Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/318036
Type: TESE
Title: Restrição protéica in utero = desenvolvimento sexual e histofisiologia do sistema reprodutivo de ratos machos
Title Alternative: In utero protein restrition : sexual development and histophysiology of the rat male reproductive tract
Author: Tolêdo, Fabiola Choqueta de
Advisor: Kempinas, Wilma De Grava
Abstract: Resumo: Nos últimos anos vem aumentando o reconhecimento mundial sobre a relevância da nutrição como pilar básico para o desenvolvimento econômico e social. Em países em desenvolvimento como o Brasil, por exemplo, a desnutrição é um problema sócio-econômico causado pela má alimentação e pela baixa renda. O nascimento de crianças com baixo peso é reconhecido como um importante problema de saúde pública, com efeitos devastadores no desenvolvimento, na sobrevivência e na saúde humana. Milhares de crianças têm seu crescimento retardado pela má nutrição, no entanto poucos trabalhos relacionam a desnutrição protéica materna e o desenvolvimento do sistema reprodutor. Dessa forma, o presente trabalho teve por objetivo avaliar o impacto da desnutrição protéica in utero sobre parâmetros morfofuncionais do trato reprodutivo masculino em diferentes fases do desenvolvimento sexual: pré-puberal, peripuberal e adulta, assim como sobre a instalação da puberdade em filhotes fêmeas, utilizando o rato como modelo experimental. Para tanto, foram obtidas ratas prenhes e divididas em dois grupos experimentais: grupo que recebeu ração padrão (n=12, grupo RP, 17% de proteína) e grupo que recebeu ração hipoprotéica (n=16, grupo RH, 6% de proteína) durante toda a prenhez. Durante a lactação os dois grupos experimentais receberam ração padrão. No 20º dia gestacional, 10 ratas (grupo RP n=4, grupo RH n=6) foram sacrificadas procedendo-se em seguida a laparotomia para avaliação da performance reprodutiva das progenitoras. As demais ratas prenhes (grupo RP n=8, grupo RH, n=10) foram mantidas para permitir o nascimento e amamentação dos filhotes. A restrição protéica provocou redução do peso placentário, aumento do consumo de ração das progenitoras durante o início da gestação e redução deste consumo no final da gestação e início da lactação. No entanto, esta variação no consumo de ração não foi suficiente para compensar o efeito da dieta hipoprotéica sobre o organismo materno e fetal, uma vez que o ganho de peso das progenitoras durante a gestação e o peso dos filhotes nas diferentes fases do desenvolvimento apresentaram redução significativa. Os filhotes fêmeas do grupo RH tiveram aumento da distância anogenital, sugerindo um processo de masculinização do fenótipo feminino. Nos filhotes de ambos os sexos a restrição protéica in utero provocou atraso no início da puberdade. Nos filhotes machos a restrição protéica provocou redução do peso testicular na fase pré-puberal e no adulto provocou danos em alguns parâmetros morfofuncionais do sistema reprodutivo reduzindo o peso do ducto deferente, o número de células de Sertoli, a motilidade espermática, a produção diária de espermatozóides e a reserva espermática na cauda do epidídimo. Os níveis séricos de testosterona foram reduzidos em 27% quando comparado ao grupo RP. Por outro lado, a incidência de espermatozóides com anormalidades morfológicas e retenção de gota citoplasmática aumentou. Assim, conclui-se que a restrição protéica in utero, nestas condições experimentais, provocou restrição de crescimento, comprometeu o desenvolvimento sexual, atrasando o início da puberdade e provocando danos espermáticos no adulto.

Abstract: In the past few years the worldwide recognition of the relevance of nutrition as a basis for social and economic development has been growing. In developing countries such as Brazil undernutrition is a socioeconomic problem caused by poor nutrition and low income. The birth of children with low birth weight is considered an important public health problem, with devastating effects on human development, survival and health. Although millions of children have their growth retarded due to poor nutrition, few works relate maternal proteic undernutrition to the development of the reproductive system. Thus, the objective of the present work was to evaluate the impact of in utero proteic undernutrition on morphofunctional endpoints in the male reproductive tract during the following phases of sexual development: prepubertal, peripubertal and adult, as well as on the installation of puberty in the female pups, utilizing the rat as the experimental model. For this, pregnant female rats were obtained and divided into two experimental groups: one treated with standard chow (SC, n=12, 17% protein) and the other treated with hypoproteic chow (HC, n=16, 6% protein) throughout gestation. During the lactation period the two groups received standard chow. On the 20th gestational day 10 rats (SC n=4, HC n=6) were sacrificed and laparotomy was performed to evaluate maternal reproductive performance. The remaining pregnant rats (SC n=8, HC n=10) were left to deliver and nurse the offspring. The proteic restriction provoked reduction in the placental weight, increase in the maternal chow consumption at the beginning of pregnancy and reduction at the end of pregnancy and beginning of lactation. However, this variation in the chow consumption was not sufficient to compensate for the hypoproteic effect on the maternal and fetal organisms, since the maternal weight gain over gestation and the weight of the pups in the different phases of the development were significantly reduced. The anogenital distance increased in the female pups of the HC group suggesting a process of masculinization of the female phenotype. In both sexes the in utero proteic restriction delayed pubertal installation. In the male offspring the proteic restriction caused reduction in the testicular weight at prepuberty and, at adulthood, damage to some of the morphofunctional endpoints of the reproductive system by reducing: the vas deferens weight, number of Sertoli cells, sperm motility, daily sperm production and sperm reserves in the epididymal cauda. Serum testosterone levels were lowered by 27% compared to the SC group. On the other hand, the incidence of sperm cells with morphological abnormalities and retention of the cytoplasmatic droplet increased. It was concluded that the proteic restriction in utero, in these experimental conditions, restricted growth, compromised the sexual development by delaying the beginning of puberty and leaded to damage in adulthood.
Subject: Dieta com restrição de proteínas
Rato
Reprodução animal
Puberdade
Espermatozóides
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Toledo_FabiolaChoquetade_M.pdf976.95 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.