Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321089
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Atividade física e marcadores de inflamação em pacientes com esquizofrenia = Physical activity and makers of inflammation in patients with schizophrenia
Title Alternative: Physical activity and makers of inflammation in patients with schizophrenia
Author: Silva, Renato Oliveira e, 1982-
Advisor: Dalgalarrondo, Paulo, 1960-
Abstract: Resumo: Indivíduos com esquizofrenia possuem mais morbidade física e uma menor expectativa de vida em comparação à população geral. A principal causa de mortalidade são as doenças cardiovasculares em decorrência de alguns fatores de risco como: dieta ruim, excesso de peso, síndrome metabólica e sedentarismo. A prática de atividade física influencia na redução dos níveis de marcadores inflamatórios sistêmicos, no entanto, estudos sobre a prática de exercícios nessa população e sua relação com citocinas são escassos. Objetivos: Avaliar a possível associação entre concentrações séricas das duas principais citocinas pró-inflamatórias (IL-6 e TNF-"alfa") e prática de atividade física em indivíduos adultos com diagnóstico de esquizofrenia. Métodos: Estudo transversal realizado com pacientes do Ambulatório de Psicóticos e Egressos do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, durante o período de março de 2014 a junho de 2015. O protocolo envolvia duas etapas: 1ª Etapa: entrevista para aplicação de questionário sociodemográfico, avaliação de sintomas psicopatológicos através da Escala de Avaliação da Síndrome Positiva e Negativa ¿ PANSS, Questionário Internacional de Atividade Física ¿ IPAQ, com estimativa da intensidade da atividade física em equivalentes metabólicos (mets), além de avaliação física antropométrica e bioimpedância. 2ª Etapa: coleta de sangue periférico para análise das adipocinas: TNF-"alfa" e IL-6. Resultados: Foram incluídos no estudo 52 sujeitos, em sua maioria homens (37 ¿ 71,2%), a média de idade foi de 33,8 + 12,0 anos (IC 95%: 30,5- 37,1). Segundo a categoria de atividade física, 32 (61,5%) sujeitos foram considerados insuficientemente ativos. Em análise contínua, a mediana dos mets para a população do estudo foi de 544,5 mets-minutos-semana. Vinte e dois sujeitos (42,3%) atingem o valor de 600 mets/min.semana. Quanto à sintomatologia, os escores foram: 14,5 + 6,1 pontos para sintomas positivos, 24 + 10,3 pontos para sintomatologia negativa, 42 + 13 pontos, para psicopatologia geral e 4,8 + 3,5 pontos (DP 3,5) para a sub-escala de agressividade. A média dos valores do exame físico dos indivíduos da amostra foi: peso de 78,5 ± 20,3 Kg; com IMC de 26,7 ± 7,2 Kg/m² ; percentil de gordura corporal equivalente a 20,2% ± 11,7%; circunferência abdominal de 88,9 ± 27,2 cm. Os valores das dosagens das citocinas (em pg/mL, média com desvio padrão) foram: IL-6: 4,0 ± 4,6; TNF-?: 6,8 ± 8,5. Em teste de regressão linear com análise univariada, a IL-6 correlacionou-se positivamente com idade (p=0,03), e com intensidade de atividade física (p=0,02). A IL-6 foi significativamente mais elevada em pacientes suficientemente ativos/muito ativos (p=0,049). Em análise multivariada, manteve-se a associação positiva entre IL-6 e idade (p=0,03). Em análise univariada, o TNF-a apresentou valores significativamente mais elevados em indivíduos muito ativos (p=0,01) e valores maiores para escores maiores na escala PANSS agressividade (p=0,01). Também se verificou associação positiva entre TNF-? e idade (p=0,0323) e agressividade (p=0,01). O TNF-a foi também mais elevado nos indivíduos muito ativos (p=0,02). Conclusões: A população do estudo é, de modo geral, insuficientemente ativa e mais sedentária que a população geral. A elevação de citocinas esteve associada à prática de atividade física, achado relativamente paradoxal. Uma possível explicação seria por tratar-se de uma população inapta fisicamente, na qual ocorre resposta inflamatória exacerbada entre indivíduos que são mais fisicamente ativos, embora não em intensidade suficiente para haver predomínio de atividade anti-inflamatória

Abstract: Individuals with schizophrenia have lower life expectancy than the general population and high risk of premature death, most of the causes of this are cardiovascular diseases. Among the risk factors present, we highlight the high rates of inactivity. In recent years they have increased the interest to research the benefits of regular physical activity in individuals with severe psychiatric disorders. It is argued que regular exercise plays an anti-inflammatory role, being considered an important agent in the treatment of disorders que present with chronic inflammatory activity. This was a cross-sectional study, his aim was to evaluate the possible association between serum levels of IL-6 and TNF-alpha and physical activity Among adults with schizophrenia. Fifty-two subjects were included in the study. The average age of onset of Symptoms was 22.6 ± 9.5 years. The months of the disorder duration Were 115.9 ± 115.3. The sample consisted largely of men (71.2%). The average age of onset of Symptoms was 22.6 ± 9.5 years. Most subjects (61.5%) were insufficiently active. Seven Patients were considered sufficiently active and 13 very active. The average METs in the sample was 1,112.0 ± 1,595.0 (95% CI: 765.43 - 1,593.92).The amounts of dosages of the cytokine (standard mean deviation) was IL-6 with 4.00 pg / dL ± 4.59; with TNF-alpha 6.83 pg / dL ± 8.5. TNF-alpha values, such as the IL-6, were Also higher for Individuals with a higher number of METs-per-week (p = 0.0141) and TNF-alpha for hose who had higher scores on the subscale of aggression PANSS. In multivariate analysis TNF-alpha Showed correlation with higher values: older age (p = 0.0323), higher scores on subscales of PANSS aggression (p = 0.0096) and a higher number of METs (p = 0.0213). The inflammatory marker elevation found in the study group may suggest there is a lower correlation between fitness and a higher degree of inflammatory response, which is already stated in the literature with other groups. In relation to physical activity, this finding is also a indicative of the need for this program in order to avoid the possible exacerbation of inflammatory response. Hight inactivity rates should also encourage the creation of such programs
Subject: Esquizofrenia
Inflamação
Atividade física
Editor: [s.n.]
Citation: SILVA, Renato Oliveira e. Atividade física e marcadores de inflamação em pacientes com esquizofrenia = Physical activity and makers of inflammation in patients with schizophrenia. 2016. 1 recurso online (86 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/321089>. Acesso em: 31 ago. 2018.
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_RenatoOliveirae_M.pdf1.27 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.