Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/331314
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: A indeterminação de sentidos no Ulysses de James Joyce
Title Alternative: Meaning indeterminacy in James Joyce's Ulysses
Author: Moira, Amara, 1985-
Advisor: Sperber, Suzi Frankl, 1939-
Abstract: Resumo: Em meio às tantas experimentações verbais levadas a cabo pelo Ulysses de James Joyce, as onomatopeias costumam passar algo despercebidas pela crítica, ainda que alguns dos seus mais interessantes nomes frequentemente revelem fascínio seja pelo caráter inusitado desses compostos, seja pela precisão que parecem espelhar. No entanto, apontamentos recentes vêm demonstrando que essas junções inesperadas de letras, para além de quaisquer propósitos de apuro ou estranhamento, propósitos já em si mesmos altamente experimentais, acabam também por impor um diálogo irônico, equívoco com a própria narrativa em que estão enredadas, problematizando os limites dados como óbvios entre ruído (ou talvez, aqui, seu registro) e palavra, entre intenção e acaso e, em suma, entre sentido e não-sentido. A discussão ainda revelará, pela análise de várias traduções em línguas neolatinas, que só agora esses experimentos verbais começam a ser entendidos como algo no Ulysses por traduzir-se, uma nova camada de significação a demandar mais do que simplesmente o ipsis litteris ou a adaptação para registros mais usuais em seu idioma. Antes de iniciar o debate sobre as onomatopeias, contudo, será realizada uma reflexão sobre a história da inteligibilidade do romance de Joyce e, à luz de Walter Benjamin e Jorge Luis Borges, sobre a sua traduzibilidade, com especial atenção para as três versões existentes no Brasil, de Antônio Houaiss, Bernardina da Silveira Pinheiro e Caetano Waldrigues Galindo (português é a língua que mais vezes traduziu a obra, cinco no total, e nenhuma língua possui versões tão díspares entre si quanto essas três sobrecitadas), assim como uma investigação sobre as duas versões publicadas do conto "The Sisters" (a primeira no jornal The Irish Homestead, em 1904, a segundo no livro Dubliners, em 1914), investigação que, através da comparação dessas duas versões, explicitará o papel primordial que as lacunas e indecibilidades são capazes de assumir na produção de sentidos dentro da obra joyceana

Abstract: Amidst the plenty of verbal experiments carried out by James Joyce's Ulysses, the onomatopoeias usually pass unnoticed by the criticism, despite the fact that some of its most interesting names frequently reveal their fascination either by the unusual aspect of these compounds or by the accuracy they seem to mirror. Nevertheless, recent remarks are demonstrating that these unexpected combinations of letters, beyond any purposes of exactness or strangeness, purposes in itself already highly experimental, end up imposing an ironical, equivocal dialogue with the own narrative in which they are entangled, making doubtful the limits taken for granted between noise (or maybe, here, its written record) and word, between intention and chance and, in short, between meaning and meaninglessness. The discussion will also reveal, by the analysis of several translations in Romance languages, that just now these verbal experiments begin to be understood as something in Ulysses calling for translation, a new layer of meaning demanding from the translators more than simple verbatim or the adaptation to more usual records in their idioms. Before the debate on onomatopoeias, however, we will consider the history of Ulysses's inteligibility and, in the light of Walter Benjamin and Jorge Luis Borges, we will discuss its translatability, with special atention to the three existing versions in Brazil, made by Antônio Houaiss, Bernardina da Silveira Pinheiro and Caetano Waldrigues Galindo (portuguese is the language that most times translated Ulysses, five in total, and no language has versions so different from each other as those three abovementioned), and we will also conduct an investigation on the two published versions of the short tale "The Sisters" (the first one in the journal The Irish Homestead, in 1904, the second one in the book Dubliners, ten years later), investigation that, through the comparison of these two versions, will make explicit the fundamental role played by gaps and undecidabilities in the production of meaning inside joycean
Subject: Joyce, James, 1882-1941. Ulysses - Traduções
Benjamin, Walter, 1892-1940 - Crítica e interpretação
Borges, Jorge Luis, 1899-1986 - Crítica e interpretação
Tradução e interpretação
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MOIRA, Amara. A indeterminação de sentidos no Ulysses de James Joyce. 2018. 1 recurso online (103 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331314>. Acesso em: 3 set. 2018.
Date Issue: 2018
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Moira_Amara_D.pdf1.52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.