Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/325035
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Ciclo de vida familiar e distribuição populacional na dinâmica do desmatamento e uso da terra na Amazônia paraense
Title Alternative: Family life cycle and population distribution in the dynamic of deforestation and land use at the Amazon
Author: Côrtes, Julia Correa, 1983-
Advisor: D'Antona, Álvaro de Oliveira, 1967-
Abstract: Resumo: O objetivo central da tese é compreender como arranjos espaciais da população, decorrentes do processo de mobilidade e redistribuição, se correlacionam com a mudança no uso e cobertura da terra em diferentes escalas de análise. Na perspectiva regional o enfoque investigativo na migração incorporou grandes avanços no campo, mas a ênfase nos fluxos em detrimento da redistribuição espacial fragmentou a visão do território e limitou o dinâmica da urbanização no panorama. Na microperspectiva o modelo do ciclo domiciliar adotou uma unidade de escala simplificada enfrentando falhas na previsão e inconstância entre as áreas. O presente estudo partiu do pressuposto de que a dimensão espacial dos eventos melhoram a compreensão da dinâmica demográfica como força motora da mudança no uso e cobertura da terra. O ponto de partida foi o aperfeiçoamento do modelo microescalar através da construção de uma unidade de escala flexível no espaço de vida do grupo familiar. A partir de questionários aplicados em 402 lotes em um trecho da Rodovia Transamazônica em 1997/98 e 2005, foram constituídos 330 Grupos Familiares em três níveis de agregação familiar. O Modelo de Ciclo de Vida Familiar foi verificado através da análises das trajetórias de desmatamento, uso e cobertura da terra e as inter-relações com as variáveis demográficas de família ¿ composição e rede de suporte. Considerando efeito demográfico idade-coorte, o modelo teórico combina a dinâmica do Ciclo Reprodutivo, Ciclo do Lote e o Arranjo Socioespacial ¿ enaltecendo a ideia de um terceiro efeito, o espaço. Na majoração da abordagem para o plano regional foi analisado um conjunto de dados secundários referente a uma mesorregião no oeste do Pará ¿ entre os municípios de Santarém e Altamira. A partir do microdados do Censo Demográfico 2010 (IBGE) e dados vetoriais do Projeto TerraClass (INPE/EMBRAPA) foram analisadas as redes migratórias, os indicadores de dispersão populacional e a mudança no uso e cobertura da terra, contemplando a área urbana como classe de uso e o espaço migratório rural-urbana de forma contínua. As trajetórias urbanas afetam a mobilidade populacional por meio das redes hierárquicas, desencadeando configurações populacionais, formas de uso da terra e ritmos de desmatamento que variam conforme a intensidade dos vetores da morfologia urbana ¿ exclusivamente nos territórios de ocupação espontânea. A discussão conclusiva destaca que os arranjos espaciais do grupo familiar são orientados pela caracterização da propriedade e sistema de produção e, no sentido reverso, afetam a intensidade do desmatamento e as mudanças no uso e cobertura da terra. As formas de dispersão desses arranjos populacionais no plano regional interferem no ritmo do desmatamento e urbanização ¿ reforçando que ambos são produtos de um mesmo panorama migratório. A percepção da mobilidade da população priorizando o seu efeito espacial mostrou-se uma proposta metodológica promissora com grande contribuição para a Land Change Science

Abstract: This research address the bidirectional relationships between land change and socio-spatial arrangements of population ¿ as a result of mobility and redistribution process. There have been improvements of population-environment studies at the large-scale after focusing on the population migration. However, the lay emphasis on the migration flow volume, rather than spatial distribution, has fragmented the territory perspective and reduced the urbanization understanding. At the local level, the Household Life Cycle Model have been failing in some of its theoretical predictions and presenting different findings among study areas. A simplified unit of analysis and its inconsistency to explain the contemporary complexity sustain this situation. This research considers the spatial effect of population mobility as the most adequate approach to explore demographic dynamic as a drive force of land change. The research' bottom line is the local scale improvement through the conception of a flexible unit of analysis defined on the life space of each family group. Analysis were based on 330 Family Groups (and three levels of family aggregation) survey data for 402 small producers along Transamazônica Highway in 1997/98. Family Life Cycle Model was empirically discussed by deforestation trajectories, land use and cover change and their correlation with family demographics variables ¿ population composition and support network. Results converge to the conceptual model proposal, which was structured on the perspective of Age, Period and Cohort effects and combine the dynamic of Reproductive Cycle, Lot Cycle and Socio-Spatial Arrangements ¿ raising the suggestion of a third effect, the space. The scaling up is realized applying secondary data set to western sector of Pará state ¿ between Santarém and Altamira municipalities. Data source are the Demographic Census 2010 (IBGE) and TerraClass Project (INPE/EMBRAPA). The discussion was based on the matrices¿ migration, population dispersion and land use and cover change, considering urban as land use class and treating the migration space (rural-urban) as a unified territory. Results show that urban trajectories affect population mobility trough urban hierarchies, creating population arrangements, land use forms and deforestation pace according to the intensity of urban morphology vectors in territories of spontaneous occupation. Research conclusion highlight the spatial arrangements of family groups as a result of the property¿ attributes and farming system and, in the opposite direction, as a drive force of deforestation rates and land change. Population dispersion among family groups interfere on deforestation and urbanization ¿ bringing up the assumption that both are products of the same migration panorama. Perception of population mobility and its spatial effect prove to be a promising methodological proposal with important contribution to Land Change Science
Subject: Distribuição espacial da população
Desmatamento - Amazônia
Demografia da familia - Pará (PA)
Urbanização
Solo - Uso - Amazônia
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2017
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cortes_JuliaCorrea_D.pdf14.32 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.