Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/315975
Type: TESE
Title: Nidificação de aves em duas localidades amazonicas : sucesso e adaptações
Author: Willis, Yoshika Oniki
Advisor: Vielliard, Jacques Marie Edme, 1944-2010
Abstract: Resumo: As taxas de sucesso em ninhos de aves bera como as características de ninhos e ovos relacionados com o ambiente foram estudadas em duas localidades brasileiras tropicais, Belém e Manaus. As taxas de mortalidade em ninhos de aves, de Belém e Manaus, medidas pela fórmula N/(P + S + N), sugerida por Mayfield (1975) variaram entre 1,5 e 6,8 % por dia para diferentes tipos de ninhos e habitats. Sendo que estas figuras às vezes não são significantemente mais altas que taxas constatadas em zonas temperadas por Nice (1957), são postas em dúvida as teorias de Skutch (1949) que pretende que alta predação em ninhos é uma das causas de ninhadas pequenas nas regiões tropicais. Como nos estudos efetuados na América Central (Skutch 1966), no presente estudo, os ninhos em taça tiveram menor sucesso que os encobertos; e em contraste com os mesmos estudo, os ninhos de mata tiveram tanto quanto ou maior sucesso que os ninhos de áreas abertas. Uma análise das correlações entre as localizações e características de ninhos e ovos em localidades amazônicas sugere vários padrões anti-predatórios. Em Belém foram estudadas 78 espécies de aves nidificando e a coloração de ovos foi determinada para 46; em Manaus foram estudadas 77 espécies e a coloração de ovos determinada para 35 espécies. Os ovos azuis com ou sem pintas geralmente ocorrem em ninhos em taça, espessos e escuros em habitats semiabertos, onde o ninho provavelmente forma uma mancha escura quebrada pelas cores azuis dos ovos que imitam as manchas de luz incidente nobre as folhas circundantes. Tais ninhos, em um mosaico de luz e sombra nesses habitats semiabertos podem passar desapercebidos às aves ou aos mamíferos predatórios. Os ovos róseos com ou sem pintas ocorrem sobre ou próximo ao chão ou em ninhos ralos e provavelmente imitam o ninho em si, as folhas secas, o material não-verde, a serra-pilheira ou o solo. Alguns Tyrannidae (uma família em que esta cor de ovo é comum) ainda mantêm esta cor dentro de ninhos em forma de forno, onde é possível que os ovos se assemelhem às paredes do interior do ninho. Os ovos brancos sem pintas ocorrem em várias situações onde não podem ser vistos pelos predadores: escondidos dentro de cavidades ou em ninhos em forma de forno; em ninhos pequenos ou pouco visíveis; em ninhos de columbídeos onde os ovos são constantemente cobertos pelos adultos. Os ovos brancos expostos são geralmente com pintas e podem se assemelhar a liquens, a raios de sol incidindo sobre as folhas distantes abaixo do ninho, a manchas do céu ou nuvens ou troncos espinhosos e claros. Os ninhos ralos com ovos brancos com pintas provavelmente são difíceis de se ver. Os ninhos não muitas vezes escuros em habitats fechados e claros em habitats abertos, com duas exceções: os ninhos escuros com ovos azuis em áreas abertas e ninhos escuros junto a ninhos de vespas em qualquer tipo de habitat. Em adição a estas adaptações contra predadores aéreos ou arbóreos, outras adaptações contra predadores são evidentes: ninhos em cavidade e em forma de forno; ninhos em árvores de troncos espinhosos, lisos ou altos; ninhos em bolsas em pontas de ramos longos; ninhos em emaranhados ou entre as raízes tabulares; agressão ou exibição de distração por parte dos adultos; ninhos próximo a ninhos de vespas ou da habitação do homem. Também há os ninhos em arbustos isolados, pequenas clareiras, ou sobre a água, onde a diversidade de predadores é reduzida pelos equilíbrios mais baixos de imigração-extinção constatados na teoria de biogeografia de ilhas (MacArthur & Wilson 1966). Existem convergências entre alguns ninhos neotropicais e africanos, mesmo que as famílias e espécies destes continentes sejam em geral diferentes. As florestas permitem mais tipos de padrões de nidificação que os habitat3 perturbados pelo homem, como os pastos com arbustos e as capoeiras. Entretanto, áreas próximas ao homem mas com árvores remanescentes da mata original (como no caso do Sítio I-iruçanga em Manaus) podem ser razoavelmente diversificadas quanto a estratégias; mas muitos dos padrões de nidificação no topo de árvores, cavidades e no chão são rapidamente eliminados pelo intensivo uso das áreas pelo homem. Também, o homem aumenta as perdas em ninhos, como foi constatado na descoberta de significante alta taxa de mortalidade em Belém (com muito efeito humano) em comparação com Manaus (poucos efeitos humanos).

