Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321879
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Dor e fadiga em mulheres com e sem disfunção temporomandibular
Title Alternative: Pain and fatigue in women with and without temporomandibular dysfunction
Author: Jordão Júnior, Wanderley, 1963-
Advisor: Bérzin, Fausto, 1940-
Abstract: Resumo: A disfunção Temporomandibular(DTM), segunda condição músculo esquelética mais comum depois da lombalgia crônica, pode levar à incapacidade. Ela inclui vários sinais e sintomas, como dor e fadiga muscular, nas quais podem estar envolvidos processos em nível dos sistemas nervosos periférico e central. No caso da dor, alguns pacientes podem apresentar sensibilização central não restrita à região de inervação trigeminal, reduzida capacidade inibitória endógena somada à facilitação e hiperexcitabilidade generalizada. O conhecimento desses aspectos pode favorecer a pesquisa e o tratamento de pacientes com DTM, sobretudo daqueles casos refratários. O objetivo desse trabalho foi verificar a presença da fadiga periférica (pela eletromiografia de superfície), da fadiga central (por meio da técnica do "Twitch Interpolation"), da sensibilização central e periférica, além de deficiências no sistema de modulação de dor (mediante a algometria) em um grupo de mulheres portadoras de disfunção temporomandibular (DTM) comparando-as com o grupo controle. Para tanto, foram selecionadas 32 voluntárias, 13 portadoras sintomáticas de DTM muscular (grupo DTM) e 19 assintomáticas (grupo controle), com idade de 26,88 ± 4,64 anos. Na algometria, para se determinar o limiar de dor à pressão (LDP), foram avaliados os músculos esternocleidomastoideo esquerdo, trapézio direito, tibial anterior direito e região hipotenar esquerda. Durante a obtenção da força de mordida máxima (FMM), a voluntária registrou em um dolorímetro com botão rotativo a intensidade de dor (Escala numérica de dor - END) que porventura sentisse. Em uma outra sessão foram realizadas aplicações de intensidades crescentes de estímulos elétricos no corpo do masseter direito para se obter o Estímulo Elétrico Individualizado (EEI). O próximo passo foi a avaliação eletromiográfica bilateral do músculo masseter e região anterior do músculo temporal simultânea à aplicação do estímulo elétrico durante o repouso e durante a FMM. Mulheres com DTM apresentaram maior END e menor FMM. Esta menor força de mordida máxima em pacientes com DTM é reflexo de um mecanismo inibitório de controle dos motoneurônios, frente à maior intensidade de dor (END) explicada pela sensibilização de nociceptores periféricos nos músculos responsáveis por aquela atividade. Como o estímulo elétrico foi relatado como desagradável e eventualmente doloroso fica evidente que as voluntárias com DTM evitariam qualquer fator adicional de provocação de dor, implicando em menor EEI. O menor LDP registrado no grupo DTM, inclusive em regiões fora da orofacial, pode ser resultado dos processos de sensibilização periférica e central, somada a deficiências do sistema de inibição de dor. Para as inclinações das frequências medianas os dados foram significativos para diferenciar os grupos, com e sem DTM, sendo que o primeiro apresentou uma média de inclinação(slope) maior, demostrando que, embora ambos os grupos apresentassem sinais mioelétricos de fadiga, o grupo DTM fatigou mais rápido durante a FMM. Por fim, não foi possível diferenciar os grupos após a aplicação do estímulo elétrico, ou seja, não pode se comprovar a presença da fadiga central pela técnica do "Twitch Interpolation". Conclui-se que a DTM, sobretudo em relação à dor e à fadiga muscular, é uma patologia complexa e seu amplo entendimento é fundamental para um adequado tratamento

Abstract: Temporomandibular disorders (TMD), second most common musculoskeletal condition after chronic low back pain, can lead to disability. It includes various signs and symptoms, such as pain and muscle fatigue, which may be involved in the processes at the level of the peripheral and central nervous systems. In the case of pain, some patients may have central sensitization not restricted to the innervation trigeminal region, reduced endogenous inhibitory capacity coupled with facilitation and widespread hyperexcitability. Knowledge of these aspects can promote the research and treatment of TMD patients, especially those refractory cases. The aim of this study was to verify the presence of peripheral fatigue (by surface electromyography), central fatigue (through the technique "Twitch Interpolation"), the central and peripheral sensitization, as well as deficiencies in pain modulation system (through the algometry) in a group of women with temporomandibular disorders (TMD) compared with the control group. Therefore, we selected 32 volunteers, 13 symptomatic carriers of muscular TMD (TMD group) and 19 asymptomatic (control group), aged 26.88 ± 4.64 years. In algometry, to determine the pressure pain threshold (PPT) evaluated the left sternocleidomastoid, right trapezius, tibialis anterior right and left hypothenar region. Then, while getting the maximum bite force (MBF), voluntary registered in a dolorimeter with spinner pain intensity (numerical rating scale - NRS) that may feel. In another session were held increasing intensities of applications of electrical stimulation in masseter body right to get the Electric Stimulation Individualized (ESI). The next step was the bilateral electromyographic evaluation of the masseter and anterior temporal muscle simultaneous application of electrical stimulation during rest and during MBF. Women with TMD had higher NRS and lower MBF. This smaller force of maximum bite in patients with TMD is a reflection of an inhibitory mechanism of control of motor neurons, compared to more intense pain (NRS) explained by sensitization of peripheral nociceptors in muscles responsible for that activity. Since the electrical stimulus was reported as unpleasant and possibly painful it is evident that the volunteers with TMD would avoid any additional factor provoking pain, resulting in lower ESI. The smallest PPT registered in the TMD group, including regions outside the orofacial, may be the result of peripheral and central sensitization processes, coupled with the pain inhibition system deficiencies. For the slopes of frequencies median data were significant to differentiate the groups with and without TMD, the first of which had an average gradient (slope) higher, showing that, although both groups presented myoelectric signs of fatigue, the TMD group wearied faster during the MBF. Finally, it was not possible to differentiate the groups after the application of electrical stimulation, or cannot prove the presence of central fatigue by the technique of "Twitch Interpolation". We conclude that the TMD, especially in relation to pain and muscle fatigue, is a complex disease and its broad understanding is critical for proper treatment
Subject: Músculos mastigatórios
Dor crônica
Mialgia
Eletromiografia
Editor: [s.n.]
Citation: JORDÃO JÚNIOR, Wanderley. Dor e fadiga em mulheres com e sem disfunção temporomandibular. 2016. 1 recurso online ( 82 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/321879>. Acesso em: 30 ago. 2018.
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
JordaoJunior_Wanderley_D.pdf35.05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.