Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/317114
Type: TESE
Title: Pesquisa da presença de parvovirus suino (PVS) em tecidos de fetos de suinos
Title Alternative: Detection of of porcine parvovirus (PPV) in swine fetal tissues
Author: Wolf, Verena Hildegard Gyarfas
Advisor: Gatti, Maria Silvia Viccari, 1954-
Abstract: Resumo: A qualidade reprodutiva de fêmeas de suínos é determinada pelos índices de retorno ao cio, tamanho da leitegada, abortos, natimortalidade e mumificação fetal, entre outros itens. Parvovírus suínos (PVS) pela passagem transplacentária em porcas, podem levar à morte fetos em diferentes idades gestacionais, sendo associados aos índices elevados de mumificação fetal no início da gestação quando esses não são imunocompetentes. Em estágios mais tardios da gestação, fetos imunocompetentes podem sobreviver à infecção por PVS e esses vírus são isolados de fetos abortados e natimomortos. De granjas tecnificadas, com vacinação contra a parvovirose, foram coletadas amostras de 39 fetos com idade gestacional acima de 70 dias, com o objetivo de associar PVS a problemas reprodutivos de fêmeas. A imunocompetência dos fetos foi comprovada já que 93,4% deles foi positivo na inibição da hemaglutinação Por imunoperoxidase, a proteína estrutural VP2 de PVS foi detectada por anticorpo monoclonal no citoplasma de células isoladas e individualizadas de pulmão (macrófagos alveolares), em múltiplas células do músculo cardíaco e em células estromais de timo (retículo-epiteliais), tanto de fetos natimortos como abortados. Não houve diferença estatisticamente significante nesses achados entre fetos natimortos e abortados, mas tecidos do pulmão e do timo foram significativamente mais positivos que o coração. Por nested-PCR para o gene da proteína não estrutural NS-1 de PVS foram analisadas 108 amostras de tecidos de fetos natimortos, abortados e mumificados. O DNA viral foi detectado em 82,4% das amostras, sem diferença significativa para o tipo de feto, determinando que a parvovirose suína não deva ser caracterizada apenas como doença da mumificação fetal. A freqüência de identificação de PVS foi maior no pulmão (96,99%) e coração (93,33%) que no baço (54,91%), rim (69,56%) e timo (66,0%). Nos fetos com morte estimada entre 70 a 99 dias de gestação a detecção por nested-PCR foi maior (94,76%) que naqueles com 100 ou mais dias (55,57%). Houve diferença significativa na detecção de PVS em tecidos de fetos oriundos de porcas com menor (92,28%) e maior (65,43%) número de partos, o que sugere uma maior ocorrência da transmissão transplacentária em porcas mais jovens, submetidas a um menor número de vacinações. Mesmo em animais com anticorpos o DNA viral foi detectado, mostrando que a infecção ocorreu e se manteve independente da imunocompetência do feto. Ainda, nossos dados mostram que PVS estão associados tanto com a mumificação fetal, como com abortos e natimortalidade em suínos

Abstract: Swine female reproductive quality is mainly measured by return to estrus, litter size, abortion, stillbirth and mummies. Porcine parvovirus (PPV) transplacental infection is associated to fetal death at different gestacional age, and mostly with fetal mummification due to abscence of fetal immunecompetence in early pregnancy. In late gestational age, immunecompetent fetuses can survive the PPV infection and the virus may be isolated from stillbirth and aborted animals. From commercial vaccinated swine herds, thirty nine fetuses over 70 days of gestational age, so immunocompetent, were separated for analysis. The application of hemagglutination inhibition test confirm fetal immunecompetence in 93,4% of the samples. Viral antigen was detected in isolated individual cells of the lung (alveolar macrophage), in multiple miocardial cells and in stromal cells of the timus (epithelial-reticular), by immuneperoxidase staining using an anti-VP2 monoclonal antibody. These results were observed in stillbirth and aborted fetuses. There was no statistically significant difference for PPV infection in stillbirth and aborted fetuses, but lung and thymus were significantly more positive that the heart. The presence of virus in fetal tissues was analyzed by nested-PCR assay for the NS-1 gene of PPV in stillbirth, aborted fetuses and mummies. The viral DNA was detected in 82.4% of the samples, with no significant difference in the type of fetus, determining that the porcine parvovirosis should not be characterized only as a disease of fetal mummification. Using nested-PCR assay, the frequency of identification of PPV was higher in the lung (96,99%) and hearth (93,33%) than in the spleen (54,91%), thymus (66,0%) and kidney (69,5%). Fetuses which death estimated age more than 100 days old were less positive to PPV and a significant difference in PVS detection was detected in tissues from fetuses from sows with lower (92.28%) and highest (65.43%) number of parturitions. This suggests for a higher susceptibility of transmission in younger sows, submitted to a fewer vaccinations. PPV DNA were detection was independent of antibody presence in fetuses. Fetus immunecompetence did not prevent the infection by PPV and these viruses are associated with abortion, stillbirth and mummies
Subject: Feto
Mortalidade fetal
Aborto
Reação em cadeia da polimerase
Técnicas imunoenzimáticas
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2008
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Wolf_VerenaHildegardGyarfas_D.pdf9.71 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.