Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/325466
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Significados do toque para o fisioterapeuta que atua em ambiente hospitalar
Title Alternative: The meanings of touch for the physiotherapist who works in the hospital environment
Author: Jamarim, Michelle Ferraz Martins, 1976-
Advisor: Campos, Claudinei José Gomes, 1963-
Abstract: Resumo: Introdução: O toque é a principal ferramenta de trabalho do fisioterapeuta, por incorporar uma relação muito íntima com o corpo, capaz de influenciar na qualidade da assistência, no cuidado e no tratamento dos pacientes. Objetivos: Conhecer os tipos de toque e compreender seus significados para os fisioterapeutas que atuam em ambiente hospitalar, na perspectiva dos sentimentos, atitudes e comportamentos durante a assistência. Métodos: Utilizou-se a abordagem qualitativa e o método proposto foi o estudo de caso qualitativo. A pesquisa realizou-se em um hospital geral, de natureza filantrópica com 162 leitos que presta serviços de alta complexidade, localizado ao sul de Minas Gerais. A população constituiu-se de 18 fisioterapeutas, sendo a amostra composta por intencionalidade e fechada por exaustão. Utilizou-se como critérios de inclusão: os fisioterapeutas contratados na referida instituição, que estavam presentes na coleta de dados e que possuíam experiência na área hospitalar por mais de seis meses. A amostra foi composta por 16 sujeitos. Para a coleta de dados foram utilizados três roteiros: um para entrevista semiestruturada, um para observação de campo e um para observação e análise do toque. No total foram realizadas 16 entrevistas e 19 observações. Para análise dos dados utilizou-se a análise temática de conteúdo. Resultados: Após a leitura do material emergiram quatro categorias: o toque instrumental como recurso fundamental da profissão; toque expressivo: sua pouca presença não significa ausência de afetividade; sentimentos do fisioterapeuta relacionados ao toque e a dificuldade em falar traduz deficiência na formação. O toque instrumental predominou durante as observações e, apesar da pouca presença do toque expressivo, os sinais de afetividade foram claros durante a assistência, não demonstrados no toque em si, mas por meio dos gestos e atitudes. As entrevistas contraporam-se às observações, pois os sujeitos relataram sentimentos de afeto, vínculo e troca de energia enquanto tocam, porém, as observações demonstraram afetividade durante a comunicação verbal, o olhar, a preocupação em explicar a técnica antes dos procedimentos, em solicitar permissão para atendê-los e a grande proximidade com o paciente durante suas ações. Os sujeitos também relataram a não abordagem desse tema durante sua formação, o que faz esse profissional conhecer o toque apenas de maneira instrumental. Conclusão: Sugere-se, a partir dos resultados desta pesquisa, uma intervenção educativa com esses profissionais de maneira a conscientizá-los da importância do toque expressivo e fazê-los incorporar novos valores ao toque, proporcionando uma assistência individualizada que contemple as necessidades do paciente, uma melhor relação e comunicação fisioterapeuta - paciente e uma assistência mais humanizada

Abstract: Introduction: The touch is the main physiotherapist¿s working tool to incorporate a very close relationship with the body that is capable of influencing the quality of care in the assistance and treatment of patients. Objectives: To know the types of touch and understand their meanings for physiotherapists who work in hospital settings, from the perspective of feelings, attitudes, and behavior during their assistance. Methods: The qualitative approach was used, and the proposed method was a study of qualitative case. The research was carried out in a general philanthropic hospital with 162 beds that provides services of high complexity, located in southern Minas Gerais. The population consisted of 18 physiotherapists; the sample was composed by intentionality and closed by exhaustion. The inclusion criteria were: physiotherapists employed in the institution who were present during data collection and who had an experience of working in the hospital of more than six months. The sample consisted of 16 subjects. The data collections were used three: one for semi-structured interviews, one for field observation, and one for observation and analysis of touch. A total of 16 interviews and 19 observations were conducted. Data were analyzed through the thematic content analysis. Results: Four categories emerged after reading the collected material: instrumental touch as a fundamental feature of the profession; expressive touch: its little presence does not mean the absence of affectivity; feelings related to the touch; and the difficulty talking reflecting a deficiency in training. The instrumental touch prevailed during the observations despite the little presence of expressive touch; signs of affection were clear during the assistance, not demonstrated in the touch itself, but through gestures and attitudes. The interviews were opposed to the observations because the subjects reported feelings of affection, bond, and exchange of energy as they touch. However, the observations demonstrated affection during verbal and visual communication, concern about explaining the technique before the procedure and requesting permission to serve the patient and closeness to the patient during the activity. The subjects also reported the lack of approaching this subject during their training, which makes this professional only to know touch instrumentally. Conclusion: Based on the results of this research, an educational intervention with these professionals is suggested in order to make them aware of the importance of expressive touch and the incorporation of new values to the touch providing an individualized assistance that addresses the patient's needs, an improved physiotherapists-patient relationship and communication, and a more humanized assistance
Subject: Fisioterapeutas
Toque terapêutico
Comunicação não verbal
Humanização da assistência
Linguagem corporal
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Jamarim_MichelleFerrazMartins_M.pdf2.09 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.