Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/322650
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Inclusão escolar e políticas públicas na percepção de membros de redes virtuais do Facebook responsáveis por alunos com transtornos do espectro autista
Title Alternative: School inclusion and public policies under the perception of members of Facebook's virtual networks responsible for students with austistic spectrum disorder
Author: Prychodco, Robson Celestino, 1984-
Advisor: Bittencourt, Zelia Zilda Lourenço de Camargo, 1949-
Abstract: Resumo: Esse estudo investiga a percepção e satisfação de responsáveis por alunos com TEA com relação à inclusão escolar e políticas públicas das áreas da saúde e educação. Essa pesquisa não apresenta uma avaliação dessas políticas e sim como os participantes as percebem, bem como, não discute a legitimidade das demandas das famílias, uma vez que julgar seu mérito não é objeto do trabalho. Os convites aos participantes foram disponibilizados nas três maiores redes virtuais sobre TEA do Facebook. Ao aceitar contribuir, o voluntário era redirecionado virtualmente para uma plataforma específica com acesso ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e ao questionário autoaplicável contendo 49 questões.Trata-se de um estudo transversal, quanti-qualitativo, que contou com 90 participantes voluntários, provenientes das diversas regiões do país, com níveis socioeconômicos e educacionais diversificados, que utilizavam redes virtuais na internet como forma de suporte interpessoal. Os achados identificaram que as escolas particulares apresentaram índices menores de satisfação que as públicas e quanto mais velho era o aluno, mais esse sentimento é prejudicado, fato explicado pela reacomodação das expectativas ao longo do crescimento da criança e pelo impacto da implementação recente de novas diretrizes das políticas inclusivas. A internet e a participação nas redes sociais virtuais são as fontes de informação sobre os TEA mais utilizadas pelos participantes, superando as consultas aos profissionais da saúde. Dados da percepção parental positiva referem sobre a satisfação com o trabalho da escola, o acolhimento, respeito e igualdade de oportunidades, confiança na escola, garantia de segurança do aluno, disponibilidade frente aos desafios e para a importância dos conteúdos ensinados, 78 participantes declararam que levariam a criança/ adolescente para a escola mesmo se não houvesse nenhuma determinação legal para tal, 77 informaram que o preconceito acontece "Nunca" ou "Raramente". Os dados da percepção parental negativa informaram que a segregação e a exclusão podem acontecer no interior da escola comum, dos 53 participantes que solicitaram vaga na escola após o diagnóstico, 21 tiveram a recusa, desses, 8 tiveram que recorrer a outras instâncias para garantir a matrícula. Relataram que a escola informa "Nunca" ou "Raramente" sobre as adequações de conteúdo e metodologia utilizada, para 17 voluntários, a escola comum vê o aluno com TEA como "Um problema", e para 12 como "Um doente que não deveria estar naquele espaço", reiterando que ainda existem dificuldades para superação do modelo biomédico. Esses dados demonstraram uma tendência de que, mesmo com graves problemas, a inclusão educacional dos alunos com TEA vem sendo impactada por recentes transformações, impulsionadas pela implementação e execução de novas diretrizes das políticas, baseadas na compreensão da igualdade e diferença enquanto valores indissociáveis, bem como, deixam clara a necessidade de que ainda há muito trabalho a ser feito para superação do modelo biomédico e para o fortalecimento da aproximação entre inclusão Formal e Material/Real

Abstract: This study investigates the perception and satisfaction by responsible for students with ASD regarding school inclusion and public policies in the areas of health and education. The research does not provide an evaluation of the policies, but how participants perceive them as well, does not discuss the legitimacy of the demands, since judging its merit is no object of this research. The invitations to participants were made available in the three largest virtual networks on Facebook about ASD. By accepting to participate, the volunteer was virtually redirected to a specific platform with access to an enlightening and Free Consent Form and to a self-imposed questionnaire containing 49 questions. It is a cross-sectional, quantitative and qualitative study, attended by 90 volunteer participants from most varied regions of the country, with most diverse socioeconomic and educational levels, who used virtual networks in Internet as a means of interpersonal support. The findings identified that private schools show lower levels of satisfaction than public ones, and as older was the student this feeling was impaired, fact that is explained by the re-accommodation of expectations over the growth time of the child. Another factor is related to the recent implementation of new guidelines for inclusive policies. The Internet and participation in networks are the most used sources of information on ASD by the participants, surpassing consultations to health professionals. Data on positive parental perception refer on satisfaction with the work of school on the welcoming, respect and equal opportunities, confidence on school, safety assurance of the student, availability when facing challenges of inclusion, importance of the content taught, 78 participants declared that they would take the child/adolescent to school even if there was no legal requirement to do so, 77 reported that prejudice happens "Never" or "Rarely". The data on negative parental perception report that segregation and exclusion can happen within ordinary school; 53 participants who requested vacancy in school after the diagnosis, 21 had a refusal, 8 of them had to appeal to higher officials to ensure registration. They report that the school informs "never" or "rarely" on the content adaptations methodology used. To 17 volunteers, the school sees the student with ASD as a problem and 12 of them as a patient who should not be in that space, reaffirming that there are still difficulties to overcome the biomedical model. These data show a trend, even with serious problems, the educational inclusion of students with ASD has been impacted by recent changes, driven by the implementation and execution of the new guidelines for public policies, based on understanding equality and difference as inseparable values, as well as making clear that there is still much work to be done to overcome the biomedical model and to strengthen the approach between Formal inclusion and Real/ Material
Subject: Inclusão em educação
Transtorno autístico
Apoio social
Políticas públicas
Educação especial
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Prychodco_RobsonCelestino_M.pdf2.17 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.