Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/324534
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.CRUESPUNIVERSIDADE DE ESTADUAL DE CAMPINASpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.titleUse Of An Alternate Light Source To Detect Tooth And Boneen
dc.contributor.authorMirandapt_BR
dc.contributor.authorGeraldo Elias; Melanipt_BR
dc.contributor.authorRodolfo Francisco Haltenhoff; Francisquini Júniorpt_BR
dc.contributor.authorLuiz; Daruge Júniorpt_BR
dc.contributor.authorEduardopt_BR
unicamp.authorUniversidade Estadual de Campinas, Piracicaba SP, Brazilpt_BR
unicamp.author.externalInstitute of Legal Medicine, Belo Horizonte MG, Brazilpt_BR
unicamp.author.externalUniversidade de São Paulo, São Paulo SP, Brazilpt_BR
dc.subjectFluorescenceen
dc.subjectToothen
dc.subjectBoneen
dc.subjectAlternate Light Sourceen
dc.subjectCrime Scene Investigationen
dc.description.abstractO objetivo desse trabalho foi identificar a combinação do comprimento de onda e filtro que melhor detecta dente e osso e verificar qual material biológico (esmalte, raiz dental ou osso) possui maior fluorescência quando exposto a uma fonte de luz alternativa (ALS). Amostras de dente e osso foram iluminadas com uma ALS e fotografadas. Os programas Adobe Photoshop™ e ImageJ™ foram usados para análise das imagens. Os dados obtidos das medidas dos pixels das fotografias foram submetidos a análise de variância. Os valores com efeitos significativos tiveram suas médias comparadas pelo teste de Tukey. Em todos os testes, o nível de significância adotado foi p≤0,05 e os valores calculados pelo sistema SAS. Os resultados mostraram que a melhor combinação para detectar dente e osso é o comprimento de onda 455 nm com o filtro laranja. A fluorescência da raiz é maior que a do esmalte que é maior do que o osso. O material biológico teve maior fluorescência que o material inerte. Esse conhecimento pode auxiliar o perito a triar e detectar esses materiais biológicos, por exemplo em situações em que dentes e pequenos ossos estiverem fragmentados, tanto na cena do crime quanto no laboratório.en
dc.relation.ispartofBrazilian Dental Journalpt_BR
dc.publisherFundação Odontológica de Ribeirão Pretopt_BR
dc.date.issued2017pt_BR
dc.identifier.citationBrazilian Dental Journal. Fundação Odontológica De Ribeirão Preto, v. 28, n. 1, p. 78 - 81pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.description.volume28pt_BR
dc.description.issuenumber1pt_BR
dc.description.firstpage78pt_BR
dc.description.lastpage81pt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.sourceScielopt_BR
dc.identifier.issn0103-6440pt_BR
dc.identifier.idScieloS0103-64402017000100078pt_BR
dc.identifier.urlhttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-64402017000100078&lng=pt&nrm=issopt_BR
dc.date.available2017-08-30T17:36:37Z-
dc.date.accessioned2017-08-30T17:36:37Z-
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-08-30T17:36:37Z (GMT). No. of bitstreams: 1 S0103-64402017000100078.pdf: 629961 bytes, checksum: f52214c842146a634eae707775731957 (MD5) Previous issue date: 2017en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/324534-
Appears in Collections:Unicamp - Artigos e Outros Documentos

Files in This Item:
File SizeFormat 
S0103-64402017000100078.pdf615.2 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.