Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/322192
Type: TESE DIGITAL
Title: O trabalho em rede (instituição de reabilitação, escola e família) na inclusão escolar e social de crianças com diagnóstico de paralisia cerebral
Title Alternative: Networks (rehabilitation institution, school and family) in the process of school and social inclusion of children with cerebral palsy
Author: Carvalho, Larisse Junqueira Mendes de, 1978-
Advisor: Batista, Cecilia Guarnieri, 1949-
Abstract: Resumo: INTRODUÇÃO: Crianças com diagnóstico de paralisia cerebral (PC) devem iniciar os estímulos nos primeiros anos de vida, focando na sua reabilitação, pois as intervenções adequadas direcionadas às mesmas poderão interferir e modificar sua organização estrutural própria e funcionamento, por meio de sua inter-relação com o meio. A inclusão escolar dessas crianças implica em mudanças e adequações no ambiente escolar, o que pode ser conseguido por meio da articulação de um trabalho interdisciplinar entre profissionais da Educação e Saúde, com o apoio das famílias. A implementação da educação inclusiva sugere a articulação da formação de uma rede, fazendo com que cada profissional desempenhe seu papel na inclusão escolar dessas crianças. As políticas públicas ainda são frágeis, exigindo dos diferentes profissionais um trabalho intensivo e de longo prazo, assegurando o direito à educação dentro de uma perspectiva inclusiva. OBJETIVO: O presente estudo buscou caracterizar aspectos de uma experiência de trabalho em rede (família, escola, Instituição) ao longo do processo de inclusão escolar e social de crianças com diagnóstico de PC, assistidas na Associação dos Deficientes Físicos de Poços de Caldas (ADEFIP), Minas Gerais. MÉTODO: O estudo teve como base a abordagem qualitativa. Foram aplicadas entrevistas semiestruturadas com mães, profissionais da Educação e da Saúde que atendem cinco crianças com PC. ANÁLISE DOS DADOS: Os dados coletados foram tratados por meio da Análise de Conteúdo, com foco nos aspectos relacionados à inclusão escolar. RESULTADOS: No que se refere a ações e resultados quanto ao trabalho em rede, as mães e os professores do Atendimento Educacional Especializado consideraram que o relacionamento entre a escola e a Instituição e as orientações dadas pelos profissionais de Saúde facilitaram o processo de inclusão escolar e social de seus filhos. Os profissionais da Saúde descreveram que as relações entre a saúde, educação e família precisam ser mantidas para que o trabalho em rede se fortaleça. Quanto às dificuldades encontradas, as mães citaram o despreparo dos professores, a divisão de papel do cuidador e a falta de mobiliário e transporte. Já os professores enfatizaram a resistência por parte do professor regente em aderir às orientações e as exigências das famílias para com a escola. Os profissionais da Saúde citaram a demora na adequação do mobiliário nas escolas mediante prescrição e a não aderência ao uso de ferramentas que possibilitem a interação da criança com o meio. As mães sugeriram adaptações arquitetônicas e atitudinais nas escolas e o modelo de trabalho para outras instituições, os professores recomendaram reuniões simultâneas entre a rede, e os profissionais da Saúde indicaram cursos de formação continuada para profissionais da Educação e áreas afins e participação ativa das famílias nas reuniões com todos os profissionais (Saúde e Educação). CONCLUSÃO: Considera-se que as famílias de crianças com PC e os profissionais da Educação, ao receberem orientações vindas de profissionais da Saúde, conseguem minimizar as dificuldades que ocorrem no processo de inclusão escolar e social, além de conseguirem promover o desenvolvimento funcional dessas crianças ao longo do processo de inclusão. Conclui-se que a articulação entre os três pilares ¿ família, escola e Instituição ¿ traz mudanças em relação às barreiras físicas e atitudinais de modo que se coloque em prática uma escola inclusiva de qualidade

Abstract: INTRODUCTION: Children with a diagnosis of cerebral palsy (CP) should start treatment in the first years of life, focusing on their rehabilitation, since appropriate interventions directed at them may interfere and modify their own structural organization and functioning, through their inter-relationship with the environment. The school inclusion of these children implies changes and adaptations in the school environment, which can be achieved through the articulation of an interdisciplinary work between Education and Health professionals, with the support of families. The implementation of inclusive education suggests the articulation of the formation of a network, causing each professional to play its role in the school inclusion of these children. Public policies are still fragile, requiring the different professionals to work intensively and in the long term, ensuring the right to education from an inclusive perspective. OBJECTIVE: The present study aimed to characterize aspects of a networked work experience (family, school, Institution) through the process of social and school inclusion of children diagnosed with CP, assisted by the Associação dos Deficientes Físicos de Poços de Caldas (ADEFIP), Minas Gerais. METHOD: The study was based on the qualitative methodology. Semi-structured interviews were applied with mothers, education and health professionals attending five children with CP. DATA ANALYSIS: The data collected were treated through Content Analysis, focusing on aspects related to school inclusion. RESULTS: With regard to networking, the mothers and teachers of the Specialized Educational Service considered that the relationship between the school and the Institution and the guidelines given by health professionals facilitated the process of school and social inclusion of their children. Health professionals have described that the relationship among health, education and family need to be maintained for networking to be strengthened. As for the difficulties encountered, the mothers cited the teacher¿s lack of preparation, the caregiver¿s tasks and the lack of furniture and transportation. Teachers, however, emphasized the reluctance of the regent teacher to observe to the guidelines and demands of the families concerning the school. Health professionals cited the postponement in the adequacy of furniture in schools through prescription and non-adherence to the use of outfits that permits the child to interact with the environment. Mothers suggested architectural and altitudinal adaptations in schools and work model for other institutions, teachers recommended simultaneous meetings between the network, and Health professionals indicated continuing education courses for Education professionals and related areas and active participation of families in the meeting with all professionals (Health and Education). CONCLUSION: The families of children with CP and Education professionals, when receiving guidelines from Health professionals, are able to minimize the difficulties that occur in the process of social and school inclusion, besides being able to promote the functional development of these children throughout the inclusion process. It is concluded that the articulation among the three pillars ¿ family, school and Institution ¿ brings about changes in relation to physical and attitudinal barriers so that an inclusive school of quality is put into practice
Subject: Paralisia cerebral
Redes sociais
Educação inclusiva
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2017
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Carvalho_LarisseJunqueiraMendesde_M.pdf2.94 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.