Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321069
Type: TESE DIGITAL
Title: Avaliação das condições associadas a prematuridade por faixa de idade gestacional em gestações únicas e múltiplas entre 2011 e 2014 no Brasil = estudo populacional utilizando o sistema nacional de registros de nascimento = Evaluation of the conditions associated with preterm birth by gestational age range in singleton and multiple pregnancies between 2011 and 2014 in Brazil : a population-based study of the national birth registry
Title Alternative: Evaluation of the conditions associated with preterm birth by gestational age range in singleton and multiple pregnancies between 2011 and 2014 in Brazil : a population-based study of the national birth registry
Author: Nomura, Nathalia Ellovitch, 1985-
Advisor: Passini Júnior, Renato, 1958-
Júnior, Renato Passini
Abstract: Resumo: Introdução: A prematuridade é a principal causa de óbito neonatal e infantil, e representa cerca de 11% dos nascimentos no mundo. Quanto menor a idade gestacional ao nascimento, maiores são a morbidade e mortalidade neonatais. As condições associadas a prematuridade podem diferir de acordo com a idade gestacional. Um dos principais fatores de risco é gestação múltipla, aumentando quinze vezes a chance de parto prematuro. Estudos utilizando registros nacionais de nascimento tem ganhado importância por serem dados populacionais e, no Brasil, a qualidade desses registros melhorou ao longo do tempo. Objetivo: avaliar as condições associadas a prematuridade em gestações únicas e múltiplas por faixa de idade gestacional utilizando registros nacionais de nascimentos do Brasil entre 2011 e 2014. Métodos: estudo de corte transversal dos registros de nascimentos do Ministério da Saúde disponibilizados no Sistema de Nascidos Vivos (SINASC). Foram incluídos todos os nascidos vivos com idade gestacional maior ou igual a 22 semanas entre 2011 e 2014. O desfecho primário foi parto prematuro na gestação única e múltipla. Foram analisadas: idade materna, estado conjugal, escolaridade, local de nascimento, etnia, sexo do recém-nascido, via de parto, Apgar de 1o e 5o minuto, presença de anomalias congênitas. Foi utilizado o teste de qui-quadrado para cálculo de Odds Ratio, com intervalo de confiança de 99%, e regressão logística multinomial, separando gestações únicas e múltiplas, e faixas de idade gestacional. Resultados: a taxa de prematuridade foi 11.5% (10.6% nas gestações únicas e 54.5% nas múltiplas). Na análise bivariada, as variáveis com maior associação a prematuridade nas gestações únicas foram idade materna menor ou igual a 19 e maior ou igual a 35 anos, escolaridade menor que 8 anos, não morar com o parceiro, etnia negra, recém-nascido masculino, e anomalias congênitas; nas gestações múltiplas foram idade materna menor ou igual a 19 anos, escolaridade maior ou igual a 12 anos, etnia branca, recém-nascido masculino, e anomalias congênitas. A análise multivariada mostrou nas gestações únicas maior associação entre prematuridade e idade materna menor ou igual a 19 e maior ou igual a 35 anos, escolaridade menor que 8 anos para nascimentos após 28 semanas e maior ou igual a 12 anos nos prematuros extremos, não morar com parceiro para partos antes de 32 semanas, recém-nascido masculino, e anomalias congênitas; nas gestações múltiplas houve associação com idade materna menor ou igual a 19 anos em todas as faixas de idade gestacional e idade materna maior ou igual a 35 anos nos nascimentos entre 32 e 36 semanas, escolaridade maior ou igual a 12 anos, etnia branca, recém-nascido masculino, e anomalias congênitas nos nascimentos entre 28 e 31 semanas. A ocorrência de índice de Apgar de 1o e 5o minutos abaixo de 7 foi inversamente proporcional a idade gestacional. Conclusões: Gestações únicas e múltiplas diferem nos fatores associados a prematuridade e devem ser analisadas separadamente. Ocorreram diferentes associações, de diferentes magnitudes, de acordo com a faixa de idade gestacional ao nascimento. Fatores sociodemográficos podem caracterizar grupos de maior risco, porém não explicam a causa das diferentes associações observadas

Abstract: Background: Preterm birth (PTB) is the leading cause of neonatal and infant death, and represents 11% of all births. Neonatal morbidity and mortality are greater at lower gestational ages. Conditions associated with PTB differ according to gestational age. Multiple pregnancy is the main risk factor increasing fifteen times the odds of PTB. Studies using national birth registries has gained importance because they are population-based and, in Brazil, quality of these registries have improved. Objective: to evaluate the conditions associated with PTB in singleton and multiple pregnancies by gestational age range, using the National Birth Registry, between 2011 and 2014, in Brazil. Methods: cross-sectional study of Brazil¿s National Birth Registry of the Ministry of Health available at Live B rths System (SINASC). All live births at or beyond 22 weeks between 2011-2014 were included. Primary outcome was PTB. We analyzed maternal age, marital status, educational level, place of birth, ethnicity, newborn gender, mode of delivery, 1st and 5th minute Apgar scores, presence of congenital anomalies. Chi-square test was used to calculate Odds Ratio with 99% confidence interval between PTB and associated factors. We also did a multinomial logistic regression. Pregnancies were analyzed according to gestational age range, and as singleton and multiples. Results: PTB rate was 11.5% (10.6% in singletons and 54.5% in multiples). In the bivariate analysis, variables with greater associations with PTB in singletons were: maternal age £ 19 years and ³ 35 years, lower educational level, not living with a partner, black ethnicity, male newborn, and congenital anomalies; in multiple pregnancies were: maternal age £ 19 years, higher educational level, white ethnicity, male newborn, and congenital anomalies. Multivariable analysis in singletons showed greater association between PTB and maternal age £ 19 years and ³ 35 years, lower educational level for births after 28 weeks, and higher educational level for extremely PTB, male gender and congenital anomalies; in multiples there was greater association between PTB and maternal age £ 19 years in all gestational age ranges, maternal age ³ 35 years in births between 32-36 weeks, higher educational level, white ethnicity, male newborn, and congenital anomalies in births between 28-36 weeks. 1st and 5th minute Apgar scores < 7 were more frequent at lower gestational ages
Subject: Trabalho de parto prematuro
Gravidez de gêmeos
Fatores de risco
Registro de nascimento
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Nomura_NathaliaEllovitch_M.pdf1.55 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.