Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/33053
Type: Artigo de periódico
Title: Proposta de correção virtual geométrica da projeção ostial da artéria renal no estudo operatório de aneurismas infrarrenais: resultados iniciais de um estudo piloto
Title Alternative: Proposal of renal artery's ostial projection under virtual geometric correction in infrarenal aneurysms: initial results of a pilot study
Author: Molinari, Giovani José Dal Poggetto
Dalbem, Andreia Marques de Oliveira
Menezes, Fabio Hüsemann
Guillaumon, Ana Terezinha
Abstract: Introduction: Endovascular aneurysm repair requires the precise deployment of the graft. In order to achieve accurate positioning, the anatomical and morphological characteristics of the aorta and its branches is mandatory. Software that perform three dimensional reformatting of multislice tomographic images, allow for the study of the whole aorto-iliac axis and the perpendicular visualization of the origin of the renal arteries. The correct length of the proximal neck can be evaluated and adequate graft fixation and sealing may be foreseen. A technique is presented, using an software, for the orthogonal correction of the position of the renal arteries in relation to the proximal neck, which may guide the radioscopic orientation intraoperatively. Methods: Within a multiplanar tomographic image reconstruction, virtual triangulation allows for the three dimensional orthogonal correction of the renal arteries' ostia position. The predetermined best angulations for visualization are annotated and used for the positioning of the surgical C-arm. Results/Discussion: Some authors discuss that the anatomic position of the renal vessels seen on the tomographic scan can change during the surgical procedure. It is known that the renal arterys' angular positioning does not alter, even after insertion of stiff guidewires, introducers, and the endograft itself. Therefore, it is possible, using concepts of spacial geometry and orthogonal correction, to predict the ideal bidimensional intraoperative positioning of the radioscopy device in order to reproduce the optimized renal artery ostial projection, ensuring the best accuracy during endograft deployment. Conclusion: As closer to the tomographic reproduction was the radioscopic correction, more careful is the visualization of the ostium of the renal artery, better is the exploitation of the lap for fixing and sealing and the endoprosthesis deployment is more accurate.
Introdução: Para o preparo pré-operatório endovascular dos aneurismas infrarrenais é necessária a mensuração acurada de suas características anatômicas e morfológicas, alcançada com o uso de softwares avançados em manipulação de imagens de tomografias multicanais. Este processo permite também o estudo acurado das relações anatômicas das demais artérias do eixo aorto-ilíaco. Uma visualização perpendicular à origem da artéria renal mais baixa possibilita o uso de toda a extensão do colo para fixação da endoprótese e selamento proximal, o que pode ser previsto durante o estudo da tomografia, impedindo um posicionamento subótimo e a sobreposição das estruturas vasculares no intraoperatório. Expõem-se aqui os resultados iniciais de um projeto piloto, envolvendo manipulação de imagens tomográficas, na correção ortogonal da artéria renal aplicada à orientação radioscópica no intraoperatório. Métodos: Por meio de reconstrução multiplanar de imagens tomográficas em software obtém-se um corte axial em ângulo reto. Conceitos geométricos de triangulação virtual promovem a correção ortogonal em três dimensões da visualização ostial da artéria renal, que pode ser reproduzida intraoperatoriamente, através do reposicionamento do arco cirúrgico. Resultados/Discussão: Embora alguns autores argumentem que a anatomia do vaso observada na tomografia possa mudar durante o intraoperatório, sabe-se que o posicionamento angular das artérias renais não se modifica, mesmo após a inserção dos fios guia rígidos, introdutores e da própria endoprótese. Assim, acreditamos ser possível, por meio de conceitos de geometria espacial e correção ortogonal (por meio da manipulação das imagens em software), predizer o posicionamento ideal do aparelho de radioscopia de maneira a reproduzir o mesmo ângulo de projeção ostial da artéria renal em imagem bidimensional intraoperatória (angiografia), assegurando maior precisão na liberação da endoprótese. Conclusão: Quanto mais próxima da reprodução tomográfica for essa correção radioscópica, mais cuidadosa é a visualização do óstio da artéria renal, melhor é o aproveitamento do colo para a fixação e selamento e mais precisa é a liberação da endoprótese.
Subject: Procedimentos Endovasculares
Aneurisma da Aorta Abdominal
Tomografia Computadorizada Multidetectores
Artéria Renal
Interface Usuário-Computador
Projetos Piloto
Endovascular Procedures
Aortic Aneurysm, Abdominal
Multidetector Computed Tomography
Renal Artery
User-Computer Interface
Pilot Projects
Editor: Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.5935/1678-9741.20140014
Address: http://dx.doi.org/10.5935/1678-9741.20140014
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-76382014000100014
Date Issue: 1-Mar-2014
Appears in Collections:Unicamp - Artigos e Outros Documentos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0102-76382014000100014.pdf1.02 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.