Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/320867
Type: TESE DIGITAL
Title: On the habitat and landscapes = the effect of scale and data on species response = Sobre o hábitat e a paisagem : efeitos da escala e dos dados na resposta das espécies
Title Alternative: Sobre o hábitat e a paisagem : efeitos da escala e dos dados na resposta das espécies
Author: Rattis, Ludmila, 1986-
Advisor: Loyola, Rafael Dias
Abstract: Resumo: O hábitat das espécies está em constante mudança. Estudar as causas e consequências dessa mudança é uma das tarefas mais desafiadoras em Ecologia. Isto porque a definição de hábitat é espécie-específica, podendo ser diferente até mesmo para uma mesma espécie que ocorre em diferentes locais. Além disso, alguns fatores podem afetar os resultados e conclusões adquiridas por meio de estudos sobre a mudança de hábitat na escala da paisagem. O conceito de hábitat, a avaliação do seu efeito sobre a biodiversidade e a extensão espacial do estudo podem mudar segundo a disponibilidade de dados e os objetivos almejados. Nesta tese, testamos a predição de algumas hipóteses sobre o efeito da quantidade de hábitat, tamanho e isolamento das manchas na riqueza de espécies, sobre a extensão espacial e características das espécies que afetam a relação entre a estrutura da paisagem e a biodiversidade e dessa relação na escala da distribuição da espécie. Respondemos à duas perguntas e propomos um método que versam sobre as mudanças de hábitat e a resposta das espécies à essas mudanças, em diferentes escalas: (1) A quantidade de hábitat na paisagem local explica tanto da variação na riqueza de espécies, quanto o efeito combinado de área e isolamento das manchas de hábitat? (Cap. 1); (2) como a extensão espacial em que a paisagem afeta as espécies muda devido às características das espécies e a resposta biológica medida? (Cap. 2); também propusemos um método para avaliar a conectividade e capacidade de suporte das manchas na escala da área de distribuição das espécies (Cap. 3). No capítulo 1, os resultados corroboram a hipótese da quantidade de hábitat. Tamanho da mancha e isolamento não tiveram efeitos sobre a riqueza de espécies independentemente da quantidade de habitat; podendo ser substituídos com uma única variável, que é a própria quantidade habitat. No capítulo 2, descobrimos que a extensão espacial em que a estrutura da paisagem afeta as comunidades vegetais depende da capacidade de movimentação das espécies, suas taxas de reprodução e da resposta biológica utilizada no modelo. Espécies que dispersam e se reproduzem mais tendem a ser afetadas pela estrutura da paisagem em uma extensão espacial maior. Além disso, dados de abundância das espécies respondem à paisagem circundante em uma escala menor do que os dados de ocorrência. No Capítulo 3, mostramos que as medidas de quantidade de habitat e da capacidade de suporte são mais dependentes das características intrínsecas das espécies, enquanto que as análises de fragmentação e conectividade funcional são mais influenciadas pela escala, exceto quando a espécie tem alta capacidade de dispersão. A abordagem que propomos no capítulo 3 pode levar a menores riscos de incorrer em erros de comissão, que poderiam resultar de uma subestimativa da escala em que a paisagem afeta a potencial ocorrência das espécies. Além disso, propomos uma nova abordagem para avaliar a relação espécie-habitat. Destaca-se também a importância de se considerar toda a área de distribuição da espécie em análises de capacidade de suporte e conectividade funcional dos fragmentos, em uma estrutura simples e integrada para estudos de conservação

Abstract: The habitat of a given species is always changing and studying the causes and consequences of these changes is a challenging task in Ecology. This is because the very definition of habitat is species-specific and even local-specific. Besides that, some factors can affect the results and conclusions coming from the studies carried out in landscapes. The habitat concept, the measurement of its effect on biodiversity, and the spatial extent of the investigation could change according to data availability and the purpose of research. Here we tested some hypothesis about the effect of habitat amount, patch size and isolation on species richness; spatial extent and species traits affecting the relationship between landscape structure and biodiversity and proposed a method to evaluate carrying capacity and connectivity on species¿ range scale: (1) is habitat amount in the surrounding landscape as strong a predictor of species richness, as the combined predictive strength of patch isolation and patch size? (Chapter 1); (2) how does the scale of effect change with species traits and the measured population response? (Chapter 2); we also proposed a method to evaluate connectivity and carrying capacity at species range scale (Chapter 3). In chapter 1, our results supported the habitat amount hypothesis. Patch size and isolation did not have effects on species richness independent of habitat amount; they can be replaced by habitat amount alone. In chapter 2, we found that the spatial extent at which landscape structure mostly affect plant community depends on the movement range of the species, reproduction rate and the particular response analyzed. Species that disperse farther and produce more seeds showed a larger scale of effect, and species abundance responded to the surrounding landscape at a smaller scale than species occurrence. In Chapter 3, we highlighted that habitat amount and carrying capacity were more dependent on species¿ features, whereas fragmentation and functional connectivity were more scale dependent, except when the species has high dispersal ability. The proposed approach can lead to lower risks of incurring in commission errors arising from landscape-scale underestimation of species¿ occurrences and provide a new approach to assess species-habitat relationship. We also highlighted the importance of considering range-scaled landscape, landscape carrying capacity, and patch functional connectivity in a synthetic and integrated framework for conservation studies
Subject: Ecologia
Capacidade de suporte
Conectividade de paisagens
Paisagens fragmentadas
Análise espacial (Estatística)
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Rattis_Ludmila_D.pdf2.87 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.