Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/316269
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Interações entre o morcego Sturnira lilium (Chiroptera: Phyllostomidae) e plantas da família Solanaceae
Title Alternative: Interactions between the bat Sturnira lilium (Chiroptera: Phyllostomidae) and plants of the family Solanaceae
Author: Mello, Marco Aurelio Ribeiro de
Advisor: Silva, Wesley Rodrigues, 1955-
Abstract: Resumo: Morcegos têm grande importância ecológica nos Neotrópicos, por serem muito diversos, abundantes e interagirem com várias espécies de plantas e animais. Os morcegos filostomídeos da subfamília Stenodermatinae são frugívoros especializados e importantes dispersores de sementes, sendo que Sturnira lilium tem preferência por frutos de Solanaceae, uma família de grande valor ecológico e econômico. O objetivo do presente estudo foi investigar quatro aspectos principais e testar hipóteses relacionadas à maneira como essa interação ocorre e afeta ambos os grupos. De acordo com o esperado, a dieta de S. lilium foi inteiramente frugívora com uma forte dominância de solanáceas. A abundância de morcegos apresentou dois picos curtos ao longo do ano, ao contrário da produção de frutos que teve um pico único, porém mais longo. Os morcegos deixaram a área durante os meses mais frios e provavelmente migraram para altitudes mais baixas e quentes para escapar do clima severo e procurar por frutos de Solanaceae. A maioria das fêmeas de S. lilium se reproduziu durante os meses mais úmidos e quentes, durante a maior oferta de frutos. As solanáceas mostraram ser uma fonte de alimento confiável para S. lilium e sua fenologia pareceu regular a dinâmica populacional dos morcegos. S. lilium não apresentou fidelidade aos refúgios noturnos e diurnos, e usou uma grande distância de comutação e uma grande área de forrageio em comparação com outros pequenos mamíferos. A dispersão de sementes por S. lilium pareceu ser altamente benéfica para as plantas, de acordo com as hipóteses clássicas de fuga, colonização e dispersão limitada. Não observei evidências de fobia lunar em S. lilium, apesar de ter observado em outros dois filostomídeos frugívoros, Artibeus lituratus e Carollia perspicillata. As diferenças nas respostas à luz da Lua podem ser explicadas pelo habitat de forrageio, a dieta e distribuição espaço-temporal das plantas-alimento, e podem ter conseqüência para o sucesso reprodutivo das plantas-alimento. Os resultados do presente trabalho confirmam que a relação entre S. lilium e as solanáceas é muito forte, e que ela também é benéfica para ambos os grupos, afetando as populações de morcegos e plantas e consequentemente a estrutura de toda a comunidade

Abstract: Bats have a high ecological importance in the Neotropics for they are highly diverse, very abundant and interact with many plant and animal species. Phyllostomid bats of the subfamily Stenodermatinae are specialized frugivores and important seed dispersers, and Sturnira lilium prefers fruits of the Solanaceae, a family of high ecological and economical value. The goal of the present study was to investigate four main aspects and test hypotheses related to the way this interaction occurs and how it affects both groups. As expected, the diet of S. lilium was totally frugivore and Solanaceae prevailed. Bat abundance presented two short peaks throughout the year, while fruit production presented a single, but longer, peak. Bats left the area during colder months and probably migrated to lower and warmer altitudes to escape the severe climate and to search for Solanaceae fruits. Most S. lilium females reproduced during wetter and warmer months, during the highest fruit availability. The Solanaceae showed to be a reliable food source for S. lilium, and their phenology seemed to regulate bat population dynamics. S. lilium showed no roost fidelity, and used large commuting distances and foraging areas, if compared to other small mammals. Seed dispersal by S. lilium seemed to be highly beneficial for plants, according to the classical hypotheses of escape, colonization and limited dispersal. I observed no evidences of lunar phobia in S. lilium, despite having observed in other two frugivorous phyllostomids, Artibeus lituratus and Carollia perspicillata. Differences in response to moonlight may be explained by foraging habitat, diet and spatio-temporal distribution of food-plants, and may have consequences for the reproductive success of food-plants. Results of the present study suggest that the relationship between S. lilium and the Solanaceae is very strong, and that it is also beneficial for both groups, affecting populations of bats and plants, and consequently the structure of the whole community
Subject: Animais frugivoros
Sementes - Dispersão
Reprodução animal
Animais - Comportamento
Ecologia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Mello_MarcoAurelioRibeirode_D.pdf11.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.