing realized that an unintentional machine could perfectly operate arithmetic without knowing what it was doing. Could this reasoning be extended to an understanding of technological evolution as a whole? Our human condition would be understandable from that point being the understanding of the essence of technique our best possibility of unveiling, of discovering what we are actually made of? That is what we propose to investigate. The use of the work of deconstruction that Heidegger operates when he meditates on technique seems to us even more important at the present moment of complete fascination, but also of fear about technology, where no further cause and effect can be distinguished in understanding the instrumental context of the technique. Although technology has the undeniable potential of unveiling and contributing to the understanding of who we are, the risk lies not in the fiction of men subjugated by intelligent machines but in the alienation of Being, nullified by its technological artifacts. A modernity which Heidegger has precisely condemned as "the era of consummate absence of meaning." These are times that require a new thinking. That is why we consider the need to resort to new forms of interpretation, understanding of what modern technology represents. We live the era of Algorithms, from which an oportunity arises for interpreting technology from an evolutionary perspective, as a phenomenon that transcends human will and designen
dc.publisher[s.n.]pt_BR
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.citationALISEDA, Leandro Marques. A genealogia da tecnologia na era dos algoritmos. 2018. 1 recurso online (87 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.pt_BR
dc.description.degreelevelMestradopt_BR
dc.description.degreedisciplineFilosofiapt_BR
dc.description.degreenameMestre em Filosofiapt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameSilva, Franklin Leopoldo ept_BR
dc.contributor.committeepersonalnamePerez, Daniel Omarpt_BR
dc.date.defense2018-05-23T00:00:00Zpt_BR
dc.date.available2018-09-04T18:18:08Z-
dc.date.accessioned2018-09-04T18:18:08Z-
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2018-09-04T18:18:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Aliseda_LeandroMarques_M.pdf: 1073511 bytes, checksum: 602dc1529b30b36cc4feda7407f5adcc (MD5) Previous issue date: 2018en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/332091-
dc.description.sponsorCAPESpt_BR
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Aliseda_LeandroMarques_M.pdf1.05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.