Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321160
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Aspectos genéticos do glaucoma primário de ângulo aberto na população brasileira = Genetic aspects of primary open angle glaucoma in Brazilian population
Title Alternative: Genetic aspects of primary open angle glaucoma in Brazilian population
Author: Nunes, Hugo Freire, 1985-
Advisor: Melo, Mônica Barbosa de, 1968-
Abstract: Resumo: O glaucoma é uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo, sendo o Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (GPAA) a forma mais comum da doença. Esta afecção, dificilmente, é detectada precocemente por ser assintomática em sua fase inicial, durante a qual o tratamento previne perdas definitivas da função visual. Desta forma, a identificação de grupos de risco baseada em aspectos genéticos é importante para auxiliar no diagnóstico precoce e estabelecer um seguimento clínico mais adequado para os pacientes. Dentre os genes identificados relacionados ao GPAA, merecem destaque os genes MYOC, OPTN e WDR36, sendo que alterações no gene MYOC são consideradas a maior causa de cegueira com base molecular estabelecida. Mais recentemente, o gene NTF4 (GLC1O) foi identificado a partir de estudo de ligação em famílias alemãs com GPAA e os genes CAV1 e CDKN2B foram associados ao GPAA por meio de estudos de associação de amplitude genômica ou Genome Wide Association Studies (GWAS) e replicados em outras populações. O possível papel de alguns destes genes na fisiopatologia do glaucoma ainda é pouco conhecido, não havendo dados sobre os mesmos na população brasileira. Além disso, são poucos os genes que têm papel estabelecido na fisiopatologia do GPAA, estimulando a busca por novos genes. Desta maneira, inicialmente, este estudo buscou, a partir da investigação da região codificadora do gene NTF4, a associação deste gene com o GPAA em um estudo caso/controle que compreendeu tanto uma amostra da população de pacientes não relacionados portadores de GPAA (n =169) como uma população sem a doença (n =140). Além deste gene, foi investigada a contribuição dos alelos de risco previamente associados ao GPAA na região dos genes CAV1 (rs4236601) e CDKN2B (rs4977756, rs2157719). Concomitantemente, treze famílias foram avaliadas a partir da investigação das regiões codificadoras dos genes MYOC e CYP1B1. Dentre as famílias, duas foram selecionadas para a busca de variantes causais para o GPAA por meio de sequenciamento completo de exomas. Alterações no gene NTF4 são muito raras e na amostra da população brasileira estudada também não foram observadas variações neste gene que resultem em associação com a doença. No entanto, para a confirmação de tais resultados é importante que as regiões regulatórias também sejam avaliadas. Nossos resultados apontam para a associação de marcadores genéticos com o GPAA na região dos genes CAV1/2 (rs4236601, p=0,04) e CDKN2B (rs2157719, p=0.0005) na amostra estudada, nunca antes descrita na população brasileira. Estudos em famílias descreveram até o momento poucos genes causais para as formas mendelianas do GPAA. Neste estudo não foram encontradas alterações no gene MYOC em treze famílias estudadas. Alterações no gene MYOC são mais relevantes em casos de GPAA-J e não foram encontradas nas famílias com GPAA na forma adulta. Nas mesmas famílias foram descritas sete diferentes mutações no gene CYP1B1; no entanto apenas uma pode ser considerada relacionada ao fenótipo nas formas primárias de glaucoma. Mais estudos e o acompanhamento adequado dos indivíduos portadores poderá elucidar a relação da variante rara P400S com o GPAA. Em duas famílias um estudo de sequenciamento de exomas foi realizado, contudo as análises não apontaram até o momento as causas genéticas do GPAA nestas famílias. Alterações que segreguem com o fenótipo da doença ainda não foram descritas nos dez indivíduos estudados

Abstract: Glaucoma is one the leading causes of irreversible blindness worldwide and primary open angle glaucoma (POAG) is the most common form of the disease. This affection is difficult to be detected once it is asymptomatic at early stages, when treatment could prevent definitive vision loss. Hence, the identification of risk groups based on genetic aspects is important to help in early diagnosis and to provide a clinical segment more adequate to the patients. Genes related to POAG have been identified, including MYOC, OPTN and WDR36. Mutations in the MYOC gene are considered one of the few causes of blindness with established molecular basis. More recently, the NTF4 gene has been identified through linkage studies in the German population; CAV1 and CDKN2B have been associated to POAG by means of Genome Wide Association Studies (GWAS) and replicated in other populations. The possible implications of some of these genes in the physiopathology of POAG remains unrecognized and there is no data about their participation in the Brazilian population. Besides that only few genes have known influence in POAG physiopathology, stimulating the search for new genes. This study proposed, initially, to investigate the association of the NTF4 gene with glaucoma by means of the analysis of its coding region in a case-control study in a cohort comprised by affected versus unaffected unrelated individuals. Additionally, the contribution of risk alleles previously associated with POAG in the regions of CAV1 (rs4236601) and CDKN2B (rs4977756 and rs2157719) genes was investigated. Concomitantly, thirteen families were analyzed by means of the investigation of the coding region of MYOC and CYP1B1 genes. In two families without mutations in the MYOC gene, exome sequencing was performed aiming to discover new causal variants to POAG. Mutations in the NTF4 gene are not common and in our analysis no mutation was found in this gene that could be related to the disease in this Brazilian sample. However, in order to confirm these results, regulatory regions of the gene have to be evaluated. Our results showed that recently described genetic markers next to CAV1/2 (rs4236601, p=0,04) and CDKN2B (rs2157719 p=0.0005) were associated with POAG in the studied sample, results that are being described for the first time in Brazil. Family studies describe few genes that cause the mendelian forms of POAG. Our study hasn¿t found mutations in the MYOC gene in thirteen adult onset POAG families, which was expected once mutations in this gene are more common in the juvenile form of the disease. Seven mutations in the CYP1B1 gene were described in the same families, however only one mutation, P400S, may be related with glaucoma. In order to elucidate the relation of this variant with POAG the follow-up of carrier individuals is required. We performed exome sequencing in two families with POAG but yet no mutations have been found that segregate with the disease in ten individuals evaluated
Subject: Glaucoma primário de ângulo aberto
Polimorfismo (Genética)
Mutação
Sequenciamento completo de exoma
Sequenciamento de DNA
Language: Inglês
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Nunes_HugoFreire_D.pdf3.15 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.