Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/331541
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: A vulnerabilidade comunicativa do paciente em ambiente hospitalar e a comunicação suplementar e/ou alternativa
Title Alternative: Communication vulnerable patients in the hospital and Augmentative and Alternative Communication
Author: Zaqueu, Viviane Fazzio, 1993-
Advisor: Chun, Regina Yu Shon, 1958-
Abstract: Resumo: Introdução: A comunicação vulnerável é definida como qualquer falha que aconteça na comunicação, desde a admissão até a alta de um paciente, e pode ocorrer por causas neurológicas, mecânicas ou psiquiátricas. A Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA) é uma forma de comunicação que auxilia, de maneira permanente ou temporária, a comunicação de pessoas que estejam com dificuldades em comunicar-se oralmente. A partir disso, esta pesquisa buscou entender as necessidades de comunicação de pessoas em situação de vulnerabilidade comunicativa e o auxílio CSA nesse processo. Objetivo: Investigar o perfil e as demandas de comunicação de pessoas em situação de vulnerabilidade comunicativa, no ambiente hospitalar, e o uso da Comunicação Suplementar e/ou Alternativa na interação nesse contexto. Método: Estudo quanti qualitativo com 15 participantes, internados nas enfermarias de Neuroclínica, Neurocirurgia e UTI adulta de um hospital-escola da cidade de Campinas e seus familiares. Aprovado pelo Comitê de Ética: CAEE: 56719316.3.0000.540410 e parecer: 1.678.046. Foram aplicados os protocolos "Intensive Care Unit Communication Screening Protocol", de Yorkston, e "Protocolos de Necessidades de Comunicação", de Garret e Lasker, traduzidos e adaptados pela pesquisadora e sua orientadora. Resultados: Não houve diferença significativa entre sexo, e 40% dos participantes eram idosos. A maioria dos participantes se encontrava em acesso amplo e diverso à comunicação, sendo que todos os itens oferecidos como tópicos de conversa foram selecionados, em maior ou menor grau. Em relação aos parceiros de comunicação, os profissionais de saúde e a família foram vistos como difíceis, para a maioria dos participantes. As sugestões para melhor comunicação foram: não interromper, falar mais devagar e o uso de símbolos, escrita ou gestos. Em relação às formas propostas, foi possível ver que, na maioria dos casos, houve o aceite, por parte da família, do paciente e da equipe de cuidado, sendo que, essa última foi modificando seus comportamentos em relação às pessoas em vulnerabilidade comunicativa, ao longo deste trabalho. Conclusão: O presente estudo demonstrou que os participantes possuem necessidade de amplo acesso à comunicação, com os mais diversos temas, e que a CSA foi pontuada como um facilitador para esta interação. Os familiares demonstram-se preocupados com os participantes e adeptos às orientações e formas de comunicação propostas. Orientações, capacitações e a CSA são facilitadoras para transformar as relações entre equipe de cuidado, familiares e a pessoa em situação de comunicação vulnerável. Palavras-chave: Não-Verbal; Auxiliares de Comunicação para Pessoas com Deficiência; Sistemas de Comunicação Aumentativo e Alternativo; Sistemas de Comunicação no Hospital

Abstract: Introduction: Vulnerable communication is defined as any failure occurring in the communication, from the admission until the discharge of the patient, and it can occur because of neurological, mechanical or psychiatric causes. The Augmentative and/or Alternative Communication (AAC) is a communication manner that permanently or temporarily supports the communication of people that have difficulties in communicating verbally. Based on that, this research tried to understand the communication needs of people in situation of communicative vulnerability and the AAC support in such process. Objective: To investigate the profile and the communication demands of people in situation of communicative vulnerability, in the hospital environment, and the use of Augmentative and/or Alternative Communication for the interaction under such circumstances. Method: Quanti-qualitative study with 15 participants, admitted to the adult Neuroclinic, Neurosurgery and ICU wards of a school-hospital of the city of Campinas, and with their family members. Approved by the ethics committee: CAEE: 56719316.3.0000.540410 and report: 1.678.046. The following protocols were applied: "Intensive Care Unit Communication Screening Protocol", by Yorkston, and "Communication Needs Protocol", by Garret and Lasker, translated and adapted by the researcher and her adviser. Results: There was no significant difference between genders, and 40% of the participants were elderly. Most of the participants had broad and diverse access to communication, and all the topics of conversation offered were selected, to greater or lesser degrees. In relation to the communication partners, health professionals and family members were seen as difficult partners by most of the participants. Suggestions to improve communication were as follows: no interruption, speak more slowly, and the use of symbols, writing or gestures. In relation to the manners proposed, it was possible to see, in most of the cases, an acceptance by the family members, the patient, and the care team. The care team members modified their behaviors in relation to the people in communicative vulnerability during this work. Conclusion: This study has demonstrated that the participants have a broad access to the communication, with the most diverse topics, and that AAC was pointed out as a facilitator for such interaction. Family members showed to be concerned with the participants, and supporters of the guidance and proposed communication manners. Guidance, training and AAC are facilitators to transform the relations between the care team, family members and the person in situation of vulnerable communication. Key-words: Non-Verbal Communication; Communication Aids for Disabled People; Augmentative and Alternative Communication Systems; Communication Systems in the Hospital
Subject: Comunicação não-verbal
Auxiliares de comunicação para pessoas com deficiência
Sistemas de comunicação no hospital
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: ZAQUEU, Viviane Fazzio. A vulnerabilidade comunicativa do paciente em ambiente hospitalar e a comunicação suplementar e/ou alternativa. 2018. 1 recurso online (90 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331541>. Acesso em: 3 set. 2018.
Date Issue: 2018
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Zaqueu_VivianeFazzio_M.pdf1.63 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.