Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321375
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: The fading light of contingency = on tense, modals, and assessment-sensitivity = A luz evanescente da contingência: operadores temporais, modalidades, e sensibilidade a contextos de avaliação
Title Alternative: A luz evanescente da contingência : operadores temporais, modalidades, e sensibilidade a contextos de avaliação
Author: Lemos, Pedro Mendes Ferreira, 1952-
Advisor: Carnielli, Walter Alexandre, 1952-
Abstract: Resumo: O que queremos dizer quando falamos que algo vai acontecer amanhã, ou quando falamos que algo pode acontecer amanhã? Quais são as condições que precisam ser cumpridas para avaliarmos certas predições sobre nosso futuro, como dizendo (ou tendo dito) algo verdadeiro ou falso? Ou ainda, o que consideramos ter sido expressado por falantes, quando estes fazem afirmações sobre como o futuro irá se desdobrar, ou poderá se desdobrar? São a estas questões que esta tese se dedica. Em seu objetivo mais geral, pretendemos familiarizar o leitor com as ferramentas necessárias para se avaliar as diversas teorias envolvendo semânticas para uma linguagem temporal-modal, e como elas se saem com respeito ao problema dos futuros contingentes. Assim sendo, o Capítulo 1 inicia a tese apresentando o problema dos futuros contingentes, sendo então seguido por um levantamento das principais teorias semânticas para uma linguagem temporal-modal. No Capítulo 2, fornecemos as definições de teorias T×W, e preparamos o terreno para uma discussão aprofundada (a ser exposta no Capítulo 3) sobre a abordagem de MacFarlane a respeito do problema (2003, 2008, 2014), que toma 'futuros contingentes' como expressões cujo estatuto-de-verdade (se são verdadeiras, falsas, ou nem verdadeiras, nem falsas) é determinado não apenas pelo contexto de uso da sentença, mas também pelo contexto de avaliação de onde se avalia este uso. No capítulo final (4), apresentamos finalmente nossa meta particular: o objetivo desta seção é o de investigar o que seria necessário para um modal (de possibilidade) se comportar como sendo sensível a contextos de avaliação. Sugerimos que um modal com este comportamento torna-se saliente no discurso ordinário, especialmente quando ele se encontra em modo indicativo: opondo-se assim usos contendo "pode", de locuções semelhantes utilizando "poderia", quando o modal se encontra em modo subjuntivo. Nós acreditamos que esta sugestão se torna sensivelmente persuasiva através de impasses envolvendo asserções contendo o primeiro modal, porém inexistentes com afirmações semelhantes envolvendo o modal em modo subjuntivo. Essencialmente, argumentamos que ao se tomar a abordagem de MacFarlane sobre asserções - entendendo que quando alguém assere um conteúdo p, ele implica se comprometer em defender sua afirmação de qualquer contexto de avaliação (caso seja contestado) -, e se igualmente supomos que um falante assere um conteúdo cuja forma lógica é '????', se segue então que este falante acaba se representando como comprometido em defender uma alegação que não pode em princípio ser avaliada como verdadeira. Por outro lado, como se mostra, o mesmo não ocorre com afirmações envolvendo o modal subjuntivo (poderia ser,), já que ele não é sensível a contextos de avaliação, e portanto a conjunção pode em princípio ser avaliada como verdadeira

Abstract: What do we mean when we say that something will happen tomorrow, or when we say that something can happen tomorrow? What are the conditions that need to be fulfilled in order to make us evaluate a prediction about our future as saying (or having said) something true or false? Or else, what do we take speakers to have imparted when they make claims involving how the future will unfold, or how the future may unfold? It is to these questions that this dissertation is devoted. Within its most general goal, it intends to acquaint the reader with the tools required to assess the many distinct theories involving the semantics of temporal-modal languages, and how they square with the problem of future contingents. Thus accordingly, Chapter 1 sets out by framing the problem of future contingents, which is then followed by a detailed survey of distinct theories regarding the semantics of a temporal-modal language: we provide the relevant definitions, and assess their merits and downfalls. In Chapter 2, we provide the definitions of T×W theories of time, and set the stage for a thorough discussion (to be carried out in Chapter 3 ) about John MacFarlane's distinctive take on the problem (2003, 2008, 2014), which views 'future contingents' as expressions whose truth-status (whether they are true, false, or neither) depends not only on a context of use of the sentence, but also on a context of assessment from which one evaluates this use. The final chapter (4) will then embody our particular goal: the gist of this section is to investigate what it would take for a possibility-like modal to be sensitive to contexts of assessment. We suggest that a modal behaving as such becomes more salient in ordinary discourse when the modal is phrased in the indicative mood: thus opposing uses of 'can' from similar locutions using 'could', with the modal phrased in the subjunctive mood. The suggestion, we believe, becomes sensibly compelling in light of a puzzle involving defectiveness of assertions embedding such modals, as opposed to non-defectiveness of similar assertions involving 'could'. Essentially, it is argued that if we take MacFarlane's view of assertions - by understanding that whenever one flat out asserts a content p, one imparts being committed in defending his claim from any context of assessment (if challenged) -, and further suppose that a speaker asserts a content taking the logical form of '???? ' - where '?' is a future contingent and '?' is the assessment-sensitive modal -, then the defectiveness springs from the fact that the speaker is representing himself as committed in defending a claim that cannot be expected to ever have grounds to be assessed as true. On the other hand, as we show, the same does not occur with similar assertions involving 'could', since the modal is not assessment-sensitive, and thus the whole conjunction can be expected to be assessed as true
Subject: Filosofia
Lógica
Modalidade (Lógica)
Tempo
Contexto (Linguística)
Language: Inglês
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Lemos_PedroMendesFerreira_D.pdf2.68 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.