Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321593
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Suscetibilidade de duas populações de Biomphalaria tenagophila guaibensis Paraense, 1984 do estado do Rio Grande do Sul (RS, Brasil) à infecção por diferentes linhagens de Schistosoma mansoni Sambon, 1907
Title Alternative: Susceptibility of two populations of Biomphalaria tenagophila guaibensis Paraense, 1984 from Rio Grande do Sul state (RS, Brazil) to infection by different Schistosoma mansoni Sambon, 1907 strains
Author: Perdigão, Vanessa Caixeta, 1987-
Advisor: Zanotti-Magalhães, Eliana Maria, 1953-
Abstract: Resumo: Desde a descrição da subespécie Biomphalaria tenagophila guaibensis Paraense, 1984, poucos estudos foram realizados em relação à sua suscetibilidade ao S. mansoni. Resultados preliminares mostraram que esta subespécie não foi suscetível à infecção quando exposta à 5 miracídios da linhagem SJ. Posteriormente, estudos mostraram que esta subespécie também não foi suscetível quando exposta à 50 e a 100 miracídios de cada uma das linhagens SJ, Al (Alagoas) e LE (Belo Horizonte). Desde o alerta da possibilidade de expansão da esquistossomose em direção ao Sul do Brasil, casos autóctones de esquistossomose no estado do Rio Grande do Sul têm sido notificados. Os extensos campos alagadiços neste estado favorecem o estabelecimento e reprodução dos moluscos do gênero Biomphalaria, contribuindo desse modo, para um aumento da população de moluscos suscetíveis ao S. mansoni. Todos estes fatores, relacionados às condições de saneamento inadequado, contribuem para a transmissão e expansão da doença. Sabendo que há relatos da enfermidade no estado do Rio Grande do Sul, e que, além das espécies de moluscos hospedeiros naturais, a subespécie B. t. guaibensis está presente neste estado e inclusive em municípios onde houveram relatos da doença, tornou-se relevante um estudo mais abrangente sobre a suscetibilidade desta subespécie a diferentes linhagens do S. mansoni. O objetivo deste trabalho foi estudar a suscetibilidade de populações de B. t. guaibensis provenientes do município de Capão do Leão e da Reserva Ecológica do Taim, ambos situados no Rio Grande do Sul, frente às linhagens Bahia, Sergipe, BH, SJ e SJS do S. mansoni. No estudo de atração miraxonal, B. t. guaibensis das duas localidades atraiu miracídios de forma semelhante à atração exercida pelos grupos controles, constituídos por moluscos hospedeiros naturais das linhagens de S. mansoni testadas. No estudo da suscetibilidade, após a exposição a 10 miracídios de cada uma das linhagens do trematódeo, não foi registrada eliminação de cercárias após 12 semanas de observação. No estudo histopatológico realizado após a exposição dos moluscos a 100 miracídios, em B. t. guaibensis do Capão do Leão, a maioria dos esporocistos viáveis encontrados nos moluscos estavam sem reação amebocitária, enquanto a maioria dos esporocistos inviáveis estavam envoltos por reação amebocitária. Esses moluscos apresentaram esporocistos das linhagens SJ e SJS viáveis e sem reação amebocitária 72 horas após a infecção. Às 96 horas, somente esporocistos da linhagem SJ foram encontrados viáveis e sem reação amebocitária. O estudo histopatológico de B. t. guaibensis da Reserva Ecológica do Taim, revelou uma predominância de esporocistos inviáveis envoltos por reação amebocitária intensa, e às 96 horas da infecção, todos os esporocistos das linhagens Sergipe, BH, SJ e SJS visualizados estavam inviáveis e apresentavam reação amebocitária. Estes dados apresentam uma importância epidemiológica, visto que, apesar de não ter liberado cercárias, B. t. guaibensis demonstrou alta capacidade de atração dos miracídios e a presença de esporocistos viáveis em moluscos do Capão do Leão, indicam o provável início de uma adaptação entre B. t. guaibensis e o S. mansoni, conferindo a esta subespécie a possibilidade de tornar-se hospedeira natural do trematódeo futuramente

Abstract: Since the description of the subspecies Biomphalaria tenagophila guaibensis Paraense 1984, few studies have been conducted with regard to their susceptibility to S. mansoni. Preliminary results showed that this subspecies was not susceptible to infection when exposed to five miracidia SJ strain. Subsequently, studies have shown that this subspecies was also not susceptible when exposed to fifty and a hundred miracidia of SJ, Al (Alagoas) and LE (Belo Horizonte) strains. Since the warning of the possibility of expansion of schistosomiasis into the south of Brazil, autochthonous cases of schistosomiasis in Rio Grande do Sul state have been notified. The extensive wetlands fields in this state favors the establishment and reproduction of Biomphalaria, thereby contributing to an increase in population of susceptible mollusks to S. mansoni. All of these factors related to inadequate sanitation conditions contributes to the transmission and spread of the disease. Considering the reports of schistosomiasis in the state of Rio Grande do Sul, and the fact that not only the natural host mollusk species but also the subspecies B. t. guaibensis are present in this state, notably in municipalities where there were confirmed reports of the disease, a more comprehensive study became relevant on the susceptibility of this subspecies to different strains of S. mansoni. The aim of this research was to study the susceptibility of populations of B. t. guaibensis from the municipality of Capão do Leão and Reserva Ecológica do Taim, both located in Rio Grande do Sul, to Bahia, Sergipe, BH, SJ and SJS S. mansoni strains. In the study of miraxonal attraction, B. t. guaibensis of two locations attracted miracidia similarly to the attraction of the control groups consisting of mollusks natural hosts of S. mansoni strains. In the susceptibility study, after exposure to 10 miracidia of each trematode strains, there was no elimination of cercariae after 12 weeks of observation. After exposure the mollusks to 100 miracidia, the histopathological study in B. t. guaibensis from Capão do Leão, showed that, most viable sporocysts found in mollusks were not surrounded by an amebocyte reaction, while most unviable sporocysts were enveloped by amebocyte reaction. These mollusks presented sporocysts of SJ and SJS strains without amebocyte reaction 72 hours after infection. Nine six hours post infection, only sporocysts of the SJ strain were found viable without amebocyte reaction. Histopathological study of B. t. guaibensis of the Estação Ecológica do Taim revealed a predominance of unviable sporocysts surrounded by intense amebocyte reaction, and 96 hours post infection all sporocysts of the Sergipe, BH, SJ e SJS strains were unviable and presented amebocyte reactions. These data show an epidemiological importance, whereas, despite not having released cercariae, B. t. guaibensis demonstrated high capacity attraction of miracidia and the presence of viable sporocysts in Capão do Leão mollusks, indicates the likely start of an adaptation between B. t. guiabensis and the S. mansoni, giving this subspecies the possibility of becoming a natural host of the trematode in the future
Subject: Esquistossomose - Rio Grande do Sul
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Perdigao_VanessaCaixeta_M.pdf1.48 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.