Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/330393
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Influência do treinamento de flexibilidade pré-treinamento de força nas adaptações neuromusculares
Title Alternative: Influence of flexibility training pre-strength training in neuromuscular adaptations
Author: Moriggi Junior, Roberto, 1990
Advisor: Cavaglieri, Claudia Regina, 1963-
Abstract: Resumo: Inúmeros fatores podem influenciar negativamente nos ganhos de força e hipertrofia muscular advindo do treinamento de força (TF). Um desses possíveis fatores é a realização do exercício de alongamento pré-sessão do TF (FLEX-TF). É evidenciado que após o alongamento o volume total (series x repetições x carga) da sessão do TF diminui significativamente. Uma vez que o volume total da sessão é importante para os ganhos de força e hipertrofia muscular, é possível sugerir que a execução do FLEX-TF poderá influenciar negativamente esses ganhos neuromusculares crônicos. Portanto, o objetivo do estudo é verificar se o treinamento de flexibilidade pré TF atenua os ganhos de força e hipertrofia muscular em comparação ao TF sem a realização do alongamento. Para isso foram recrutados 11 voluntários jovens do sexo masculino, recreacionalmente ativos. Todos os voluntários passaram por um período de 10 semanas sem realizar exercícios físicos regulares, apenas as avaliações pré e pós este período, que, foi denominada de controle, logo após, os mesmos tiveram seus membros inferiores randomizados e balanceados (de acordo com a força e área muscular) em 2 grupos distintos: treinamento de força até a falha concêntrica (TF) e treinamento de força até a falha concêntrica com exercício de alongamento antecedente (FLEX-TF). Todos os voluntários realizaram 4 séries de um exercício para membros inferiores (cadeira extensora), com intervalo de 1 minuto, sendo que apenas o grupo FLEX-TF realizaram pré treinamento de força 2 séries de 25 segundo de alongamento até a amplitude articular e percepção subjetiva de dor máxima. A frequência de treinamento foi de 2 vezes por semana durante 10 semanas. A flexibilidade, a força muscular (1RM) e área de secção transversa (AST) do musculo vasto lateral foram coletadas pré e pós-treinamento. Para a analise estatística foram utilizados os seguintes testes respectivamente, Shapiro-Wilks e Levene, ANOVA one-way, teste-t independente, ANOVA two-way, post hoc de Tukey, ANOVA one-way e por fim, foi calculado o effect size. Os dados foram analisados pelos programas SPSS 17.0 e BioEstat 5.0 com nível de significância de 5%, todos os dados foram apresentados em média ± desvio padrão. Número de repetições e volume total foram maiores para o TF em comparação ao FLEX-TF tanto nas semanas de 1 a 5 quanto nas de 6 a 10. Quanto a AST do musculo vasto lateral, observou-se um efeito principal de tempo, no entanto, uma maior mudança foi observada para o TF em comparação ao FLEX-TF (12,7% e 7,4%, respectivamente). Também foi observado efeito principal de tempo para o 1RM, com a mudança semelhante para o TF e FLEX-TF (12,7% e 12,9%, respectivamente). Flexibilidade foi aumentada de pré para pós-treino só para o FLEX-TF. Observou-se uma maior mudança para o FLEX-TF (10,1%) do que TF (2,1%). Conclusão: Estes resultados sugerem que a realização do treinamento de flexibilidade imediatamente antes do treinamento de força pode contribuir para um menor número de repetições, volume total e hipertrofia muscular

Abstract: Several factors can influence negatively in strength gains and muscle hypertrophy arising strength training (ST). One possible factor is the realization of pre-session ST stretching exercise (FLEX-ST). It is evident that after stretching the total volume (sets x repetitions x load) ST session decreases significantly. Since the total volume of the session is important for strength gains and muscle hypertrophy, it is possible to suggest that the implementation of FLEX-ST may negatively influence these chronic neuromuscular gains. Therefore, the objective of the study is to verify if the FLEX-ST attenuates the strength gains and muscle hypertrophy compared to ST without performing stretching. For that they were recruited 11 young male volunteers, recreationally active. All volunteers underwent a 10-week period without performing regular exercise, only the pre- and post this period, which was named control, shortly after they had their lower limbs randomized and balanced (according to the strength and muscular area) in 2 groups: strength training to concentric failure (ST) and strength training to concentric failure with antecedent stretching exercise (FLEX-ST). All volunteers performed four sets of one exercise for lower limbs (leg extension), with an interval of 1 minute, with only the FLEX-ST group performed pre strength training two sets of 25 second extension to the range of motion and subjective perception maximum pain. The frequency of training was 2 times per week for 10 weeks. The flexibility, muscle strength (1RM) and cross-sectional area (CSA) of the vastus lateralis muscle were collected pre- and post-training. For statistical analysis the following tests were used respectively, Shapiro-Wilks and Levene, ANOVA one-way, independent t-test, ANOVA two-way, post hoc Tukey, ANOVA one-way, paired t-test, typical error and coefficient of variation, and finally, the effect size was calculated. Data were analyzed by SPSS 17.0 and 5.0 BioEstat programs with 5% significance level, all data were presented as mean ± standard deviation. Number of repetitions and total volume were greater for ST as compared to the FLEX-ST for 1 to 5 weeks and 6 to 10. Number of repetitions and total volume were greater for the RT than FLEX-RT for the weeks 1 to 5 and 6 to 10. Regarding the vastus lateralis muscle CSA, it was observed a main time effect, however, greater change was observed for the RT than FLEX-ST (12.7% and 7.4%, respectively). It was also observed main time effect for 1RM, with similar changes for the RT and FLEX-RT (12.7% and 12.9%, respectively). The flexibility was increased pre to post-training for the FLEX-ST, with greater change for the FLEX-ST (10.1%) than ST (2.1%). Conclusion: These results showed that to perform flexibility training immediately before of the resistance training can contribute to a lower number of repetitions, total volume and, muscle hypertrophy
Subject: Alongamento
Articulações - Amplitude de movimento
Músculo esquelético
Treinamento resistido
Editor: [s.n.]
Citation: MORIGGI JUNIOR, Roberto. Influência do treinamento de flexibilidade pré-treinamento de força nas adaptações neuromusculares. 2016. 1 recurso online (59 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/330393>. Acesso em: 31 ago. 2018.
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FEF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
MoriggiJunior_Roberto_M.pdf1.2 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.