Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/32336
Type: Artigo de periódico
Title: From transcendental to practical intersubjectivity: a social psychological approach to Kant's musical aesthetics
Title Alternative: Da intersubjetividade transcendental à intersubjetividade prática: uma abordagem sócio-psicológica da estética musical kantiana
Author: Torriani, Tristan
Abstract: It is well known that Kant?s aesthetics is framed intersubjectively because he upholds the claim of taste to universality. However, the transcendental foundation of this shared universality is a supersensible ground which is taken for granted but which cannot be brought directly into communicative experience. Kant?s reliance on the synthetic a priori structure of aesthetic judgment also removes it from the sphere of observable personal interaction. This argumentative strategy exposes it to skeptical challenge and generates inaccessible references to inner representations (be they intuitions, categories of the understanding or rational ideas). It is not sufficient, as Kant did, to propose a description of aesthetic experience that is subjectively plausible and thereby claim its intersubjective validity. It is indispensable to embody intersubjectivity in behavior and language. In practical intersubjectivity, aesthetic attitudes are dealt with in a concrete and accessible manner without relying on mentalistic assumptions as a foundation. Conceptual terms such as 'agreeable?, 'beauty?, 'sublime?, 'ugly?, 'universality? acquire new meaning in a conversational context and aesthetic claims are tested in a dialogical game semantics model.
É bem sabido que a estética de Kant está estruturada intersubjetivamente, porque ele honra a reivindicação do gosto pela universalidade. No entanto, o fundamento transcendental desta universalidade compartilhada é uma base suprasensível tida por certa, mas que não pode ser trazida diretamente para dentro da experiência comunicativa. O apelo kantiano à estrutura sintética a priori do juízo estético também remove-o da esfera da interação pessoal observável. Esta estratégia argumentativa expõe-no a desafios céticos e gera referências inacessíveis às representações internas (sejam elas intuições, categorias do entendimento ou idéias racionais). Não é suficiente, como faz Kant, propor uma descrição da experiência estética que seja subjetivamente plausível e, a partir disso, reivindicar sua validade intersubjetiva. É indispensável encarnar a intersubjetividade no comportamento e na linguagem. Na intersubjetividade prática, lida-se com as atitudes estéticas em um modo concreto e acessível, sem depender de pressupostos mentalistas como fundamento. Termos conceituais como 'agradável', 'belo', 'sublime', 'feio', 'universalidade' adquirem novo significado em um contexto interativo e reivindicações estéticas são testadas em um modelo dialógico de jogo semântico.
Subject: Kant
Estética musical
Intersubjetividade
G. H. Mead
Roger Scruton
Kant
Musical aesthetics
Intersubjectivity
G. H. Mead
Roger Scruton
Editor: Universidade Estadual Paulista, Departamento de Filosofia
Rights: aberto
Identifier DOI: 10.1590/S0101-31732010000100007
Address: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31732010000100007
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31732010000100007
Date Issue: 1-Jan-2010
Appears in Collections:Unicamp - Artigos e Outros Documentos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0101-31732010000100007.pdf81.94 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.