Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/315827
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Estudos sobre estimadores de riqueza de especies, perturbações experimentais e persistencia ao longo de cinco anos em comunidades de macroinvertebrados bentonicos em riachos
Author: Melo, Adriano Sanches
Advisor: Froehlich, Claudio Gilberto
Abstract: Resumo: Foram abordados diversos aspectos de estimadores de riqueza de espécies e o papel de perturbações em riachos. Numa avaliação sobre estimadores de riqueza na comunidade, todos estimadores foram dependentes do tamanho amostral (Cap. 1). Tal dependência é em parte devido à não estabilização da curva de acumulação de espécies raras. Concluo que o uso de tais métodos na estimativa de riqueza de espécies numa área não é confiável (Cap. 2). Apesar da ausência de métodos confiáveis para a estimativa de riqueza na comunidade, mostro que outros métodos podem ser usados na estimativa de riqueza em tamanhos amostrais maiores (Cap. 3). Fiz dois experimentos para investigar a resposta de comunidades de macroinvertebrados a perturbações experimentais. No primeiro, feito na Nova Zelândia, comunidades de riachos em pastagens não diferiram daqueles em campos de vegetação nativa (Cap. 4). Houve redução da abundância total dos organismos, mas subsequente recuperação em oito dias. A riqueza de espécies permaneceu estável. Logo após a perturbação houve aumento da agregação da comunidade. No segundo experimento, pedras no leito de três riachos foram perturbadas (Cap. 5). Foi testada a hipótese de que a recuperação dos níveis de abundância e riqueza deveriam ocorrer com maior rapidez no riacho de tamanho intermediário. Os padrões de colonização foram semelhantes entre os três riachos, rejeitando a hipótese de trabalho. Como medida de perturbação causada por enchentes, fiz um experimento com rol agem de pedras marcadas em cinco riachos (Cap. 6). A frequência de rol agem foi semelhante entre os riachos, embora o enterramento de pedras tenha sido mais frequente no riacho menor, de 1 a ordem. Num estudo de persistência da comunidade de invertebrados durante cinco anos, houve maior concordância entre amostras coletadas na época seca do que naquelas coletadas na época chuvosa, quando enchentes são comuns (Cap. 7). Foi testada a hipótese de que a variabilidade da comunidade aumenta com o tempo. Tal hipótese foi confirmada, embora o aumento da variabilidade tenha sido muito maior nas amostras coletadas no verão

Abstract: In this thesis I address topics of species richness estimation and the role of disturbance in streams. In an evaluation of species richness estimators, alI methods were dependent on sample size. Such dependence is in part due to the non-stabilization of the curve of accumulation of rare species. The results indicate that estimates of species richness in an area are not reliable, although they might be useful for comparative purposes. Despite the lack of reliable methods to estimate species richness in an area, in a second evaluation work I show that several methods can be used to estimate species richness in extrapolated sample sizes. The main application of such methods would be in the standardization of different sample sizes. Two experiments were carried out to investigate the response of stream macroinvertebrate communities to experimental disturbance. In the first study, done in New Zealand, response of communities in streams draining pastures did not differ from that observed in streams draining native tussock fields. There was a decrease in abundance following the disturbance evento Eight days after the disturbance event, abundance was similar to control levels. Species richness remained unchanged. Immediately after the disturbance event there was an increase in patchiness of the stream communities. In the second experiment, stones in three streams differing in size were disturbed. I tested the hypothesis that recovery would be fastest in the medium-sized stream. The colonization patterns were similar in alI three streams, causing the rejection of the stated hypothesis. In a study of persistence of invertebrate communities inhabiting five streams during five years, it was observed that winter (dry season) samples were more concordant over years than summer (rainy season) samples. The hypothesis that community variability increases with time was tested. The hypothesis was supported, although the increase in variability was much more conspicuous for summer than for winter communities
Subject: Inseto
Ecologia
Diversidade biológica
Invertebrado
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Melo_AdrianoSanches_D.pdf10.14 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.