Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/315860
Type: TESE
Title: Estudo comparativo de comunidades de pequenos mamiferos em duas areas de mata atlantica situadas a diferentes altitudes no sudeste do Brasil
Author: Vieira, Emerson Monteiro
Advisor: Monteiro-Filho, Emygdio L. A
Filho, Emygdio L. A. Monteiro
Abstract: Resumo: O conhecimento atual sobre diferenças na composição de espécies de pequenos mamíferos em diferentes áreas de Mata Atlântica ainda é limitado, assim como quais fatores poderiam estar influenciando nessas eventuais diferenças. Neste estudo analisei comunidades de Mata Atlântica localizadas em duas áreas de uma mesma reserva ecológica, uma delas a 100 m de altitude (Saibadela) e a outra a 900 m (Barra Grande). Comparei parâmetros básicos de cada comunidade (composição de espécies, abundância relativa, biomassa), os quais relacionei com características estruturais do hábitat e também com a oferta de recursos em cada área. Analisei também padrões de estratificação vertical das espécies e também interação de marsupiais e primatas com plantas epífitas da família Araceae. Realizei séries de captura mensais durante set/95 e ago/97 na Saibadela e bimestrais durante ago/96 e jun/97 na Barra Grande. Capturei 11 espécies na Saibadela (quatro marsupiais, seis Muridae e um Echimyidae) e 16 na Barra Grande (quatro, 11 e um, respectivamente). Embora Oryzomys intermedius (Rodentia, Muridae) tenha sido a espécie dominante em ambas as áreas, cada uma apresentou comunidades distintas, com diferenças significativas na abundância relativa das espécies mais comuns e nos índices de diversidade. Pode-se concluir, com os resultados apresentados neste estudo, que as áreas estudadas apresentam faunas de pequenos mamíferos abundantes, ricas em espécies e bastante representativas da Mata Atlântica. Detectei mudanças marcantes na composição das comunidade e abundância relativa das espécies nos diferentes estratos verticais. Capturei principal ou exclusivamente na copa as seguintes espécies: Micoureus demerarae e Gracilinanus microtarsus (Didelphimorphia, Didelphidae); Wilfredomys pictipes, Oecomys gr. ncolor e Rhipidomys afI. macrurus (Rodentia, Muridae); e Nelomys nigrispinis (Rodentia, Echimyidae). Quanto à interação de mamíferos arborícolas com aráceas, registrei 17 espécies de Araceae na área de estudo. As sementes das seguintes espécies ocorreram nas amostras fecais de primatas (Cebus apella e Brachyteles arachnoides) e de marsupiais (Didelphis aurita, M. demerarae, G. microtarsus): Anthurium harrissi, Monstera adansonii, Philodendron corcovadense, P. appendiculatum, P. crassinervium e Heteropsis oblongifolia. Aráceas parecem ser uma fonte alimentar importante para marsupiais e primatas e que esses animais podem representar um papel importante como dispersores de sementes deste grupo. Essa relação parece ser mais forte na Mata Atlântica do que em outras florestas neotropicais. Por último realizei também uma análise geral da variação na composição de comunidades de pequenos mamíferos na Floresta Atlântica brasileira. Para isso usei Análise de Componentes Principais (PCA) com dados deste estudo e também de literatura. Os maiores contrastes entre comunidades foram encontrados entre estágios iniciais e finais de sucessão secundária após derrubadas de florestas e entre florestas de baixada/submontanas e florestas montanas. Encontrei uma maior riqueza em florestas nos estágios finais de sucessão. Diferentes perturbações ambientais levaram a diferentes modificações na fauna. O domínio da Mata Atlântica é um mosaico de diferentes formações florísticas reduzido a um aglomerado de fragmentos florestais sujeitos a diversos tipos e graus de perturbação. Processos antrópicos agindo em escala ecológico-local (derrubadas, queimadas e fragmentação) e a sucessão secundária subseqüente exercem um papel preponderante na diferenciação das comunidades de pequenos mamíferos na Mata Atlântica

Abstract: The actual knowledge on community composition of small mammals in different Atlantic forest areas is still incomplete, as well as the factors that could be influencing the eventual differences. In this study, I analyzed small mammal communities of Atlantic Forest areas located in the same ecological reserve (Parque Estadual Intervales - PEI), one of them at 100 m of altitude (Saibadela) and the other one at 900 m (Barra Grande). I compared basic parameters of each community (species composition and relative abundance, biomass) which I related with structural characteristics of the habitat and with the resource availability in each area, too. I aIso investigated patterns of vertical stratification of the several species and the interaction of marsupiaIs and primates with epiphytic plants of the Araceae family. I conducted monthly trapping series between sep/95 and aug/97 at Saibadela and bi-monthly trapping series from aug/96 to jun/97 at Barra Grande. I captured 11 small mammal species in Saibadela (four marsupials, six Muridae, and one Echimyidae) and 16 species in Barra Grande (four, 11, and one, respectively). Although Oryzomys intermedius (Rodentia, Muridae) was the dominant species in both areas, there were significant differences in the relative abundance of the most common species and in the diversity indexes. The studied areas have an abundant small mammal fauna with great species richness and both studied areas are quite representative of the Atlantic Forest biome. I also detected marked changes in community composition and relative abundance of the different species in the different vertical strata. I captured mainly or exclusively in the canopy the following species: Micoureus demerarae and Gracilinanus microtarsus (Didelphimorphia, Didelphidae); Wilfredomys pictipes, Oecomys concolor, and Rhipidomys aff macrurus (Rodentia, Muridae); and Nelomys nigrispinis. About the relationship between arboreal mammals and aroids, I recorded 17 species of Araceae in the study area. The seeds of the following species occurred in the fecal samples of (Cebus apella and Brachyteles arachnoides) and marsupiaIs (Didelphis aurita, Micoureus demerarae, Gracilinanus microtarsus): Anthurium harrissi, Monstera adansonii, Philodendron corcovadense, P. appendiculatum, P. crassinervium and Heteropsis oblongifolia. The aroids appear to be an important food source for marsupiais and primates and these animals may play an important role as seed dispersers of this group. Aroids and arboreal mammals appear to be more strongly related to each other in Atlantic Forest than in other Neotropical forests. At last, I conducted a general analysis of small mammals communities in the Atlantic Forest as a whole. I performed Principal Component Analysis using data from this study an also from published papers. The major divergences among communities were found between early and late stages of post-clearing succession and between lowland/submontane forests and montane forests. High genera richness was found in late successional forests. Different environrnental disturbances lead to different faunal changes. The Brazilian Atlantic Forest Domain is a mosaic of different floristic formations, now reduced to a plethora of forest fragments subjected to diverse kinds and degrees of disturbances. Anthropic processes acting at the local-ecological (clearing, burning and fragmentation) and the subsequent secondary succession play a major in differentiating small mammal communities in the Atlantic Forest
Subject: Mamífero
Ecologia
Mata Atlântica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:IB - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Vieira_EmersonMonteiro_D.pdf6.31 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.