Abstract: At Belém and Manaus, two Brazilian localities close to the equator, I studied survival rates in bird nests as well as characteristics of nests and eggs related to the environment. Mortality rates of bird nests at Belém and Manaus, calculated by the formula N/(P + S + N) suggested by Mayfield (1975), ranged between 1.5 and 6.8% per day for different types of nests and habitats. Since these rates are at times not significantly higher than rates recorded for temperate zone nests (Nice 1957), theories that tropical clutch sizes are low to avoid high predation rates (Skutch 1949; Foster 1974) are put in doubt. As in previous studies in Central America (Skutch 1966), cup-shaped nests had lower success than enclosed ones; but, unlike previous studies, forest nests In the present study had as high or higher success than nests of open areas. An analysis of correlations between locations and characteristics of nests and eggs, suggests several anti-predatory patterns. Blue eggs, with or without spots, generally occurred in thick and dark nest cups in semi-open habitats, where the nest probably forms a dark spot broken by blue spots of the eggs which imitate the light spots incident on green leaves. Such nests in a mosaic of light and shade in these semi-open habitats can be easily overlooked by predatory birds and mammals. Pink eggs, with or without spots, occurred on or close to the ground or in thin nests and probably imitate the neat itself, dead leaves or other dead material, litter, or the ground. Some Tyrannidae (a family in which this egg color is common), still maintain this coloration inside oven-shaped nests, where it is possible that the eggs mimic the color of the nest lining. White eggs occurred in several situations where predators could not see them: inside cavities or in oven -shaped nests; in small and inconspicuous nests; in nests of Columbidae where the eggs are constantly covered by the adults. Exposed white eggs are usually spotted, and perhaps imitate lichens, incident light on leaves under the nest, clouds, light spots in the canopy, or spiny and light-colored trunks. Thin nests with spotted white eggs are difficult to see. Nests are often dark in closed habitats and pale in open habitats, with two exceptions: dark nests with blue eggs in open areas and dark nests close to wasp nests in any type of habitat. In addition several other adaptations were evident: use of cavities and oven-shaped nests; nests in tall, smooth or spiny trunked trees; purse-shaped nests at the tips of long branches; nests in tangles or between buttresses of trees; aggression or distraction displays of adults; and nests close to wasp nests or houses. Nests were also found in isolated bushes, small clearings or above water, where the diversity of predators was reduced by the lower equilibria resulting from immigration and extinction as suggested in the theory of biogeography of islands (MacArthur & Wilson 1966). African and neotropical nests are sometimes convergent, even though bird families and species are often different. Forest allow more types of patterns of nesting than do some habitats disturbed by man, such as pastures with shrubs or second growth. Areas of human use that had trees remaining from the original forest (as in the case of sítio I-iruçanga at Manaus) were reasonably diverse in nesting strategies. However, some nesting patterns of the tops of trees, cavities, and of the ground are easily eliminated by intesive human use. Also, human use of areas at Belém resulted in significantly higher rates of nest mortality there than at Manaus, where human effects on the environment were less.
Subject: Ovo - Implantação
Ave - Criação - Amazônia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1986
Appears in Collections:IB - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Willis_YoshikaOniki_D.pdf28.58 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.