Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/325393
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: A aquisição da voz passiva no português brasileiro : da sintaxe para a morfossintaxe
Title Alternative: The acquisition of passive voice in Brazilian Portuguese : from syntax to morphosyntax
Author: Minello, Carla Pereira, 1987-
Advisor: Lopes, Ruth Elisabeth Vasconcellos, 1960-
Abstract: Resumo: Este trabalho tem por objetivo observar e discutir a aquisição da voz passiva por crianças falantes do português brasileiro (PB), a partir de dados de compreensão, produção eliciada e produção espontânea. Parte-se de perspectivas gerativistas, contudo, adotam-se pressupostos da Morfologia Distribuída (HALLE & MARANTZ, 1994; MARANTZ, 1997) e as propostas desenvolvidas por Embick (2004) e Alexiadou & Anagnostopoulou (2008) sobre os processos morfossintáticos existentes na derivação dos particípios. Assume-se que a dificuldade da criança com passivas eventivas não se deva à dificuldade desta em realizar movimento do argumento interno (BORER & WEXLER, 1987; WEXLER, 2001; HYAMS & SNYDER, 2005; 2014; entre outros), mas sim com a derivação do particípio passado, especificamente, o particípio eventivo. Os traços de telicidade, duratividade e estatividade aparentam possuir um papel determinante na compreensão de passivas eventivas pelas crianças no processo de aquisição, o que foi observado a partir dos resultados obtidos no primeiro estudo experimental discutido nesta dissertação: as crianças compreenderam melhor passivas eventivas télicas, durativas e não-estativas (passivas de accomplishments) do que passivas em que a combinação desses traços era diferente (passivas de achievements, estados e atividades). Não foi observado nenhum efeito quanto à ausência ou à presença do by-phrase, nem com relação ao verbo ser de ação ou de não-ação. Considera-se também que os estudos anteriores que verificaram que a criança tem dificuldades para compreender passivas não se atentaram para propriedades como a acionalidade. Com relação ao segundo estudo experimental, que investigou a produção eliciada de passivas, foi observado que a passiva eventiva não é a estrutura sintática escolhida pela criança. Já com relação aos dados de produção espontânea, os resultados mostram que a passiva estativa é a primeira passiva produzida pela criança, seguida da passiva resultativa e depois da passiva eventiva (que foi produzida em poucos casos). Vale ressaltar que as passivas estativas e resultativas só são permitidas com verbos considerados de accomplishment, ou seja, verbos que possuem tanto um estado quanto um resultado em seu evento

Abstract: This work aims to observe and discuss the acquisition of the passive voice by Brazilian children, based on comprehension, elicited production and spontaneous production data. It is based on the Generative Theory; however, we adopt the assumptions of Distributed Morphology (HALLE & MARANTZ, 1994; MARANTZ, 1997) and the proposals developed by Embick (2004) and Alexiadou & Anagnostopoulou (2008) on the morphosyntactic processes in the derivation of participles. It is assumed that children¿s difficulty with an eventive passive is not due to their difficulty to move the internal argument (BORER & WEXLER, 1987; WEXLER, 2001; HYAMS & SNYDER, 2005; 2014), but to the derivation of the past participle, specifically, the eventive participle. The features of telicity, durativity and stativity seem to play a decisive role in children's comprehension of passive events in the acquisition process, as was observed in the results obtained in the first experimental study discussed in this dissertation: Children understood telic, durative and non-stative passives (accomplishment passives) better than passives in which the combination of these features were different (passives of achievements, states and activities). No effect was observed on the absence or presence of the by-phrase, nor on the verb being an action or non-action one. It is also considered that previous studies that verified that the child has difficulties to understand passives did not pay attention to properties like aktionsart. Regarding the second experimental study, which investigated the elicited production of passives, it was observed that the eventive passive sentence is not the syntactic structure chosen by the child. Nonetheless, regarding the spontaneous production data, the results show that the stative passive is the first passive construction produced by the child, followed by the resultative passive and afterwards the eventive passive (which was produced in a few cases). It is noteworthy that stative and resultative passives are only allowed with verbs considered as accomplishment verbs, that is, verbs that have both a state and a result in their event
Subject: Aquisição de linguagem
Língua portuguesa - Brasil - Sintaxe
Língua portuguesa - Brasil - Morfologia
Língua portuguesa - Brasil - Voz passiva
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2017
Appears in Collections:IEL - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Minello_CarlaPereira_M.pdf1.62 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.