Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321443
Type: TESE DIGITAL
Title: A discrepância entre os índices sobre a Região Metropolitana de Campinas e a realidade habitacional de Campinas
Title Alternative: The discrepancy between the indexes of the Metropolitan Region of Campinas and the housing reality of Campinas
Author: Delcol, Rafaela Fabiana Ribeiro, 1984-
Advisor: Rodrigues, Arlete Moysés, 1943-
Abstract: Resumo: Desde o final do século XX o processo de metropolização tem se acelerado. Concomitan- temente, mas não interligado, há no Brasil uma intensificação da institucionalização de regiões metropolitanas, com o objetivo de realizar funções públicas de interesse comum aos municípios integrantes das regiões metropolitanas. Em 1973/74 foram instituídas nove regiões metropolitanas. Após 1988, quando a atribuição de criar regiões metropolitanas passa para os estados, são instituídas mais sessenta e duas regiões, totalizando setenta e uma regiões metropolitanas em 2015. A criação de regiões metropolitanas parece criar um status para a metrópole, sede da região, e para a própria região. Ao mesmo tempo, órgãos públicos e institutos de pesquisas, têm elaborado documentos, relatórios e índices que englobam uma diversidade de temas e assuntos sobre a dinâmica desses espaços, buscando um maior entendimento da complexidade urbana que os permeia, uma vez que é nesses espaços metropolitanos onde se explicita mais claramente o aprofundamento das diversas problemáticas socioespaciais. Analisamos os parâmetros de alguns desses estudos, em especial o Índice de Bem-Estar Urbano - IBEU e Região de Influência de Cidades - REGIC. O IBEU tem por objetivo avaliar a dimensão urbana do bem-estar usufruído pelos cidadãos brasileiros, promovido pelo mercado e pelos serviços sociais prestados pelo Estado. Para esse fim, o IBEU foi elaborado de duas formas: o IBEU Global, para o conjunto das regiões metropolitanas e o IBEU Local, calculado para cada metrópole. Foi estruturado em cinco dimensões: mobilidade; condições ambientais; condições ha- bitacionais; condições de serviços coletivos; e infraestrutura urbana, utilizando para as classificações dados secundários. O REGIC tem por objetivo atualizar o quadro de referência da rede urbana brasileira. Para alcançar essa hierarquização, foram utilizados diversos dados, tais como: ligações áreas, áreas de cobertura das emissoras de televisão, oferta de Ensino Superior, diversidade de atividades comerciais e de serviços, oferta de serviços bancários, e da presença de domínios de Internet. O IBEU apresenta uma classificação onde a Região Metropolitana de Campinas-SP se destaca por apresentar o melhor Índice de bem-estar urbano do país, favorecendo o que tem sido evidenciado ao longo de sua história sobre suas características locacionais, econômicas e logísticas, possibilitando um discurso que ressalta a riqueza da região. Porém, quando se compara a classificação do IBEU com dados específicos, notadamente em relação à habitação precária, averigua-se que o IBEU não tem rebatimento na realidade concreta, em especial na sede da região metropolitana de Campinas. Comparando os dados constantes no IBEU sobre a precariedade habitacional em Campinas, com pesquisas de campo e da Prefeitura Municipal de Campinas, observa-se que, em 2000, cerca de 160 mil pessoas moravam em 234 núcleos precários, correspondendo a 13,38% do total de habitações do município. Demonstra-se que as classificações não permitem conhecer a realidade concreta, porém, têm sido utilizadas para divulgar a riqueza, como forma de demonstrar a sua potencialidade para atrair investimentos de capital

Abstract: Since the end of XX century the metropolises process has accelerated.Concomitantly, but not interconnected, there is in Brazil an intensification of the institutionalization of metropolitan regions, with the objective to carry out public functions of common interest to the integrant cities of the metropolitan regions. In 1973/74 nine metropolitan regions were established. After 1988, when the attribution of creating metropolitan areas goes to the states, more sixty-two regions are established, totalizing seventy-one metropolitan regions in 2015. The creation of metropolitan regions seems to create a status for the metropolis, headquarters of the region, and for the region itself. At the same time, government agencies, research institutes, have been prepared documents, reports and rates that include a diversity of themes and subjects on the dynamics of these spaces, looking for a bigger understanding of urban complexity that permeates them, since it is in these metropolitan areas where it explains more clearly the deepening of the various socio- spatial problems. We have analyzed the parameters of some of these studies, in special the Welfare Urban Index - IBEU and Region Influence of Cities - REGIC. The IBEU aims to assess the urban dimension of the welfare enjoyed by the Brazilian citizens, promoted by the market, via mercantile consumption, and social services provided by the State. For this aim, the IBEU was prepared in two forms: the Global IBEU, for all the metropolitan regions and the Local IBEU, calculated for each metropolis. It was structured in five dimensions: mobility; environmental conditions; housing conditions; collective working conditions; and urban infrastructure, using for the classifications secondary data. The REGIC has since objective updates the reference framework of the Brazilian urban network. To achieve this ranking, various data have been used, such as: air connections, coverage areas of television stations, provision of Higher Education, diversity of business activities and services, provision of banking services, and the presence of Internet domains. The IBEU presents a classification where the Metropolitan Region of Campinas-SP stands out for having the best urban welfare rate in the country, favoring what has been evidenced throughout its history on their location, economical and logistical characteristics, enabling speech that emphasizes the wealth of the region. However, when the classification of the IBEU is compared with specific data, especially with respect to precarious housing, it is checked that the IBEU rate do not has repercussion on the concrete reality, especially at the headquarters of the Metropolitan Region of Campinas. Comparing the constant data in IBEU about the housing precariousness in Campinas, with field research and the Municipality of Campinas, it is observed that, in 2000, about 160 thousand persons lived in 234 precarious nucleuses, corresponding to 13 38% of the total of municipal dwellings. It is demonstrated that the classifications do not allow to know the concrete reality, however, they have been used to spread the wealth, in order to demonstrate their potentiality to attract capital investments. Keywords: Wellness Urban Index (IBEU); Metropolitan Regions; Metropolitan Region of Campinas; Campinas and Precarious Settlements
Subject: Índice de Bem-Estar Urbano
Regiões metropolitanas
Habitação popular
Campinas, Região Metropolitana de (SP)
Campinas (SP) - Urbanização
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IG - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Delcol_RafaelaFabianaRibeiro_D.pdf20.22 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.