Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/322129
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Árbitros : vilões e/ou mediadores do espetáculo?
Title Alternative: Referee : villains and/ or mediators of the spectacle?
Author: Righeto, Carla, 1967-
Advisor: Reis, Heloisa Helena Baldy dos, 1965-
Abstract: Resumo: O presente trabalho teve por objetivo estudar a violência contra os árbitros de futebol no Brasil. Conhecido na sociedade brasileira como "juiz", é o responsável por fazer com que as regras do jogo sejam cumpridas e respeitadas por todos os participantes do jogo. Personagem polêmico, criticado e questionado por dirigentes, comissão técnica, atletas, mídia, torcedores e espectadores, os árbitros são hostilizados antes mesmo de entrarem em campo, as suas interpretações e decisões são, quando no exercício da função de árbitro, na maior parte das vezes, compreendidas como má-fé se contrariam a percepção do observador sobre a cena do jogo. A teoria do processo civilizatório de Norbert Elias é o nosso referencial teórico. Entrevistamos os três árbitros FIFA da Federação Paulista de Futebol. As entrevistas foram realizadas de forma semiestruturada e com análise qualitativa as quais visaram compreender a violência contra os árbitros e como eles sentem e interpretam esta violência. A violência contra as mulheres árbitras de futebol que adentram um espaço construído culturalmente para os homens e onde se busca a validação da masculinidade também se apresenta na nossa análise. Concluímos que a violência dirigida aos árbitros de futebol está relacionada à violência presente na sociedade brasileira. Embora os árbitros compreendam o futebol como uma atividade mimética, eles repudiam a violência gerada pela falta de controle dos impulsos e das emoções. A mídia também é responsável pela violência contra os árbitros de futebol no Brasil. As mulheres árbitras somente terão conquistado o respeito na arbitragem brasileira quando simultaneamente os árbitros ocuparem cargos de gestão no futebol brasileiro, conseguindo assim equilíbrio nas relações de poder

Abstract: The present work aimed to study the violence against soccer referees in Brazil. Known in Brazilian society as "judge", he is responsible for making the games rules are complied with and respected by all participants. Controversial character criticized and questioned by officers, technical committee, athletes, media, fans and spectators, the referees are harassed even before they enter the field. Their interpretations and decisions are, when in the exercise of the referee function, for the most part, understood as bad faith contrary to the perception of the observer on the game scene. The theory of the civilizing process of Norbert Elias is our theoretical framework. We interviewed three FIFA referees from São Paulo Football Federation. The researches were conducted in a semi-structured form and with qualitative analysis which aimed at understanding the violence against referees and how they feel and interpret this violence. The violence against women soccer referees who enter a space built culturally for men and where the search for masculinity validation is also shown in our analysis. We concluded that the violence directed at soccer referees is related to the same violence in Brazilian society. Although the referees understand soccer as a mimetic activity, they repudiate the violence generated by the lack of impulse and emotion control. The media is also responsible for violence against soccer referees in Brazil. Women referees will only have earned the respect in Brazilian arbitration when simultaneously the referees occupy management positions in Brazilian soccer thereby achieving balance in power relations
Subject: Árbitros de futebol
Árbitros de Futebol - Violência
Futebol
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FEF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Righeto_Carla_M.pdf2.75 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.