Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/325572
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Avaliação do uso de drogas na gestação e no período pós parto = Assessment of drug use during pregnancy and postpartum period
Title Alternative: Assessment of drug use during pregnancy and postpartum period
Author: Pereira, Cynara Maria, 1968-
Advisor: Pacagnella, Rodolfo de Carvalho, 1974-
Abstract: Resumo: O uso de drogas por mulheres em idade fértil tem aumentado e, consequentemente, várias complicações maternas e fetais podem surgir, tais como pior aderência ao pré-natal, risco para hemorragias, descolamento de placenta e trabalho de parto prematuro. Existem muitos fatores envolvidos na determinação dos quadros de morbidade materna grave e suas consequências, sendo que a influência do uso de substâncias psicoativas precisa ser melhor estudada. Objetivos: avaliar a associação entre Morbidade Materna Grave e o uso de substâncias lícitas e/ou ilícitas, identificar a frequência do uso de substâncias psicoativas na gestação e pós parto e fatores associados ao mesmo. Nas mulheres com e sem antecedente de morbidade materna grave avaliamos duas possibilidades de associação: 1) o uso de drogas na gestação e a ocorrência de morbidade materna grave e 2) a morbidade materna como fator de risco para o uso de substâncias. Método: Análise parcial da COMMAG (Coorte em Morbidade Materna Grave). Foram estudadas mulheres com partos entre julho de 2008 a junho de 2012 que sofreram um episódio de morbidade materna grave (MMG) durante a gestação e respectivos controles. O ASSIST 2.0 foi utilizado para avaliar o uso de drogas. A saúde mental e qualidade de vida foram medidos pelos instrumentos PCL-C e SF-36.Resultados:1)16,9% das gestantes utilizaram alguma droga, sendo o álcool a mais utilizada, seguida pelo tabaco e cocaína. A morbidade materna grave, como um desfecho composto, não esteve associada ao uso de drogas na gestação. Entretanto o uso de tabaco aumentou em duas vezes o risco de hemorragia, a presença de critérios clínicos para gravidade e associou-se ao atraso no desenvolvimento neuropsicomotor das crianças. O uso de álcool aumentou em três vezes o risco de Apgar menor que 7 e o uso de cocaína aumentou em cinco vezes o diagnóstico de outras complicações clínicas graves. 2) A prevalência de uso de substâncias após o parto foi de 25,8%, sendo a mais utilizada o álcool (20,6%), seguida pelo tabaco (13,2%) e cocaína (2,3%). Não houve diferença de uso de substâncias no puerpério por mulheres com e sem morbidade materna. No geral cerca de 13% das mulheres passaram a utilizar drogas após o parto e houve maior necessidade de intervenção para redução do álcool no grupo de mulheres com morbidade materna. A análise múltipla mostrou que o uso de drogas na gestação e não possuir religião foram os fatores relacionados ao uso de drogas após o parto e a morbidade materna grave, o stress pós-traumático, o uso de drogas na gestação, a cor branca, baixo nível sócio econômico e não ter religião, foram os fatores independentemente associados à necessidade de intervenção para o uso de drogas após o parto. Conclusão: a prevalência do uso de drogas no período gestacional e pós-parto foi alta e o estudo mostrou a importância do fator social na determinação da MMG e desta como determinante de um desequilíbrio na saúde mental e física da mulher no período pós-parto

Abstract: Drug use by women of childbearing age has increased and consequently, several maternal and fetal complications may arise, such as poor adherence to prenatal care, risk of bleeding, placental abruption and preterm labor. There are many factors involved in the determination of severe maternal morbidity and its consequences, and the influence of the use of psychoactive substances needs to be better studied. Objectives: This dissertation aimed to evaluate the association between Severe Maternal Morbidity and the use of licit and / or illicit substances, to identify the frequency of use of psychoactive substances in pregnancy and postpartum and factors associated with substance abuse. In women with and without a history of severe maternal morbidity we evaluated two possibilities of association: 1) drug use during pregnancy and the occurrence of severe maternal morbidity; and 2) maternal morbidity as a risk factor for substance use. Method: This study is a partial analysis of the COMMAG (Maternal Morbidity Working Group).We have studied women with childbirth between July 2008 and June 2012 who had suffered an episode of severe maternal morbidity (SMM) during pregnancy and respective controls. ASSIST 2.0 was used to evaluate drug use. Mental health and quality of life were measured by the PCL-C and SF-36 instruments.Results:1) 16.9% of the pregnant women used any drugs, the alcohol being the most used, followed by tobacco and cocaine. SMM, as a composite outcome, was not associated with drug use during pregnancy. However, the use of tobacco increased twice the risk of bleeding, the presence of clinical criteria for severity and was associated with the delay in children's neuropsychomotor development. Alcohol use increased by three times the risk of Apgar below 7 and cocaine use increased by five times the diagnosis of other serious clinical complications. 2) The prevalence of substance use after childbirth was 25.8%, the most used being alcohol (20.6%), followed by tobacco (13.2%) and cocaine (2.3%). There was no difference in the use of substances in the puerperium by women with and without maternal morbidity. Overall, about 13% of women started using drugs after childbirth and there was a greater need for intervention to reduce alcohol in the group of women with maternal morbidity. The multiple analysis showed that the use of drugs during gestation and not having a religion were factors related to post-partum drug use and severe maternal morbidity, post-traumatic stress, drug use during pregnancy, white color, low level socioeconomic status and no religion were independently associated with the need to intervene for drug use after childbirth. Conclusion: The prevalence of drug use in the gestational and postpartum period was high and the study showed the importance of the social factor in the determination of MMG and this as a determinant of an imbalance in women's mental and physical health in the postpartum period
Subject: Drogas - Abuso
Transtornos relacionados ao uso de substâncias
Gravidez de alto risco
Período pós-parto
Morbidade materna grave
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2017
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Pereira_CynaraMaria_M.pdf6.11 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.