Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321150
Type: TESE DIGITAL
Title: Abguar Bastos e terra de Icamiaba, romance da Amazônia : uma educação para a brasilidade
Title Alternative: Abguar Bastos and land of Icamiaba, Amazon romance : a education to brazilianness
Author: Sousa, Odenildo Queiroz de, 1966-
Advisor: Goto, Roberto Akira, 1954-
Abstract: Resumo: Esta pesquisa de tese, "Abguar Bastos e Terra de Icamiaba, Romance da Amazônia: uma Educação para a Brasilidade", tem como objetivo geral verificar a realização do tema da educação nesta obra literária, considerando a ideologia da brasilidade, defendida pelo citado autor, como a expressão da estética modernista para a Amazônia. Fez-se a análise do didatismo do manifesto À Geração que surge (1923) e do Manifesto aos Intelectuais Paraenses (1927), o Manifesto Flaminaçu, ambos de autoria desse escritor de Belém do Pará, e o estudo da aplicação do último no citado romance e também como se realiza a educação, sobretudo informal, com destaque para ação do herói Bepe. A obra analisada foi escrita com o objetivo de ser o modelo de romance modernista para a Amazônia. Os fundamentos teóricos foram textos de pesquisadores da relação educação e literatura, como Gonçalves Filho (2002) e Lauand (2006), da educação informal, como Gohn (2010), e críticos literários que citam o autor estudado, como Teles (2002), Bosi (1993), Candido (2003), Lafetá (1974) e Martins (1996), pesquisadores da cultura e literatura amazônica, como Cavalheiro (1944), Figueiredo (2008), Ildone (1990), Inojosa (1973), e também textos de Bastos, nos quais ele explica e comenta a sua proposta literária para a Amazônia. Os resultados indicam que, sobre o didatismo dos manifestos, o de 1923 conclama os artistas e intelectuais do Norte para a revolução literária modernista na Amazônia, e o manifesto de 1927 aponta para o modo de fazer flaminaçu, destacando o conteúdo cultural amazônico. O romance contém a estética flaminaçu, notadamente quando se detecta a brasilidade na ajustagem dos símbolos amazônicos à realidade local, em que o homem que nela vive não se rende à selvageria e rudeza típicas desse meio. O narrador, um misto de contador de história e poeta, mostra ao leitor as ocorrências flaminaçus por meio da exclusão dos vestígios transoceânicos; das transformações evolutivas do homem e da cultura, mesmo quando o estrangeiro, fonte de contribuição à cultura nacional, dissemina a injustiça; das transformações étnicas, dando ênfase ao caboclo, como o herói Bepe; valoriza o falar regional pelo uso do léxico típico amazônico, combatendo, assim, os termos que não externem os sintomas brasílicos. Bepe é um educando de seminário que encontra no vale do Badajós a ampliação de seus conhecimentos, de modo que a floresta, metaforicamente, assume o papel de educadora e o herói se torna um educador informal, esclarecendo sobre a realidade da vida do caboclo de espoliado e enganado, de forma que a luta entre o grupo do herói e o do Coronel Epifânio passa a ser a metáfora da luta do conhecimento contra a ignorância. Assim, o romance ensina pelos usos, costumes e falares amazônicos, numa desconstrução do estereótipo de inferno verde e do caboclo indolente, por meio de uma educação para a brasilidade, mantendo proeminente sua literariedade, mas que falha ao sobrepor o projeto ideológico, a intenção social, ao projeto estético, de maneira que a ruptura modernista é parcial em relação ao modelo passado, sobretudo, romântico

Abstract: This thesis research, "Abguar Bastos e Terra de Icamiaba, Romance da Amazônia: uma educação para a brasilidade", aims to verify the completion of general education in this literary theme, considering the ideology of brazilianness, defended by author, as the expression of the modernist aesthetic to the Amazon. Was made the analysis of the didacticism of the manifest À Geração que surge (1923) and the Manifesto aos Intelectuais Paraenses (1927), the Manifesto Flaminaçu, both written by this writer of Belém do Pará, and the study of the application of the latest in that novel as well as the education, especially informal, with emphasis on the action hero Bepe. The novel examined was written with the goal of being the modernist novel model to Amazon. The theoretical foundations were texts researchers of relationship education and literature such as Gonçalves Filho (2002) and Lauand (2006), informal education, as Gohn (2010), and literary critics who cite the author studied, as Teles (2002), Bosi (1993), Candido (2003), Lafetá (1974) and Martins (1996), researchers of Amazonian culture and literature, as Cavalheiro (1944), Figueiredo (2008), Ildone (1990) and Inojosa (1973), and also texts from Bastos , in which he explains and comments on its proposal for the Amazon literary. The results indicate that the manifests on the didacticism, the 1923 calls on artists and intellectuals from the North to the modernist literary revolution in the Amazon, and the 1927 manifest points to the way of doing flaminaçu, highlighting the Amazon cultural content. The novel contains the flaminaçu aesthetic, notably when it detects the Brazilian Amazon to symbol setting in the local reality, where the man resides does not surrender to savagery and rudeness are typical of this medium. The Narrator, a mix of storytelling and poet, shows the reader the occurrences flaminaçus by deleting of traces transoceanic; evolutionary transformations of man and culture, even when foreigner, contribution of source to the national culture, spreading injustice; ethnic transformations, giving emphasis to the mixed-race Brazilian, as the hero Bepe; values the talk by using the regional typical Amazonian lexicon, fighting against, so the terms that don't express Brazilian symptoms. Bepe is a seminary student who finds in the Valley of Badajós enlarging their knowledge, so that, metaphorically, the forest takes on the role of the educator and the hero becomes an informal educator, explaining about the reality of life of the mixed-race Brazilian of spoliated and deceived, so that the fight between the hero group and the Colonel Epifânio group becomes the metaphor of struggle of knowledge against ignorance. Thus, the novel teaches by the uses, customs and speak Amazonian, in a deconstruction of the stereotype of green hell and the mixed-race Brazilian indolent, by means of an education to brazilianness, keeping his literariness outstanding, but that failure to superimpose the ideological project, the social intention, aesthetic design intent, to aesthetic design, so that the modernist rupture is partial in relation to the last model, above all, romantic
Subject: Bastos, Abguar, 1902-1995
Educação informal
Brasilidade
Amazônia - Modernismo
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FE - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Sousa_OdenildoQueirozde_D.pdf1.38 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.